background image
Natura Cosméticos S.A.
Consolidated Financial Statements for the
Years Ended December 31, 2007 and 2006
and Independent Auditors' Report

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes
background image
INDEPENDENT AUDITORS' REPORT
To the Board of Directors and Shareholders of
Natura Cosméticos S.A.
São Paulo - SP
1. We have audited the accompanying consolidated balance sheets of Natura Cosméticos S.A.
and subsidiaries (the "Company") as of December 31, 2007 and 2006, and the related
statements of income, changes in shareholders' equity and changes in financial position for
the years then ended, all expressed in Brazilian reais and prepared under the responsibility
of the Company's management. Our responsibility is to express an opinion on these
financial statements.
2. Our audits were conducted in accordance with auditing standards generally accepted in
Brazil. Those standards require that we plan and perform the audit to obtain reasonable
assurance about whether the consolidated financial statements are free of material
misstatement. An audit includes examining, on a test basis, evidence supporting the amounts
and disclosures in the consolidated financial statements. An audit also includes assessing the
accounting principles used and significant estimates made by management, as well as
evaluating the overall financial statement presentation. We believe that our audits provide a
reasonable basis for our opinion.
3. In our opinion, the consolidated financial statements referred to in paragraph 1 present
fairly, in all material respects, the consolidated financial position of Natura Cosméticos S.A.
and subsidiaries as of December 31, 2007 and 2006, and the results of their operations, the
changes in shareholders' equity, and the changes in their financial position for the years then
ended, in conformity with Brazilian accounting practices.
4. Brazilian accounting practices vary in certain respects from generally accepted accounting
principles in the United States of America. Application of generally accepted accounting
principles in the United States of America would have affected shareholders' equity as of
December 31, 2007 and 2006 and results of operations for the years then ended, to the
extent summarized in Note 26 of the consolidated financial statements.
background image
Deloitte Touche Tohmatsu
2
5. Our audits were conducted for the purpose of forming an opinion on the basic consolidated
financial statements taken as a whole. The consolidated statements of cash flows for the
years ended December 31, 2007 and 2006 (Attachment) are presented for purposes of
additional analysis and are not a required part of the basic consolidated financial statements
prepared in accordance with Brazilian accounting practices. Such information has been
subjected to the same auditing procedures applied in the audit of the basic consolidated
financial statements described in paragraph 2 and, in our opinion, is fairly presented in all
material respects in relation to the basic consolidated financial statements taken as a whole.
6. As described in note 26.p, the Company presented again the reconciliation of net income for
the differences between Brazilian accounting practices and accounting principles generally
accepted in the United States of America, for the year ended December 31, 2006.
São Paulo, February 27, 2008
DELOITTE TOUCHE TOHMATSU
Altair Tadeu Rossato
Auditores Independentes Engagement
Partner
background image
NATURA COSMÉTICOS S.A.
BALANCE SHEETS AS OF DECEMBER 31, 2007 AND 2006
(In thousands of Brazilian reais - R$)
ASSETS
2007
2006
LIABILITIES AND SHAREHOLDERS' EQUITY
2007
2006
CURRENT ASSETS
CURRENT LIABILITIES
Cash and banks
49,398
65,293
Loans and financing (Note 13)
284,707
75,888
Cash investments (Note 5)
355,994
209,863
Domestic suppliers
173,574
208,739
Trade accounts receivable (Note 6)
535,528
374,168
Foreign suppliers
2,076
5,518
Inventories (Note 7)
251,079
237,091
Salaries, profit sharing and related charges
87,068
88,718
Recoverable taxes (Note 8)
49,368
38,687
Taxes payable (Note 14)
118,511
95,672
Advances to employees and suppliers
3,569
12,705
Dividends (Note 18.d)
237,898
213,813
Deferred income and social contribution taxes (Note 9.a)
52,799
32,236
Accrued freight
18,044
18,944
Other receivables
25,513
20,535
Other payables
21,436
18,522
Total current assets
1,323,248
990,578
Reserve for tax, civil and labor contingencies (Note 15)
13,420
-
Allowance for losses on swap and forward transactions (Notes 21.b and 21.d)
8,514
2,185
Sundry accruals
888
3,739
Total current liabilities
966,136
731,738
NONCURRENT ASSETS
Long-term assets:
NONCURRENT LIABILITIES
Receivables from shareholders (Note 18.b)
-
20
Loans and financing (Note 13)
259,992
127,077
Recoverable taxes (Note 8)
22,284
20,981
Reserve for tax, civil and labor contingencies (Note 15)
51,021
62,210
Deferred income and social contribution taxes (Note 9.a)
34,318
35,809
Other payables
7,342
4,348
Escrow deposits (Note 15)
38,603
13,367
Total noncurrent liabilities
318,355
193,635
Advances to suppliers
3,935
2,715
Other receivables
595
557
MINORITY INTEREST
1
4
Cash investments (Note 5 and 15.g)
4,848
4,336
Permanent assets:
SHAREHOLDERS' EQUITY (Note 18)
Investments
-
630
Capital (Note 18.a)
390,618
233,862
Property, plant and equipment (Note 10)
470,963
445,546
Capital reserves (Notes 18.b and 18.e)
124,471
134,867
Intangible assets (Note 11)
63,817
51,389
Profit reserves (Notes 18.g and 18.h)
165,235
272,056
Total noncurrent assets
639,363
575,350
Treasury shares (Note 18.e)
(2,205)
(234)
Total shareholders' equity
678,119
640,551
TOTAL ASSETS
1,962,611
1,565,928
TOTAL LIABILITIES AND SHAREHOLDERS' EQUITY
1,962,611
1,565,928
The accompanying notes and Attachment are an integral part of these financial statements.
3
background image
NATURA COSMÉTICOS S.A.
STATEMENTS OF INCOME
FOR THE YEARS ENDED DECEMBER 31,2007 AND 2006
(In thousands of Brazilian reais - R$, except for earnings per share)
2007
2006
Gross sales to domestic market
4,111,505
3,754,968
Gross sales to foreign market
188,884
133,604
Other sales
1,225
1,388
GROSS OPERATING REVENUES
4,301,614
3,889,960
Taxes on sales, returns and rebates
(1,228,913)
(1,132,973)
NET OPERATING REVENUES
3,072,701
2,756,987
Cost of sales
(992,253)
(891,317)
GROSS PROFIT
2,080,448
1,865,670
OPERATING (EXPENSES) INCOME
Selling
(1,033,195)
(885,749)
General and administrative
(377,505)
(330,845)
Employee profit sharing (Note 16)
(28,664)
(37,353)
Management compensation
(9,539)
(12,385)
Other operating expenses, net
(4,942)
(388)
INCOME FROM OPERATIONS BEFORE FINANCIAL EFFECTS
626,603
598,950
Financial expenses (Note 22)
(60,380)
(33,453)
Financial income (Note 22)
51,039
43,391
INCOME FROM OPERATIONS
617,262
608,888
Nonoperating income, net
512
909
INCOME BEFORE TAXES ON INCOME
617,774
609,797
Income and social contribution taxes (Note 9.b)
(155,519)
(149,023)
NET INCOME BEFORE MINORITY INTEREST
462,255
460,774
Minority interest
-
(1)
NET INCOME
462,255
460,773
EARNINGS PER SHARE - R$
1.0781
1.0796
The accompanying notes and Attachment are an integral part of these financial statements.
4
background image
NATURA COSMÉTICOS S.A.
STATEMENTS OF CHANGES IN SHAREHOLDERS' EQUITY
Treasury
Share
Investment
Retained
Capital
shares
premium
grants
Legal
Retention
earnings
Total
BALANCES AS OF DECEMBER 31,2005
230,762
(1,265)
110,459
10,715
18,533
152,185
-
521,389
-
Sale of treasury shares by exercise of stock options
-
541
8,039
-
-
-
-
8,580
Payment of receivables from shareholders (Note 18.b)
-
-
2,272
-
-
-
-
2,272
Capital increase through subscription of shares
3,100
-
-
-
-
-
-
3,100
Tax incentives
-
-
-
3,872
-
-
-
3,872
Net income
-
-
-
-
-
-
460,773
460,773
Allocation of net income:
-
Dividends - R$0.7630 per outstanding share (Note 18.d)
-
-
-
-
-
-
(325,866)
(325,866)
Interest on capital - R$0.0787 per outstanding share (Notes 18.c and 18.d)
-
-
-
-
-
-
(33,569)
(33,569)
Profit retention reserve (Note 18.h)
-
-
-
-
-
109,891
(109,891)
-
BALANCES AS OF DECEMBER 31,2006
233,862
(724)
120,770
14,587
18,533
262,076
(8,553)
640,551
Sale of treasury shares by exercise of stock options (Note 18.e)
-
20,724
(13,273)
-
-
-
-
7,451
Payment of receivables from shareholders (Note 18.b)
-
-
92
-
-
-
-
92
Capital increase through subscription of shares (Note 18.a)
2,817
-
-
-
-
-
-
2,817
Acquisition of treasure shares (Note 18.e)
-
(22,701)
-
-
-
-
-
(22,701)
The increase in capital by capitalization of profit reserve (Note 18.h)
153,939
-
-
-
-
(153,939)
-
-
Tax incentives
-
-
-
2,791
-
-
-
2,791
Net income
-
-
-
-
-
-
462,255
462,255
Allocation of net income:
-
Dividends - R$0.8767 per outstanding share (Note 18.d)
-
-
-
-
-
-
(375,890)
(375,890)
Interest on capital - R$0.0915 per outstanding share (Notes 18.c and 18.d)
-
-
-
-
-
-
(39,247)
(39,247)
Profit retention reserve (Note 18.h)
-
-
-
-
-
41,777
(41,777)
-
BALANCES AS OF DECEMBER 31,2007
390,618
(2,701)
107,589
17,378
18,533
149,914
(3,212)
678,119
The accompanying notes and Attachment are an integral part of these financial statements.
Capital reserves
Profit reserves
(In thousands of Brazilian reais - R$, except for dividends per share)
FOR THE YEARS ENDED DECEMBER 31, 2007 AND 2006
5
background image
NATURA COSMÉTICOS S.A.
STATEMENTS OF CHANGES IN FINANCIAL POSITION
FOR THE YEARS ENDED DECEMBER 31,2007 AND 2006
(In thousands of Brazilian reais - R$)
2007
2006
SOURCES OF FUNDS
From operations:
Net income
462,255
460,773
Items not affecting working capital:
Depreciation and amortization (Notes 10 and 11)
74,916
54,601
Monetary and exchange variations, net, except those referring to tax, civil and
labor contingencies
(5,435)
(73)
Reserve for tax, civil and labor contingencies, including monetary variation on those
reserves (Note 15)
(8,043)
12,998
Deferred income and social contribution taxes (Note 9.a.)
1,491
(6,485)
Proceeds from sale and disposal of property, plant and equipment and intangible assets
5,683
3,881
Minority interest
(3)
(4)
530,864
525,691
From shareholders:
Capital increase through subscription of shares (Note 18.a.)
2,817
3,100
Acquisition of treasure shares (Note 18.e)
(22,701)
-
Sale of treasury shares by exercise of stock options (Note 18.e.)
7,451
8,581
Payment of receivables from shareholders (Note 18.b.)
92
2,272
From third parties:
Reclassification of recoverable taxes from property, plant and equipment to current and
noncurrent assets
-
10,536
Increase in noncurrent liabilities
280,987
31,570
Tax incentives
2,791
3,872
Total sources
802,301
585,622
USES OF FUNDS
Acquisition of property, plant and equipment and intangible assets (Notes 10 and 11)
120,856
193,596
Increase in noncurrent assets (long-term assets)
70,687
14,232
Decrease in noncurrent liabilities
-
29,119
Transfer from noncurrent to current liabilities
144,379
20,740
Dividends proposed and paid (Note 18.d.)
375,890
325,866
Interest on capital proposed and paid (Notes 18.c. and 18.d.)
39,247
33,569
Total uses
751,059
617,122
(DECREASE) INCREASE IN WORKING CAPITAL
51,242
(31,500)
REPRESENTED BY
Increase in current assets
332,669
65,714
Increase in current liabilities
281,427
97,214
(DECREASE) INCREASE IN WORKING CAPITAL
51,242
(31,500)
The accompanying notes and Attachments are an integral part of these financial statements.
6
background image
7
NATURA COSMÉTICOS S.A.
NOTES TO THE FINANCIAL STATEMENTS
FOR THE YEARS ENDED DECEMBER 31, 2007 AND 2006
(Amounts in thousands of Brazilian reais - R$, unless otherwise stated)
1. OPERATIONS
Natura Cosméticos S.A. (the "Company") and its subsidiaries are engaged in the
development, production, distribution and sale, substantially through direct sales by Natura
beauty consultants, of cosmetics, fragrances, hygiene and health products. The Company
also holds equity interests in other companies in Brazil and abroad.
2. PRESENTATION OF FINANCIAL STATEMENTS
The financial statements have been prepared in accordance with Brazilian accounting
practices and standards established by the Brazilian Securities Commission (CVM).
Certain account captions and groups in the statements of income and cash flows have been
changed in relation to the prior year, for better classification and presentation. In the
statement of income, administrative expenses were reclassified to selling expenses, although
without changing total operating expenses. The changes made include the 2006 information
to allow comparability between years. These changes did not affect the group balances or
totals. Additionally, there was a reclassification in the balance sheet as of December 31,
2006 of R$10,319 (Company) and R$13,117 (Consolidated) from reserves to tax, civil and
labor contingencies to the caption "escrow deposits". The property, plant and equipment and
intangible assets accounts have also been reclassified as of December 31, 2006 without,
however, any impact on the balance of assets.
Until December 31, 1995, the generally accepted accounting principles in Brazil established
a simplified methodology for the recording of inflation effects determined to that date. This
methodology, named monetary restatement of the balance sheet, consisted of the
restatement of permanent assets (investments, property, plant and equipment, and deferred
charges) and shareholders' equity accounts at the indexes disclosed by the Federal
Government. The net effect of the monetary restatement was accounted for in the statements
of income in a specific account under the heading "Monetary restatement of the balance
sheet". This monetary restatement was prohibited by Law No. 9,249, of December 26, 1995,
effective January 1, 1996.
3. SIGNIFICANT ACCOUNTING PRACTICES
a) Results of operations
Determined on the accrual basis of accounting.
b) Cash investments
Consists of highly liquid temporary investments, except for the long-term investments,
stated at cost plus income earned through the balance sheet dates, as described in Note 5.
background image
Natura Cosméticos S.A.
8
c) Allowance for doubtful accounts
Recognized based on an analysis of risks on realization of receivables, in an amount
considered sufficient to cover possible losses, as described in Note 6.
d) Inventories
Stated at the average cost of acquisition or production, adjusted to market value and for
possible losses, when applicable. The details show in Note 7.
e) Property, plant and equipment and intangible assets
Recorded at acquisition cost monetarily restated through December 31, 1995, plus
interest capitalized during the construction period, when applicable and goodwill on
acquisition of investment and business lease. Depreciation and amortization are
calculated under the straight-line method, based on the estimated economic useful lives
of the assets, at the rates shown in Notes 10 and 11.
f) Deferred charges
Represented by goodwill arising from the merger of shares of Natura Empreendimentos
S.A. into Natura Participações S.A., less the provision for maintenance of dividend
payment capacity, as described in Note 12.
g) Current and noncurrent liabilities
Stated at known or estimated amounts, plus, if applicable, interest and monetary and
exchange variations incurred through the balance sheet dates.
h) Income and social contribution taxes
The provision for income tax was recorded at the rate of 15%, plus a 10% surtax on
annual taxable income exceeding R$240. Social contribution tax was calculated at the
rate of 9% of taxable income. Deferred income and social contribution taxes recorded in
current and noncurrent assets result from expenses recorded in income, although
temporarily nondeductible for tax purposes.
Pursuant to CVM Resolution No. 273/98 and CVM Instruction No. 371/02, deferred
taxes are recorded at their probable realizable values, as detailed in Note 9.
i) Loans and financing
Adjusted based on exchange and monetary variations and interest incurred through the
balance sheet dates, as provided for by contract and mentioned in Note 13.
j) Reserves for tax, civil and labor contingencies
Updated through the balance sheet dates based on the probable amount of loss,
according to their natures and supported by the opinion of the Company's attorneys. For
purposes of the financial statements, they are presented net of related escrow deposits.
The grounding and nature of the reserve for tax, civil and labor contingencies are
described in Note 15.
background image
Natura Cosméticos S.A.
9
k) Swap and forward contracts
The nominal values of swap and forward contracts are not recorded in the balance sheet.
Unrealized gains or losses on these transactions are recorded on the accrual basis of
accounting, as mentioned in Notes 21.b and 21.d.
l) Financial income and expenses
Represented by interest and monetary and exchange variations on cash investments,
escrow deposits and loans and financing and swap and forward contracts as mentioned
in Note 22.
m) Interest on capital
For corporate purposes, interest on capital is accounted for as allocation of income in
shareholders' equity. For tax purposes, interest on capital is treated as financial expense,
reducing the income and social contribution tax basis.
n) Earnings per share
Calculated based on the number of shares at the balance sheet dates, excluding treasury
shares.
o) Use of estimates
The preparation of financial statements requires management to make estimates and
assumptions that affect the reported amounts of assets and liabilities, disclosure of
contingent assets and liabilities as of the date of the financial statements, and the
reported amounts of revenues and expenses for the reporting periods. Since
management's judgment involves estimates of the probability of future events, actual
results may differ from the estimates.
4. CONSOLIDATION CRITERIA
The consolidated financial statements have been prepared in accordance with the
consolidation principles established by Brazilian accounting practices and regulatory
instructions and resolutions established by the CVM, and include the financial statements of
the Company and its direct and indirect subsidiaries, as follows:
background image
Natura Cosméticos S.A.
10
Ownership
interest - %
2007 2006

Direct:
Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda.
99.99
99.99
Natura Cosméticos S.A. - Chile
99.99
99.99
Natura Cosméticos S.A. - Peru
99.94
99.94
Natura Cosméticos S.A. - Argentina
99.94
99.91
Natura Brasil Cosmética Ltda. - Portugal
98.00
98.00
Nova Flora Participações Ltda.
99.99
99.99
Natura Inovação e Tecnologia de Produtos Ltda.
99.99
99.99
Natura Europa SAS
100.00 100.00
Natura Cosmeticos y Servicios de Mexico, S.A. de C.V.
99.99
99.99
Natura Cosmeticos de Mexico, S.A. de C.V.
99.99
99.99
Natura Distribuidora de Mexico, S.A. de C.V.
100.00 100.00
Natura Cosméticos C.A. - Venezuela
99.99
99.99
Natura Cosméticos Ltda. - Colombia
99.99
99.99
Natura Cosmetics USA Co.
99.99
-
Indirect:
Natura Logística e Serviços Ltda.
99.99
99.99
Flora Medicinal J. Monteiro da Silva Ltda.
100.00 100.00
Ybios S.A. (proportional consolidation - joint control)
33.33
33.33
The consolidated financial statements have been prepared based on the financial statements
as of the same date and consistent with the accounting practices described in Note 3.
Investments in subsidiaries were proportionally eliminated against shareholders' equity and
net income of the respective subsidiaries. Intercompany balances and transactions and
unrealized profits were also eliminated. The minority interest in the Company's subsidiaries
was shown separately. The financial statements of foreign subsidiaries were translated into
Brazilian reais at the exchange rates in effect on the date of the related financial statements.
The operations of the direct and indirect subsidiaries are as follows:
· Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda.: engaged principally in the production
and sale of Natura products to Natura Cosméticos S.A. - Brazil, Natura Cosméticos S.A.
- Chile, Natura Cosméticos S.A. - Peru, Natura Cosméticos S.A. - Argentina, Natura
Cosméticos Ltda. - Colômbia, Natura Europa SAS, Natura Cosmeticos de Mexico, S.A.
de C.V., e Natura Cosméticos C.A - Venezuela.
· Natura Cosméticos S.A. - Chile, Natura Cosméticos S.A. - Peru, Natura Cosméticos S.A.
- Argentina, Natura Cosméticos C.A. - Venezuela, Natura Cosméticos Ltda. - Colômbia,
Natura Cosmetics USA Co. (as of December 31, 2007 currently in the preoperating
stage) and Natura Distribuidora de Mexico, S.A. de C.V.: their activities are an extension
of the activities conducted by the parent company Natura Cosméticos S.A. - Brazil.
· Nova Flora Participações Ltda.: holds equity interest in the subsidiary Flora Medicinal J.
Monteiro da Silva Ltda.
background image
Natura Cosméticos S.A.
11
· Natura Inovação e Tecnologia de Produtos Ltda.: its activities consist of product and
technology development and market research. It is the wholly owner of Natura
Innovation et Technologie de Produits SAS, research and technology satellite center
opened in 2007, in Paris, where researches are developed for in vitro tests, an alternative
to tests in animals, for studies of asset security and effectiveness, skin care, and new
packaging materials.
· Natura Europa SAS: engaged in the purchase, sale, import, export and distribution of
cosmetics, fragrances in general, hygiene and health products.

· Natura Cosmeticos de Mexico, S.A. de C.V.: imports and sells cosmetics, fragrances in
general and personal hygiene and care products to Natura Distribuidora de Mexico, S.A
de C.V..
· Natura Cosmeticos y Servicios de Mexico, S.A. de C.V.: provides administrative and
logistics services to Natura Cosmeticos de Mexico, S.A. de C.V. and Natura
Distribuidora de Mexico, S.A. de C.V..
· Natura Logística e Serviços Ltda.: engaged in the provision of administrative and
logistics services to Natura Group companies based in Brazil.
· Flora Medicinal J. Monteiro da Silva Ltda.: engaged in the sale of phytotherapic and
phytocosmetic products of its own brand. Since 2005 this company has had no activities.
· Ybios S.A.: engaged in research, management and development of projects, products and
services in the biotechnology area, and may also enter into agreements and/or
partnerships with universities, foundations, companies, cooperatives, associations, and
other public and private entities, provision of services in the biotechnology area, and
holding of equity interest in other companies.
5. CASH INVESTMENTS
2007 2006
Bank certificates of deposit (CDBs)
348,004 203,351
Investment funds
12,838 10,848
360,842 214,199
Noncurrent (Note 15.g.)
4,848
4,336
Current 355,994 209,863
As of December 31, 2007 and 2006, CDBs yield interest rates ranging from 100.0% to
102.0% of the interbank deposit rate (CDI). The share in the total investment portfolio, as of
December 31, 2007 is 96.4% (94.9% as of December 31, 2006). Weighted-average yield of
investment fund investments is 94.8% of the CDI as of December 31, 2007 (98.3% as of
December 31, 2006).
background image
Natura Cosméticos S.A.
12
6. TRADE ACCOUNTS RECEIVABLE
2007 2006
Trade accounts receivable
573,278 399,209
Allowance for doubtful accounts
(37,750) (25,041)
535,528 374,168
The changes in the allowance for doubtful accounts for the year ended December 31, 2007
are as follows:
2006
Additions
(*) Reversals
Write-offs
(**)
2007
Allowance for doubtful accounts
(25,041) (56,498)
2,116
41,673
(37,750)
(*) Provision recognized according to Note 3.c.
(**) Refers to notes more than 180 days past due, written off due to nonreceipt.
7. INVENTORIES
2007 2006
Finished products
198,890 156,543
Raw materials and packaging
52,850 77,193
Promotional material
21,257 15,221
Work in process
7,944 7,346
Allowance for losses
(29,862) (19,212)
251,079 237,091
The changes in the allowance for inventory losses for the year ended December 31, 2007 are
as follows:
2006
Additions,
net (*)
Write-offs
(**) 2007
Total of allowance for inventory losses
(19,212) (31,279)
20,629 (29,862)
(*) Refers mainly to the recognition of the reserve for discontinuance, expiration and quality
losses, according to actual need and the policy established by the Company and its subsidiaries.
(**) Refers to write-offs of products discarded by the Company and its subsidiaries.
background image
Natura Cosméticos S.A.
13
8. RECOVERABLE TAXES
2007 2006

ICMS (State VAT) on purchases of fixed assets
18,811 16,838
COFINS (tax on revenue) on fixed asset acquisitions
16,193 10,858
ICMS (State VAT) on purchases of goods
14,584 13,382
IVA - value-added tax (Foreign Operations)
11,740
8,089
PIS on fixed asset acquisitions
3,516
2,357
Income Taxes (Foreign Operations)
2,678
2,291
PIS/COFINS/CSLL - withheld at source
1,568
1,782
IRPJ (income tax)
1,069
1,868
PIS (tax on revenue) and COFINS on purchases of goods
576
325
CSLL (social contribution tax)
520
725
IPI (Federal VAT)
9
895
Recoverable INSS (social security contribution)
-
170
Other
388 88
71,652 59,668

Noncurrent 22,284 20,981
Current 49,368 38,687

ICMS, PIS and COFINS credits on fixed asset acquisitions are offset at the rate of 1/48 per
month, pursuant to rules established in prevailing legislation.
9. INCOME AND SOCIAL CONTRIBUTION TAXES
a) Deferred
Deferred income (IRPJ) and social contribution (CSLL) taxes recorded in the financial
statements result from temporary differences (Company and subsidiaries). These credits
are recorded in current and noncurrent assets, in view of their expected realization based
on projections of taxable income. The amounts are as follows:
background image
Natura Cosméticos S.A.
14
2007 2006

Current:
Temporary differences:
Allowance for doubtful accounts (Note 6)
11,655
7,766
Allowance for inventory losses (Note 7)
9,382
6,108
Non-inclusion of ICMS in the PIS and Cofins basis (Note 14)
4,780
-
Reserves for tax, civil and labor contingencies (Note 15)
4,563
-
Effects of unrealized profits in the inventories of the Company
3,087
5,370
Allowance for losses on swap and forward contracts (Notes 21.b.
and 21.d.)
2,895
743
Provision for ICMS - ST (Paraná and Santa Catarina) (Note 14)
1,931
Other provisions
14,506 12,249
Deferred income and social contribution taxes
52,799 32,236

Noncurrent:
Temporary differences:
Reserves for tax, civil and labor contingencies (Note 15)
32,858 34,635
Other provisions
1,460 1,174
Deferred income and social contribution taxes
34,318 35,809
As required by CVM Resolution No. 273/98 and CVM Instruction No. 371/02,
management, based on projections of results, estimates that the recorded tax credits will
be fully realized within five years. The amounts recorded in noncurrent assets will be
realized as follows:
2007 2006
2008
21,557 26,774
2009
8,768
6,168
2010
3,690 2,867
2011
303 -
34,318 35,809
b) Current expense
Reconciliation of income and social contribution taxes
background image
Natura Cosméticos S.A.
15
2007 2006
Income before taxes on income
617,774 609,797
Income and social contribution taxes at the rate of 34%
(210,043) (207,331)
Reversal of provision for maintenance of dividend payment
capacity (Note 12)
49,933
49,933
Technological research and innovation benefit - Law No.
11.196/05 (*)
13,348
15,370
Interest on capital (Notes 18.c and 18.d)
13,344
11,413
Tax incentives (donations)
4,134
2,957
Permanent differences
(2,783)
(2,843)
Losses generated by subsidiaries (24,095)
(23,091)
Other
643 4,569
Income and social contribution taxes - net expenses
(155,519) (149,023)
Income and social contribution taxes - current
(174,416) (161,987)
Income and social contribution taxes - deferred
18,897 12,964
Income and social contribution taxes - net expenses
(155,519) (149,023)
Effective rate - %
25.2
24.4
(*) Refers to the tax benefit established by Law No. 11,196/05, which allows for the
direct deduction in the calculation of taxable income and the social contribution tax
basis from the amount corresponding to 60% of the total expenses on technological
research and innovation, observing the rules established in said Law.
10. PROPERTY, PLANT AND EQUIPMENT
Annual
2007
2006
depreciation
Accumulated Net book
Accumulated
Net book
rate - % Cost depreciation value Cost depreciation
value
Machinery and equipment
10
221,679
74,967
146,712 181,046
56,563
124,483
Buildings 4
144,685
36,018
108,667 144,684
30,309
114,375
Installations 10
a
33
92,721
42,238
50,483
79,547
33,065
46,482
Lands -
33,662
-
33,662
33,662
-
33,662
Molds 33
67,269
40,626
26,643
47,868
30,637
17,231
Vehicles 20
a
33
35,560
13,315
22,245
30,196
11,124
19,072
IT equipment
20
46,700
24,975
21,725
38,763
19,516
19,247
Advances to suppliers
-
21,263
-
21,263
26,764
-
26,764
Furniture and fixtures
10
23,187
8,115
15,072
18,876
6,313
12,563
Leasehold improvements
20 a 33
15,625
4,173
11,452
12,694
1,380
11,314
Construction in progress
-
9,824
-
9,824
16,297
-
16,297
Other
10
6,066
2,851
3,215
6,463
2,407
4,056
718,241
247,278
470,963 636,860 191,314
445,546
background image
Natura Cosméticos S.A.
16
11. INTANGIBLE ASSETS
Annual
2007
2006
amortization Accumulated
Net
book Accumulated
Net
book
rate - % Cost amortization
value Cost amortization
value
Software 20
73,183
25,231
47,952
32,735
13,561
19,174
Construction in progress
-
9,710
-
9,710
26,355
-
26,355
Business lease - Natura
Europa (a)
-
5,420
-
5,420
5,860
-
5,860
Patents 10
a
25
1,967
1,232
735
941
941
-
Goodwill on acquisition of
investment - Nova Flora (b)
10
-
-
-
8,015
8,015
-
90,280
26,463
63,817
73,906 22,517
51,389
(a) The business lease generated on the purchase of a commercial location where Natura Europa SAS operates is
supported by an appraisal report issued by independent appraisers, attributable to the fact that it is an intangible,
marketable asset, which does not suffer any decrease in value over time. The balance variation between December
31, 2006 and 2007 is basically due to the effects of the exchange variation for the period.
(b) The goodwill on the acquisition made by the subsidiary Nova Flora Participações Ltda. was fully amortized in 2005,
due to the low expectation of profitability from 2006 onwards. Liabilities related to this subsidiary are properly
reflected in the consolidated financial statements.
12. DEFERRED CHARGES
On March 5, 2004, Natura Participações S.A. was merged into the Company. Natura
Participações S.A. had recorded goodwill on the investment in Natura Empreendimentos
S.A., amounting to R$1,028,041, and a corresponding provision for maintenance of future
dividend payment capacity in the same amount. This goodwill arose from the merger of the
shares of Natura Empreendimentos S.A. into Natura Participações S.A. on December 27,
2000. This merger was approved by the Extraordinary Shareholders' Meeting held on that
date, and the amounts are supported by a valuation report issued by independent experts.
The amounts are as follows
:
2007 2006
Goodwill on investments
465,066 611,929
Provision for maintenance of future dividend payment capacity
(465,066) (611,929)
- -
The provision for maintenance of future dividend payment capacity, as it is in the full
amount, will result in the recognition of the goodwill amortization tax benefits for all of the
Company's shareholders. The goodwill amount is being amortized over a seven-year period.
background image
Natura Cosméticos S.A.
17
13. LOANS AND FINANCING
Modalidade 2007 2006 Maturity Charges Guarantees
BNDES - EXIM
(1)
110,175
53,070
April 2008 and
February 2009
Interest of 2.62% p.y. + TJLP
(2)
for 80% of the financing and
interest of 10.23% p.y. + exchange variation for 20% of the
financing for the maturity in April 2008.
Interest of 2.57% p.y. + TJLP
(2)
for 80% of the financing and
interest of 9.76% p.y. + exchange variation for 20% of the
financing for the maturity in February 2009.
Guarantee of Natura Cosméticos S.A.
Compror (buyer financing)
137,677
January 2008
Interest of 102.8% of CDI
(3)
Guarantee of Natura Cosméticos S.A.
Resolution 2,770
(1)
88,484
-
January 2010
Exchange variation (YEN) + 2.11% p.y.
Guarantee of Indústria Comércio de
Cosméticos Natura Ltda.
FINEP (Financing Agency for Studies and Projects)
51,915
39,370
December 2008
and March 2013
TJLP
(2)
for 71.5% of the financing for the maturity in March
2013. and interest of 3% p.y.. + TJLP
(2)
for 28.5% of the financing. for the maturity in December
2008.
Guarantee, promissory notes and
receivables of Natura Cosméticos
S.A.
Agribusiness Credit Note
(1)
48,787
- April and June
2009
Interest of 100.6% of CDI
(3)
+ IOF
(4)
and
TR
(5)
+ 8.66% p.y. + IOF
(4)
Guarantee of Natura Cosméticos S.A.
BNDES (Brazilian Bank for Economic and Social
Development)
(1)
45,543
20,258 April 2010 and
July 2014
Interest of 4.5% p.y. + TJLP
(2)
+ UMBNDES
(6)
for the maturity
in April 2010.
For the financing for the maturity in July 2014: (i) TJLP
(2)
+
interest of 2.8% p.y. for 85% of the financing (ii) exchange
variation (dollar) + interest of 8.54% p.y. for 9% of the
financing. and (iii) TJLP
(2)
+ interest of 2.3% p.y. for 6% of
the financing.
Mortgage
(7)
Bank guarantee
NCE (Export Credit Note)
41,190
36,635 April 2008
Interest of 104.7% of CDI
(3)
Guarantee of Natura Cosméticos S.A.
and promissory notes
BNDES - FINAME (Government Agency for
Machinery and Equipment Financing)
14,246
12,938 January 2012
Interest of 4.5% p.y. + TJLP
(2)
Chattel mortgage, guarantee of
Natura Cosméticos S.A. and
promissory notes
FAT Fomentar (Employee Shelter Fund)
6,682
2,568
February 2014
Interest of 4.4% p.y. + TJLP
(2)
Chattel mortgage, guarantee of
Natura Cosméticos S.A. and
promissory notes
BNDES - PROGEREN (Support Program for
Enhancing Employment and Income Capacity)
-
37,140
Settled in June
2007
Interest of 3.5% p.y. + TJLP
(2)
Bank guarantee

ACE (Advances on Export Contracts)
-
986
Settled in January
2007

Interest of 5.4% p.y. + exchange variation

Guarantee for exports
Total 544,699
202,965
Current 284,707
75,888
Noncurrent 259,992
127,077
background image
Natura Cosméticos S.A.
18
(1) Loans and financing for which swap transactions for CDI were contracted
(2) TJLP - Long-term interest rate
(3) CDI - Interbank certificate of deposit
(4) IOF - Tax on financial transactions
(5) TR - Managed prime rate
(6) UMBNDES - BNDES monetary unit
(7) Financing in local currency from the BNDES is guaranteed mainly by the Cajamar unit
Maturities of noncurrent debt are as follows:
2007 2006
2008
-
55,534
2009
100,831
53,120
2010
109,583
7,409
2011
18,541
4,824
2012
17,543
4,743
2013
9,754
1,447
2014
3,740 -
259,992 127,077
14. TAXES PAYABLE
2007 2006

ICMS (State VAT) Company and tax substitution
109,892 64,789
PIS/COFINS (Liminar)
(*)
14,060
-
IRPJ (income tax)
10,478
8,916
IRRF (withholding income tax)
7,335
4,266
PIS/COFINS/CSLL (Law No. 10,833/03)
4,784
3,011
CSLL (social contribution tax)
4,534
3,662
COFINS (tax on revenue)
4,458
3,740
IVA - value-added tax (Foreign Operations)
2,786
1,970
Income Taxes (Foreign Operations)
2,527
2,415
IPI 2,285
-
ISS 983
1,162
PIS 947
779
Other
472 962
165,541 95,672

(-) Escrow deposits
(**)
(47,030) -
Total taxes payable, net of escrow deposits
118,511 95,672

background image
Natura Cosméticos S.A.
19
(*) The Company and its subsidiary Indústria e Comercio de Cosméticos Ltda. are
challenging in court the non-inclusion of the ICMS in the PIS and COFINS tax basis.
In June 2007, the Company and its subsidiary obtained authorization to pay PIS and
COFINS without including ICMS in the tax basis, from April 2007. The provision for
December 2007 refers to unpaid amounts due to the non-inclusion of ICMS in the PIS
and COFINS basis between April and December 2007.
(**) Refers to the ICMS tax substitution in the Santa Catarina and Paraná State, for May to
December 2007 and February to December 2007, respectively, which are not being
challenged in court but are being deposited in escrow while there is no established
agreement between the parties involved, as detailed in note 15, items (a) and (b) of the
item "Contingent liabilities". The same amount is recorded under the caption "ICMS -
Company and tax substitution", for which reason there was a significant variation in
the balances between December 2006 and December 2007.
15. RESERVES FOR TAX, CIVIL AND LABOR CONTINGENCIES
The Company and its subsidiaries are parties to certain tax, labor and civil lawsuits and to
tax proceedings at the administrative level. Based on the opinion and judgments of its
internal and external attorneys, management believes that the reserves for tax, civil and
labor contingencies are sufficient to cover probable losses. These reserves, net of the escrow
deposits, are presented as follows:
2007 2006

Tax 40,312 49,086
Civil 17,903
7,316
Labor
6,226 5,808
64,441 62,210

Current 13,420
-
Noncurrent 51,021 62,210
Tax Contingencies
The changes in the reserves for tax contingencies for the year ended December 31, 2007 are
presented as follows:
background image
Natura Cosméticos S.A.
20
2006 Additions Reversals
Write-
offs
Monetary
restatement
2007
IPI - zero rate (a)
27,914
-
-
-
3,120
31,034
Late payment fines on Federal taxes paid in
arrears (b)
6,625
-
-
- 582
7,207
Deductibility of CSLL (social contribution tax)
(Law No. 9,316/96) (c)
6,338
-
-
-
332
6,670
Monetary restatement of Federal taxes
(IRPJ/CSLL/ILL) according to the UFIR
(fiscal reference unit) (d)
5,056
-
-
- 71
5,127
IPI tax assessment - attorneys' fees (e)
4,616
-
(9)
-
185
4,792
IPI (Federal VAT) credit on purchases of fixed
assets and consumption material (f)
4,437
-
(279)
-
275
4,433
IPI (Federal VAT) - tax collection lawsuit (g)
4,143
-
-
-
280
4,423
Tax assessment - INSS (social security
contribution) (h)
5,421
-
(1,903)
-
344
3,862
IRPJ and CSLL tax assessment - attorneys' fees
(i)
1,469
1,796
(425) 26
2,866
Assessment notice - 1990 IRPJ (corporate
income tax) (j)
2,683
-
-
-
179
2,862
Non-inclusion of the ICMS in the PIS and
COFINS tax basis - attorneys' fees (k)
-
2,234
-
- 57
2,291
PIS (tax on revenue) - semiannual - Decree-laws
No. 2,445/88 and No. 2,449/88 (l)
15,930
-
(14,910)
-
816
1,836
Attorneys' fees and other
9,840
472
(1,395)
- 1,600
10,517
Total reserve for tax contingencies
94,472
4,502
(18,496)
(425)
7,867
87,920
Escrow deposits for tax contingencies
(45,386)
-
1,905
- (4,127)
(47,608)
Total reserve for tax contingencies, net of escrow
deposits
49,086
4,502
(16,591)
(425) 3,740
40,312
(a) Refers to IPI tax credits on raw materials and packing materials purchased at a zero tax rate and with tax exemption.
The subsidiary Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda. filed for and obtained an injunction granting
entitlement to the credit. On September 25, 2006, a sentence was rendered dismissing the injunction, judging the
Company's request invalid. The Company filed an appeal for review of the merit and reestablishment of the
injunction's effects. To suspend payments of the tax credit the Company performs escrow deposits from October 2006.
The total amount deposited in escrow, adjusted by December 31, 2007 is R$31,034 (R$27,914 as of December 31,
2006).
(b) Refers to fine for late payment of federal taxes.
(c) Refers to CSLL (social contribution tax) that was addressed by a mandate that questions the constitutionality of Law
No. 9,316/96, which prohibited the deduction of CSLL from its own tax basis and the IRPJ (income tax) basis. A
portion of this reserve, in the amount of R$4,601 (R$4,245 as of December 31, 2006), is deposited in escrow.
(d) Refers to the monetary restatement of federal taxes (IRPJ/CSLL/ILL) related to 1991 based on the UFIR (fiscal
reference unit), discussed in a mandate. The amount involved is deposited in escrow.
(e) Refers to attorneys' fees for the defense in the tax assessment notice issued in November 2005 by the Federal Revenue
Service, relating to the tax basis of the IPI (Federal VAT) on intercompany transactions. In June 2006, the subsidiary
was notified of the decisions rendered by the 2
nd
Panel of the Federal Revenue Service Judgment Office in Ribeirão
Preto, which cancelled, by unanimous vote, the tax requirements related to IPI on these transactions. On August 15,
2007, the appeal filed by the federal tax authority was unanimously denied and the lower court decision cancelling the
tax payable was upheld. The decision has yet to be formalized and published. On December 18, 2007, the subsidiary
Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda. was notified of the denial of the appeal relating to one of the tax
assessment notices that was then concluded.
(f) The subsidiary Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda. is discussing through injunctions the right to the IPI
(Federal VAT) credit on purchases of fixed assets and consumption materials.
(g) Refers to a tax collection lawsuit seeking to collect the IPI (Federal VAT) related to July 1989, when wholesale
establishments began to be considered equivalent to industrial establishments under Law No. 7,798/89. The lawsuit is
in the Federal Regional Court of 3
rd
Region (SP) for judgment of the appeal filed by the debtor. The amounts involved
in this tax collection lawsuit are guaranteed by a subsidiary's (Natura Inovação e Tecnologia de Produtos Ltda.) cash
investment in the updated amount of R$4,848 (R$4,336 as of December 31, 2006).
background image
Natura Cosméticos S.A.
21
(h) Refers to INSS (social security contribution) required by tax assessments issued by the National Institute of Social
Security as a result of an inspection. The Company, as a taxpayer having joint liability for tax payment, is required to
pay INSS on services provided by third parties. The amounts are discussed in court through a tax debt annulment action
and are deposited in escrow. The amounts required in the tax assessment notice cover the period from January 1990 to
October 1999. The reversal made in the quarter refers to the expiration of part of the amount involved in the lawsuit for
the period from January 1990 to October 1994, as recently instructed by the Federal Supreme Court (STF) and Superior
Court of Justice (STJ).
(i) Refers to attorneys' fees for defense against the tax deficiency notices issued against the Company in August 2003,
December 2006 and December 2007 by the Federal Revenue Service, in which income and social contribution taxes
(IRPJ and CSLL) are demanded related to the deductibility of the yield of the debentures issued by the Company in
1999, 2001 and 2002. The attorneys' opinion is that the likelihood of unfavorable outcome is remote.
(j) Refers to a tax assessment notice issued by the Federal Revenue Service requiring the payment of income tax on profit
from incentive-based exports made in base year 1989, at the rate of 18% (Law No. 7,988, of December 29, 1989) and
not 3%, as established by article 1 of Decree-law No. 2,413/88, which supported the Company in its tax payments at
that time.
(k) Refers to attorneys' fees for filing and dealing with the administrative proceeding for requesting a refund of the ICMS
included in the PIS and Cofins basis in the period from April 2002 to March 2007. The attorneys assessed the risk of
loss as remote.
(l) Refers to the offset of PIS paid as per Decree-laws No. 2,445/88 and No. 2,449/88, in the period from 1988 to 1995,
against Federal taxes due in 2003 and 2004. The reversal made in the year is due to the final decision favorable to the
Company, rendered in August 2007. The remaining reserve refers to the subsidiary Indústria e Comércio de Cosméticos
Natura Ltda., which is awaiting the appreciation of the lawsuit by the Board of Tax Appeals.
Civil contingencies
The changes in the reserves for civil contingencies for the year ended December 31, 2007
are presented as follows:
2006 Additions Reversals Payments
Monetary
restatement 2007
Several civil lawsuits (a)
3,157
3,993
(1,961)
(376)
643
5,456
Civil lawsuits and attorney's fees - Flora
Medicinal (b)
7,004
8,109
-
-
536 15,649
Total reserve for civil lawsuits
10,161
12,102
(1,961)
(376)
1,179
21,105
Escrow deposits for civil contingencies
(2,845)
(52)
88
-
(393) (3,202)
Total reserve for civil contingencies, net of
escrow deposits
7,316 12,050 (1,873) (376)
786 17,903
Current
13,420
Noncurrent
4,483
(a) As of December 31, 2007, the Company and its subsidiaries are parties to 1,587 lawsuits (1,164 as of December 31,
2006), at the civil court, special civil court and PROCON (consumer protection agency), filed by beauty consultants,
consumers, suppliers and former employees, mostly related to indemnity claims.
(b) The Company is a party to civil lawsuits filed by a former shareholder of the indirect subsidiary Flora Medicinal,
which seek the determination of any amounts and the satisfaction of alleged liabilities due to the former shareholder's
withdrawal. In November 2007, the Rio de Janeiro Court of Justice judged the appeals filed against the lower court
decision that determined the amounts. Appeals were filed requesting clarification of the decision rendered by the Rio
de Janeiro Court of Justice and were denied in January 2008, when the Company filed a special appeal. The addition
that occurred in the year was due to the revision of the reserve for the main lawsuit and attorneys' fees according to
the progress of the lawsuit. Of the total amount, R$13,420 was reclassified to current liabilities based on expected
outcome in 2008.
The Company is a party to other 3 civil lawsuits filed by the former shareholder Flora Medicinal, the nature and
likelihood of success of which are described below:
background image
Natura Cosméticos S.A.
22
· Arbitration of return on capital: the former shareholder alleges that it has the right to receivables resulting from its
withdrawal from the Company. In January 2008, the former shareholder filed with the Superior Court of Justice
an appeal against the decision rendered by the Rio de Janeiro Court of Justice that, upholding the lower court
decision, denied the former shareholder's request. The amounts involved could not yet been measured reliably.
The attorneys believe that the risk of loss is remote.
· Business plan-related matter: the former shareholder alleges it has the right to receivables resulting from its
withdrawal from the Company. The start of the work of the court-appointed expert is expected since December
2007. The lawsuit is in progress in the São Paulo Judicial District. The amounts involved could not yet been
measured reliably. The attorneys believe that the risk of loss is remote.
· Payment into court: refers to ICMS credits deposited by the former shareholder for installment payment
contracted by Flora Medicinal. Since September 2007 the former shareholder is expecting the judgment of the bill
of review filed against the decision that denied the special appeal it filed. The Rio de Janeiro Court of Justice,
reversing the lower court decision, denied the former shareholder's request. The attorneys believe that the risk of
loss is possible.
Labor contingencies
As of December 31, 2007, the Company and its subsidiaries are parties to 588 labor lawsuits
filed by former employees and third parties (414 as of December 31, 2006), claiming the
payment of severance amounts, salary premiums, overtime and other amounts due, as a
result of joint liability. Reserves are periodically reviewed based on the progress of lawsuits
and history of losses on labor claims to reflect the best current estimate.
The changes in the reserves for labor contingencies for the year ended December 31, 2007
are presented as follows:
2006 Additions Reversals Payments
Monetary
restatement
2007
Total reserve for labor contingencies
6,339
563
(1,077)
(64)
1,562
7,323
Escrow deposits for labor contingencies
(531)
(566)
-
-
- (1,097)
Total reserve for labor contingencies, net of
escrow deposits
5,808
(3)
(1,077)
(64) 1,562 6,226
Escrow deposits
Escrow deposits, which represent the Company's restricted assets, refer to amounts
deposited in court until litigation is resolved. The balance of escrow deposits for which there
is no recognized reserve for contingencies, as of December 31, 2007, totals R$38,603 -
consolidated (R$13,367 as of December 31, 2006) and is classified under the heading
"Escrow deposits", in noncurrent assets. The increase in the escrow deposits balance
between December 31, 2006 and December 31, 2007 arises mainly from the contingency
related to ICMS Tax Substitution of the Paraná and Santa Catarina States, as mentioned in
item (a) and (b) of the following topic.
Possible losses
The Company and its subsidiaries are parties to tax, civil and labor lawsuits, for which there
is no reserve for losses recorded, because the risk of loss is considered possible by
management and its attorneys. These lawsuits are presented as follows:
background image
Natura Cosméticos S.A.
23
2007 2006
Tax:
Declaratory Action - ICMS Tax Substitution of Paraná State (a)
10,715
-
Declaratory Action - ICMS Tax Substitution of Santa Catarina State (b)
9,965
-
Offset of 1/3 of COFINS - Law No. 9,718/98 (c)
4,466
4,223
INSS debt annulment action (d)
3,976
5,209
Tax assessment - transfer pricing on loan
agreements with foreign related company (e)
1,047
1,342
Tax debt notification - GFIP (FGTS payment and social security
information form) (f)
718
673
ICMS Tax Substitution deficiency notice (g)
593
608
Request for offset of taxes of the same type - IRPJ (income tax) and
IRRF (withholding income tax) (h)
450
406
Other
4,797 1,500
36,727 13,961
Civil 18,283 15,235
Labor
46,115 20,551
101,125 49,747
(a) Lawsuit filed by the Company challenging the changes in ICMS tax basis introduced by
Paraná Decree No. 7018/2006. The total amount of the matter in controversy is being
deposited in escrow.
(b) Lawsuit filed by the Company challenging the changes in ICMS tax basis introduced by
Administrative Act No. 107/2006 of DIAT (Santa Catarina State tax administration
office). The total amount of the matter in controversy is being deposited in escrow.
(c) Law No. 9,718/98 increased the COFINS (tax on revenue) rate from 2% to 3%, and
allowed this 1% difference to be offset in 1999 against the social contribution tax paid in
the same year. However, in 1999 the Company and its subsidiaries filed for a mandate
and obtained authorization to suspend the payment of the tax credit (1% rate difference)
and to pay COFINS based on Supplementary Law No. 70/91, prevailing at that time. In
December 2000, considering former unfavorable court decisions, the Company and its
subsidiaries waived the lawsuit and enrolled in the tax debt refinancing program
(REFIS), for payment in installments of the debt related to the COFINS not paid in the
period. With the payment of the tax, the Company and its subsidiaries gained the right to
offset 1% of COFINS against social contribution tax, which was made in the first half of
2001. However, the Federal Revenue Service understands that the period for offset was
restricted to base year 1999. On September 11, 2006 the Company was notified that the
offsets made were not approved, and timely filed the applicable appeal.
This lawsuit is
awaiting ruling at the lower administrative court.
background image
Natura Cosméticos S.A.
24
(d) Lawsuit filed by the Company seeking the annulment of the tax demanded by the INSS
through a tax assessment notice issued for purposes of collecting the social security
contribution on the allowance for vehicle maintenance paid to sales promoters. The
amounts are discussed in the tax debt annulment action and are deposited in escrow. The
amounts required in the assessment notice cover the period from January 1990 to
October 1999. The reversal made in the quarter refers to the expiration of part of the
amount involved in the lawsuit for the period from January 1990 to October 1994, as
recently instructed by the Federal Supreme Court (STF) and Superior Court of Justice
(STJ).
(e) Refers to a tax assessment notice whereby the Federal Revenue Service is demanding the
payment of IRPJ and CSLL on the difference of interest on loan agreements with a
foreign related party. On July 12, 2004, an administrative defense was filed and is still
being judged.
(f) Demand of fine for failure to complete the GFIP (FGTS payment and social security
information form), an accessory social security obligation, for independent contractors'
social security contributions and indemnities. The Company is discussing the collection
at the administrative level.
(g) Tax deficiency notice for ICMS Tax Substitution, demanded by Goiás State, due to
supposed underpayment by the Company. The Company has presented its defense at the
administrative level and is awaiting the final judgment.
(h) Refers to the nonapproval of the offset of IRPJ credits related to the 4th quarter of 1999
against IRRF debts for the 2nd quarter of 2000. The Company has presented its defense
at the administrative level, for which a partially favorable judgment has been rendered.
On July 12, 2006, an annulment action was filed, and an escrow deposit was made, to
challenge collection of the balance of offset not approved by the Federal Revenue
Service.
Contingent Assets
Significant contingent assets of the Company and its subsidiaries are as follows:
(a) The Company and its subsidiary Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda. are
challenging in court the constitutionality and legality of the increase in the tax basis for
the PIS and COFINS contributions established by Law No. 9,718/98. The amounts
involved in the lawsuits, updated as of December 31, 2007, total R$18,111 (R$12,171 as
of December 31, 2006). The lawsuits are awaiting judgment. The attorneys' opinion is
that the likelihood of favorable outcome is probable.
(b) The Company and its subsidiaries Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda.,
Natura Inovação e Tecnologia de Produtos Ltda. and Natura Logística e Serviços Ltda.
are requesting at administrative level the refund of the ICMS included in the PIS and
COFINS basis and paid in the period from April 2002 to March 2007. The amounts of
the refund request as of December 31, 2007 are R$103,025. The attorneys believe that
the chance of a favorable outcome is probable.
As a final and unappealable decision has not been rendered, the Company and its subsidiary
have not recorded the contingent assets, as established by CVM Resolution No. 489/05.
background image
Natura Cosméticos S.A.
25
16. MANAGEMENT AND EMPLOYEE PROFIT SHARING
The Company and its subsidiaries pay profit sharing to its employees and managers, tied to
the achievement of operational targets and specific objectives established and approved at
the beginning of each year. As of December 31, 2007, the following amounts were recorded
as profit sharing: R$12,556 (R$13,850 as of December 31, 2006) and R$35,827 (R$39,260
as of December 31, 2006), Company and consolidated, respectively, under the heading
"Salaries, profit sharing and related charges" in current liabilities, with contra entry to
"Employee profit sharing" and "Management compensation" in the statement of income for
those years.
17. COMPENSATION OF MANAGAMENT AND EXECUTIVES
a) The total compensation of the Board of Directors and Officers of the Company and its
subsidiaries is as follows:
2007
Compensation
Stock Options Program
Fixed
Variable
(*) Total
Stock option
balance
(quantity) (**)
Average
exercise
price (***)
Board of Directors
2,498
(1,049) 1,449
-
-
Officers 3,598
1,367 4,965
532,654 21.57
Total 6,096
318 6,414
532,654

2006
Compensation
Stock Options Program
Fixed
Variable
(*) Total
Stock option
balance
(quantity) (**)
Average
exercise
price (***)
Board of Directors
2,572
1,049 3,621
-
-
Officers 3,070
1,878 4,948
528,326 12.81
Total 5,642
2,927 8,569
528,326
b) The compensation of the Executives of the Company and its subsidiaries is as follows:
2007
Compensation
Stock Options Program
Fixed
Variable
(*) Total
Stock option
balance
(quantity) (**)
Average
exercise
price (***)
Executives 14,873
4,034 18,907
2,702,650 16.78
background image
Natura Cosméticos S.A.
26
2006
Compensation
Stock Options Program
Fixed
Variable
(*) Total
Stock option
balance
(quantity) (**)
Average
exercise
price (***)
Executives 12,711
4,594 17,305
3,120,859 10.02
(*) Refers to the profit sharing recorded in the statement of income for the years. The
amounts include any additions and/or reversals to the provision recorded in the
prior year in view of the final assessment of the targets established by the Board
Members and Directors appointed pursuant to bylaws or not.
(**) Refers to the balance of unexercised vested and unvested options as of the balance
sheet dates.
(***) Refers to the weighted-average exercise price of the option at the time of the
Stock Option Grant, updated by the inflation calculated based on the IPC-A
(extended consumer price index) through the balance sheet date. Note 20 presents
the pro forma net income as of December 31, 2007 and 2006, should Company's
management opt for recognizing the effects of the plans in the accounting records,
considering the vesting period and using the intrinsic value method (difference
between the market price obtained on December 31, 2007 and 2006 and the value
of the option updated based on the IPC-A, for the years then ended).
18. SHAREHOLDERS' EQUITY
a) Capital
On December 31, 2006, the Company's capital was R$233,862. In March 2007, 22,667
common shares without par value were subscribed for R$3.17. The total amount
subscribed was R$72 and the authorized capital was 13.116.665 common shares.
As of April, 2007, there was capitalization from the profit reserves, in the amount of
R$153,939, according to details described in item (h) of this explanatory note.
As of May and June 2007, 700,839 common shares were subscribed due to the option
periods referring to the Stock Option Plans of 2003 and 2004, with average contribution
prices at R$3.19 and R$7.86, respectively. The total amount subscribed was R$2,706.
As of August and September 2007, 12,085 common shares were subscribed due to the
option periods referring to the Stock Option Plans of 2003, with average contribution
prices at R$3.22. The total amount subscribed was R$39.
Due to the events mentioned previously, the amount of subscribed and paid-up common
shares increased from 428,193,460 on December 31, 2006 to 428,929,051 on December
31, 2007.
As of December 31, 2007, the Company's capital is R$390,618 and the authorized
capital is 12,381,074 common shares.
background image
Natura Cosméticos S.A.
27
b) Amortization on receivables from shareholders
Refers to the amortization of receivables from shareholders granted to two Company
directors, on September 29, 2000, April 30, 2002, December 30, 2002 and January 5,
2004, by purchase and sale agreement of shares, at the rate of 3% per year, with
maturities scheduled for April 30, 2009 and September 30, 2010, so that they could
acquire Natura Empreendimentos S.A. and Natura Participações S.A.'s common shares.
In the corporate restructuring occurred in March 2004, such shares were exchanged with
Natura Cosméticos S.A.'s common shares. The amortization of loans is performed with
all of its dividends and interest on capital, distributed by the Company to such directors,
based on the charged shares acquired. The financing was fully settled in the year of
2007.
c) Interest on capital
At the Board of Directors' Meeting on July 25, 2007, the Company's management
proposed the payment of interest on capital, according to the terms of the bylaws, CVM
Resolution No. 207/96 and Law No. 9,249/95. As of December 31, 2007, the recorded
gross amount of interest on capital is R$39,247 (R$33,569 as of December 31, 2006)
and was calculated within legal limits, including as to the mandatory minimum dividend
of 30% according to article 202 of Law No. 6,404/76 and the bylaws.
Withholding income tax in the amount of R$5,887 (R$5,035 as of December 31, 2006)
was withheld and paid by the Company.
d) Dividend payment policy
The shareholders are entitled to receive every year a mandatory minimum dividend of
30% of net income, considering principally the following adjustments:
·
Increase in the amounts resulting from the reversal, in the year, of previously
recognized reserves for contingencies.
·
Decrease in the amounts intended for the recognition, in the year, of the legal reserve
and reserve for contingencies.
The bylaws allow the Company to prepare semiannual and interim balance sheets and,
based on these balance sheets, authorize the payment of dividends upon approval by the
Board of Directors.
Dividends and interest on capital - gross, relating to income for 2006, in the amounts of
R$325,866 (R$0.7630 per share) and R$33,569 (R$0.0787 per share), respectively, were
approved by Annual Shareholders' Meeting on April 02, 2007 and corresponded to
78.0% of the 2006 consolidated net income.
On February 27, 2008, the Board of Directors' Meetings approved a proposal, to be
submitted to the Annual Shareholders' Meeting to be held on March 31, 2008, for the
payment of dividends and interest on capital - gross, relating to income for 2007, in the
total amounts of R$375,890 (R$0.8767 per share) and R$39,247 (R$0.0915 per share),
respectively, corresponding to 89.8% of the 2007 consolidated net income. Of these
amounts, the Company paid, on August 10, 2007, dividends and interest on capital -
gross in the amounts of R$138,138 (R$0.3222 per share) and R$39,247 (R$0.0915 per
share), respectively, as approved by the Board of Directors' Meeting on July 25, 2007.
background image
Natura Cosméticos S.A.
28
Dividends were calculated as follows:
Company
2007 2006
Net income
456,914 469,326
Profit reserve - legal (item g. of this Note)
- -
Calculation basis for minimum dividends
456,914 469,326
Mandatory minimum dividends
30%
30%
Annual minimum dividend
137,074 140,798
Proposed dividends
375,890 325,866
Interest on capital - net of withholding income tax
33,360
28,534
Withholding income tax
5,887 5,035
Total dividends and interest on capital - gross
415,137 359,435
Amount exceeding the mandatory minimum dividend
278,063 218,637
Dividends per share - R$
0.877
0.763
Interest on capital per share - net - R$
0.078 0.067
Total dividends and interest on capital, per share - net - R$
0.95 0.83
e) Treasury shares
In the first quarter of 2007, 1,000,000 common shares were bought at the average price
of R$22.70 by exercising the options granted to the Company's officers and employees
and the indirect and direct subsidiaries' officers and employees participating in the
"Amendments to the Common Stock Option Plan for 2003, 2004 and 2005" and
"Common Stock Option Plan for 2006", according to the Extraordinary Shareholders'
Meeting held on April 2, 2007.
As of December 31, 2007, treasury shares, which have been used in the exercise of
options under the Stock Option Plans, were 161,303 (679,317 in 2006), with an average
unit cost of R$13.6705 (R$0.3447 in 2006).
f) Share premium
Refers to the goodwill generated on the issuance of 3,299 common shares resulting from
the capitalization of debentures in the amount of R$100,000, occurred on March 2,
2004.
g) Profit reserve - legal
Since the balance of the legal reserve plus capital reserves exceeded 30% of the capital,
the Company decided, in accordance with article 193 of corporate law, not to recognize
a legal reserve on net income for 2006 and 2007.
background image
Natura Cosméticos S.A.
29
h) Reserve for profit retention
As of December 31, 2007 and 2006, the profit retention reserve was recognized pursuant
to article 196 of Law No. 6,404/76 for use in future investments, in the amounts of
R$41,777 and R$109,891, respectively. The retention referring to 2007 is based on the
capital budget, which will be submitted for approval in the Annual Shareholders'
Meeting to be held on March 31, 2008.
As mentioned in article 199 of Law No. 6,404/76, the balance of profit reserves, except
for the reserve for contingencies and unrealized profit reserve, may not exceed capital.
Therefore, at the Extraordinary Shareholders' Meeting held on April 2, 2007, the
capitalization in the amount of R$153,939, referring to the profit reserves recognized in
the years ended December 31, 2004 and 2005, which were fully utilized for investments
in property, plant and equipment and working capital, in 2005 and 2006, was approved.
19. STOCK OPTION PROGRAM
The Board of Directors meets once a year for the purpose of, pursuant to the terms of the
Program, establishing the Plan, indicating the directors and managers who will receive the
options and the total amount to be paid.
The Plans have a four-year time span for exercising the options, and the exercise rights are
50% at the end of the third year and 50% at the end of the fourth year. The deadline for
exercising options was two years after the end of the fourth year.
The balance of options as of December 31, 2007 is 5,456,845 (6,701,732 as of December
31, 2006) and is composed by plan as follows:
Number of
call options or
subscription
(in shares)
Amount for the
year updated according
to the IPC-A (extended
consumer price index)
through
December 31, 2007
2002 238,940
5.85
2003 1,016,810
3.28
2004 1,117,810
8.06
2005 831,670
17.31
2006 981,660
25.79
2007 1,269,955
24.33
5,456,845
As of December 31, 2007, had the Company's management opted to record the effects of
the plans based on the intrinsic value of the options (difference between market price as of
December 31, 2007 and the value updated based on the IPC-A) recorded over their related
vesting period, the pro forma consolidated net income for the year ended December 31,
2007 would have been R$500,001 (R$382,358 as of December 31, 2006), as shown below:
background image
Natura Cosméticos S.A.
30
2007 2006
Net income
462,255 460,773
Effect of programs considering vesting period
37,746 (78,415)
Net income - considering the exercise of the options
500,001 382,358
As of December 31, 2007, the market price of the Company's shares was R$17.00 (R$30.15
as of December 31, 2006).
20. PENSION PLAN
On August 1, 2004, the Company implemented a supplementary defined contribution plan
for all employees of the Company and its subsidiaries in Brazil. According to the terms of
this plan, the cost is shared between the employer and the employees, so that the Company's
share is equivalent to 60% of the employee's contribution according to a contribution scale
based on salary ranges from 1% to 5% of the employee's compensation. The plan is
managed by Brasilprev Seguros e Previdência S.A. and the Company's contributions for the
year ended December 31, 2007 totaled R$3,808 (R$3,397 as of December 31, 2006).
21. FINANCIAL INSTRUMENTS
a) General conditions
The Company and its subsidiaries enter into transactions involving financial
instruments, all recorded in balance sheet accounts, to meet their own needs, and reduce
exposure to market, currency and interest rate risks. These risks and the respective
financial instruments are managed through the definition of strategies, establishment of
control systems, and determination of exchange exposure limits.
Cash investments are mainly made at negotiated rates of return, since the Company
intends to hold these investments to redemption. These investments reflect market
conditions at the balance sheet dates.
Loans and financing are recorded at the contractual interest rates of each transaction.
b) Exchange risk
The Company has entered into swap and forward transactions to hedge its liabilities
against fluctuations in the exchange rate and TR (a managed prime rate) arising from
financing agreements and operating activities (import of equipment, purchase of inputs
linked to exchange variation, and investments in international operations). These
transactions consist in swapping the liability in foreign currency or certain index for a
liability adjusted by a percentage of the CDI (interbank deposit rate), and are composed
as follows as of December 31, 2007 and December 31, 2006:
background image
Natura Cosméticos S.A.
31
Type of transaction Contracted
amount
Balance of
current liabilities
2007 2006 2007 2006
Finance (*)
133,452
13,759
8,210
1,938
Operating
46,682
16,651
304
247
180,134
30,410 8,514 2,185
(*) The effects of these transactions are directly related to the monetary and exchange
variations on loans and financing, as stated in note 13.
The Company and its subsidiaries do not use derivative financial instruments for
speculation purposes.
c) Interest rate risk
The Company and its subsidiaries are exposed to fluctuations in the TJLP due to the
financing agreements entered into with the BNDES, FAT Fomentar and FINEP.
d) Fair values
The fair values of cash and banks, temporary cash investments, and accounts receivable
and payable approximate the carrying amounts due to the short-term maturity of these
financial instruments. The fair values of loans and financing substantially approximate
the carrying amounts since these financial instruments have variable interest rates.
Regarding the swap and forward transactions the carrying and fair values are as follows:
2007
2006
Carrying
value
Fair
value
Carrying
value
Fair
value
Swap and forward transactions
8,514 6,351 2,185 2,860
At the balance sheet dates the Company consults the financial market and updates the
fair value of financial instruments.
e) Credit risk
The Company's sales are made to a large number of beauty consultants. The Company
manages the credit risk through a strict credit granting process.
background image
Natura Cosméticos S.A.
32
22. FINANCIAL INCOME, NET
2007 2006
Financial income:
Interest on cash investments
27,330 33,722
Gains on monetary and exchange variations
22,180
5,835
Gains on swap and forward transactions
348
91
Interest earned
120
825
Other financial income
1,061 2,918
51,039 43,391
Financial expenses:
Losses on swap and forward transactions (28,913)
(4,114)
Interest on financing
(26,454) (18,677)
Losses on monetary and exchange variations
(2,695)
(7,541)
Other financial expenses
(2,318) (3,121)
(60,380) (33,453)
Total financial income, net
(9,341) 9,938
23. INSURANCE
The Company and its subsidiaries contract insurance based principally on risk concentration
and significance, at amounts considered by management to be sufficient, taking into
consideration the nature of its activities and the opinion of its insurance advisors. As of
December 31, 2007, the insurance coverage was as follows:
Items Coverage
Insured
amount
Industrial complex/inventories Any material damages to buildings, installations
and machinery and equipment
739.379
Vehicles
Fire, theft and collision for 1,444 vehicles
45.718
Loss of profits
Nonrealization of profits arising from material
damages to installations, buildings and
production machinery and equipment
815.705
background image
Natura Cosméticos S.A.
33
24. AMENDEMENT TO BRAZILIAN CORPORATE LAW
On December 28, 2007, Law No. 11,638 was enacted, that alters, revokes and adds new
provisions to the Brazilian Corporate Law, especially with respect to chapter XV, Fiscal
Year and Financial Statements. The changes and requirements introduced by the Law are
effective for fiscal years beginning on or after January 1, 2008 and may be fully applied
until the end of December 31, 2008. Law No. 11,638/07 was designed primarily to update
accounting practices as contemplated in Brazilian Corporate Law, so as to enable the
convergence of Brazilian accounting practices with accounting standards generally accepted
in the international capital markets, and contemplates broad changes to accounting practices
generally accepted in Brazil, as they relate to statutory accounting practices and procedures.
The Law also allows the Brazilian Securities Commission (CVM) to issue new accounting
standards and procedures, applicable to public companies in Brazil, in conformity with such
international accounting standards.
The financial statement provisions of the Brazilian Corporate Law are applicable to all
companies incorporated as corporations ("Sociedades Anônimas"), including public
companies ("companhias de capital aberto") registered with the CVM. The Law, however,
introduces a new requirement for certain other large companies not incorporated as
"Sociedades Anônimas" (large companies) to prepare annual financial statements in
accordance with the financial statement provisions of Brazilian Corporate Law, including
those new provisions introduced by the Law, and requires that these financial statements be
audited by an independent auditor registered with the CVM.
The main changes that may affect the Company and its subsidiaries can be summarized as
follows:
a) Elimination of the requirement to present a statement of changes in financial position
and a new requirement to present a statement of cash flows. This statement of cash
flows has already been presented by the Company since December 31, 2004 as
supplementary information (Attachment).
b) A new requirement for the presentation of a statement of value added that presents the
additional value created by the Company, as well as the composition of the sources of
such value and the amount of undistributed value. This statement of value added has
already been presented by the Company since December 31, 2004 as supplementary
information.
c) The ability to maintain separate or auxiliary accounting ledgers and records for
purposes of reflecting necessary adjustments to financial statements prepared for
income tax or other regulatory requirements in order to prepare the required financial
statements in conformity with Brazilian Corporate Law.
d) Creation of a new account group, intangible assets, for purposes of balance sheet
presentation, which encompass rights in intangible assets maintained or used in the
operation of the Company's business. This practice has already been adopted by the
Company and its subsidiaries since December 31, 2006. See note 10 for disclosure as
of December 31, 2007.
background image
Natura Cosméticos S.A.
34
e) Modification of the definition of those assets to be recorded under the caption property,
plant and equipment in the balance sheet, to be those rights in tangible assets that are
maintained or used in the operations of the Company's business, including those rights
received as a result of transactions that transfer the benefits, risks and control of such
assets to the Company (e.g., capital leases). This practice is already adopted by the
Company.
f) Requirement that periodic review and analysis of the recoverability of amounts
recorded in property, plant and equipment, intangible assets and deferred charges be
performed to ensure that: (i) impairment losses are recorded as a result of decisions to
discontinue activities related to such assets or when there is evidence that future
operating results will not be sufficient to ensure their realization; and (ii) the criteria
used to determine the estimated remaining useful life of such assets for purposes of
recording depreciation, amortization and depletion expense are reviewed and adjusted.
This change will be adopted by the Company and its subsidiaries beginning 2008.
g) Requirement that investments in financial instruments, including derivatives, be
accounted for: (i) at fair value or equivalent value for trading securities or securities
available for sale; or (ii) at the lower of historical cost, adjusted for contractual interest
and other contractual provisions, and realizable value for other investments. Additional
fair value concepts and considerations have also been defined for such financial
instruments. This practice is already adopted by the Company. The Company reports
fair value for financial reporting purposes only, as shown in note 21.
h) Creation of a new account group, valuation adjustments to shareholders' equity, for
purposes of balance sheet presentation, to be used to record certain valuation
adjustments not recorded in earnings for certain assets and liabilities. Such adjustments
may include, among others, fair value adjustments for certain qualifying financial
instruments, foreign currency exchange rate variations on foreign investments
accounted for under the equity method of accounting (through December 31, 2007,
such adjustments used to be recorded in profit and loss account), and certain fair value
adjustments related to assets and liabilities as a result of a merger between unrelated
parties that results in the transfer of control. The Company and its subsidiaries will
evaluate the impacts of the changes introduced by the Law and any effects will be
recorded in 2008.
i) Requirement that certain long-term assets and liabilities be recorded at present value,
and, if material, for certain other short-term assets and liabilities. The Company and its
subsidiaries will evaluate the impacts of the changes introduced by the Law and any
effects will be recorded in 2008.
j) Elimination of the ability to record donations and government investment grants
(including tax incentives) directly as capital reserves in shareholders' equity. Such
items are now required to be recorded as part of earnings in the income statement.
Donations and government grants (including tax incentives) may be required to be
allocated, after being recorded in earnings, to the tax incentive reserve in equity. The
Company and its subsidiaries will evaluate the impacts of the changes introduced by
the Law and any effects will be recorded in 2008.
background image
Natura Cosméticos S.A.
35
k) Requirement that for transactions involving the merger or spin-off between unrelated
parties that result in the effective transfer of control, the related assets and liabilities of
the entity being merged or spun-off should be recorded at fair market value.
l) Elimination of the materiality parameter in determining the applicability of the equity
method of accounting for investments in affiliates and subsidiaries and a new
requirement that the equity method of accounting for such investments is required
when management has significant influence over the investee or when the Company's
direct and indirect interest in the voting capital of the investee is greater than 20% of
the outstanding voting capital of the investee. This is not applicable to the Company
and its subsidiaries since all interests are greater than those set forth by the new
legislation.
Management is currently evaluating the impacts of the changes introduced by the Law.
However, as the changes have only been introduced recently, and many of them still are and
will be subject to further interpretation and regulation by applicable regulatory agencies and
accounting standards bodies, Management has not yet been able to assess and/or quantify
the effects of all of the changes that are reasonably likely to have a significant impact on its
financial statements, financial position and results of operations.
25. SUBSEQUENT EVENT
On February 27, 2008, the Board of Directors approved a proposal to be submitted to the
Extraordinary Shareholders' Meeting to be held on March 31, 2008, for merger of the
wholly-owned subsidiary Nova Flora Participações Ltda. ("Nova Flora") into the Company.
The merger is intended to rationalize the existing corporate structure, with consequent cost
reduction and simplification of internal routines for maintenance of companies without any
business activities or prospect of resumption of activities.
According to the proposal, the absorption of the net assets of Nova Flora will occur on
March 31, 2008 based on the balance sheet as of December 31, 2007, prepared in
accordance with Brazilian accounting practices, provisions of Law No. 6404/76 and
standards of the Brazilian Securities Commission ("CVM").
In compliance with CVM (Brazilian Securities Commission) Regulatory Instructions No.
319 and 358, of December 3, 1999 and January 3, 2002, the Company disclosed on the
CVM's site (in the Periodic and Special Financial Statements - IPE), on February 27, 2008,
a significant event notice with further details related to the above event.
26. SUMMARY OF THE DIFFERENCES BETWEEN ACCOUNTING PRACTICES IN
ACCORDANCE WITH BRAZILIAN GAAP AND U.S. GAAP
The Company's accounting policies comply with Brazilian GAAP. Accounting policies that
differ from accounting principles generally adopted in the United States of America
(U.S. GAAP) are described below:
background image
Natura Cosméticos S.A.
36
a) Capitalization of interest cost
Under Brazilian GAAP, interest charges and monetary and foreign exchange variation
from financing linked to construction in progress are capitalized in the balance of the
assets and credited to interest expense and monetary and foreign exchange variation.
Under U.S. GAAP, in accordance with the provisions of Statement of Financial
Accounting Standards - SFAS No. 34, "Capitalization of Interest Costs", interest
incurred on borrowings is capitalized as part of the cost of certain assets to the extent
that borrowings do not exceed construction in progress. The credit is recorded as a
reduction of interest expense. The amount of interest capitalized excludes foreign
exchange gains and losses on foreign currency borrowings.
The U.S. GAAP net income adjustment relates to the amortization of the accumulated
difference in criteria arising in prior periods.
b) Monetary restatement of 1996 and 1997
As mentioned in Note 2, under Brazilian GAAP, the Company discontinued accounting
for the effects of inflation as of December 31, 1995. As of January 1, 1996, the carrying
value of all nonmonetary assets and liabilities became their historical cost basis. Under
U.S. GAAP, Brazil was still considered to be a highly-inflationary economy until July 1,
1997, and, consequently, the Company continued to record the effects of inflation using
the IGP-M (general market price index) up to 1997.
The U.S. GAAP adjustment represents the amortization of the restatement of fixed
assets, which resulted from the inflation accounting applied during 1996 and 1997.
c) Items posted directly to shareholders' equity accounts
Brazilian GAAP requires that the effect of certain items relating to entities other than the
Company's shareholders be credited directly to shareholders' equity. Under U.S.
GAAP, these items are recorded as a credit to the Company's results for the year. The
adjustments for the years ended December 31, 2007 and 2006 are presented in Note
26.n. - "Net income reconciliation".
d) Interest income (expense)
Brazilian GAAP requires interest to be included as part of operating income. Under U.S.
GAAP, interest income (expense) is included as nonoperating income.
e) Stock option plan
Under Brazilian GAAP, the Company does not account for the impact of the stock
option plan in its financial statements. Under U.S. GAAP, since the options are adjusted
for the Brazilian consumer price index, the Company accounts for its stock option plan
by accruing a liability at fair value relating to the options issued under the plan at each
period end in accordance with SFAS No. 123 (R), "Accounting for Stock-based
Compensation". SFAS No. 123 (R) requires that the cost of employee services received
in exchange for an award of equity instruments be measured based on the grant-date fair
value of the awards. Since the Company's awards are adjusted for the Brazilian
consumer price index, the liability for the awards is updated to its fair value at each
balance sheet date.
background image
Natura Cosméticos S.A.
37
Summarized information for the stock option plan is as follows:
2007 2006
Outstanding options
5,456,845 6,701,732
Weighted-average remaining contractual life of the outstanding
options
3.203 3.171
Weighted-average exercise price of the outstanding (per share,
expressed in Brazilian reais)
15.457 9.892
As of December 31, 2007, the market price of the Company's share was R$17.00
(R$30.15 as of December 31, 2006).
The following table summarizes information about the shares granted and outstanding at
December 31, 2007 and 2006:
At December 31, 2007
Outstanding Options
Vested options
Remaining
contractual
Date of
grant
Exercise
price - R$
Outstanding
options
Life -
years
Exercise
price - R$
Vested
options
Exercise
price - R$
April 10, 2002
5.85
238,940
0.28
5.85
238,940
5.85
April 10, 2003
3.28
1,016,810
1.28
3.28 1,016,810
3.28
March 10, 2004
8.06
1,117,810
2.28
8.06
558,905
8.06
March 16, 2005
17.31
831,670
3.21
17.31
-
17.31
March 29, 2006
25.79
981,660
4.21
25.79
-
25.79
April 24, 2007
24.33
1,269,955
5.32
24.33
-
24.33
5,456,845
1,814,655
At December 31, 2006
Outstanding options
Vested options
Remaining
contractual
Date of
grant
Exercise
price - R$
Outstanding
options
Life -
years
Exercise
price - R$
Vested
options
Exercise
price - R$
April 10, 2002
5.60
658,885
1.28
5.60
658,885
5.60
April 10, 2003
3.14
2,381,422
2.28
3.14
1,190,711
3.14
March 10, 2004
7.72
1,627,960
3.28
7.72
-
7.72
March 16, 2005
16.57
941,485
4.21
16.57
-
16.57
March 29, 2006
24.69
1,091,980
5.21
24.69
- 24.69
6,701,732
1,849,596
background image
Natura Cosméticos S.A.
38
The fair values of the options granted by the Company have been estimated at the date
of the initial public offering, at subsequent grants and at each year end using the
binomial option-pricing model with the following weighted-average assumptions:
2007 2006
Expected volatility (daily)
2.79%
1.45%
Risk-free interest rate (per year)
13.00%
13.25%
Weighted-average grant date fair value
R$7.75
R$21.42
Expected term
5 - 6 years 5 - 6 years
Dividend yield
3.6%
3.5%
f) Goodwill
Under Brazilian GAAP, the goodwill related to Nova Flora, defined as the excess of the
acquisition cost over the book value of the net assets acquired, was amortized, until
2004, using the straight-line method over a period of ten years. As described in Note
11.b, Nova Flora's activities are being closed down, so the Company decided, during
2005, to amortize the total balance of the goodwill.
g) Accounting for Uncertainty in Income Taxes
The Company adopted the provisions of FIN 48, "Accounting for Uncertainty in Income
Taxes", on January 1, 2007. Beginning January 1, 2007, The Company records the
financial statement effects of an income tax and social contribution tax position when it
is more likely than not, based on the technical merits, that it will be sustained upon
examination. A tax position that meets the more-likely-than-not recognition threshold is
measured and recorded as the largest amount of tax benefit that is greater than 50
percent likely of being realized upon ultimate settlement with a taxing authority.
Previously recognized tax positions are derecognized in the first period in which it is no
longer more likely than not that the tax position will be sustained. The benefit associated
with previously unrecognized tax positions are generally recognized in the first period in
which the more-likely-than-not threshold is met at the reporting date, the tax matter is
ultimately settled through negotiation or litigation or when the related statute of
limitations for the relevant taxing authority to examine and challenge the tax position
has expired. The recognition, derecognition and measurement of tax positions are based
on management's best judgment given the facts, circumstance and information available
at the reporting date.
Differences between a tax position taken or expected to be taken in the Company's tax
returns and the aumont of benefit recognized and measured in the financial statements
result in unrecognized tax benefits, which are recorded in the balance sheet as a either a
liability for unrecognized tax benefits or reductions to recorded tax assets, as applicable.
Interest and penalties are accrued with respect to unrecognized tax benefits in
accordance with the legislation of the respective taxing jurisdictions, which are
recognized as a component of interest expense.
The adoption of FIN 48 did not have any impact in the Company's statements of income
and financial position and did not result in a cumulative adjustment to retained earnings
upon adoption.
background image
Natura Cosméticos S.A.
39
As of December 31, 2007, we have no amount recorded for any uncertainty income
taxes.
The Company or its subsidiaries file income tax returns in Brazil and other foreing
federal and state jurisdictions. Brazilian income tax returns are normally open to audit
for give years.
h) Accounting for derivative instruments
Under Brazilian GAAP, foreign currency swap and forward contracts are recorded at the
settlement amount at the balance sheet date. The premium accrued at that date is
recorded as an expense with a corresponding liability.
In June 1998, the Financial Accounting Standards Board - FASB issued SFAS No. 133,
"Accounting for Derivative Instruments and Hedging Activities", as amended by SFAS
No. 138, "Accounting for Certain Derivative Instruments and Certain Hedging
Activities", an Amendment of FASB No. 133, and SFAS No. 149, "Amendment of
Statement 133 on Derivative Instruments and Hedging Activities". SFAS No. 133
established accounting and reporting standards requiring that every derivative
instrument (including certain derivative instruments embedded in other contracts) be
recorded in the balance sheet as either an asset or a liability measured at its fair value.
Changes in a derivative's fair value are recognized currently in earnings unless specific
hedge accounting criteria are met.
For U.S. GAAP purposes, the Company's derivatives do not qualify for hedge
accounting using the criteria of SFAS No. 133, and, consequently, the changes in fair
value are recorded in earnings. Accordingly, an adjustment has been included in the
reconciliation of U.S. GAAP for the difference between the carrying value recorded
under Brazilian GAAP and the fair market value of the Company's derivative contracts.
Contracts outstanding at December 31, 2007 and 2006 are summarized as follows:
Accounting
balance
(liability)
Date of
Number
Aggregate
as of December
Market
Type contract Expiration
date of
contracts notional
amount
31, 2007
value
USD X CDI
October, 2006
and September,
2007
January 15, 2007 to
February 16 2009
5

21,548 (2,779)
(2,306)
NDF (Long
EUR and USD)
October ,
November and
December , 2007
January 2, 2008 and
February 1, 2008
6
46,682
(304)
(108)
TR X CDI
July, 2007
June and July, 2009
6
23,420
(40)
(231)
JPY X CDI
August 9, 2007
January 26, 2010
1
88,484 (5,391)
(3,706)
Accounting
balance
(liability)
Date of
Number
Aggregate
as of December
Market
Type contract Expiration
date of
contracts notional
amount
31, 2006
value
USD x CDI
July 1, 2004
January 2, 2007
to April 15, 2008
29
30,410 (2,185)
(2,860)
background image
Natura Cosméticos S.A.
40
i) Earnings per share
Under U.S. GAAP, the Company calculates earnings per share in accordance with SFAS
No. 128, "Earnings Per Share". Basic earnings per share are calculated by dividing net
earnings available to the Company's shares by weighted-average shares outstanding.
Diluted earnings per share are calculated similarly, except that it includes the dilutive
effect of the Company's stock option plan.
For
the
year
ended
December 31
2007 2006
Basic net income per share computation:
Net income under U.S. GAAP (see Note 26.n.)
472,346
392,233
Weighted-average shares outstanding
416,717,550 415,765,245
Basic net income per share (in R$)
1.1335
0.9434
Diluted net income per share computation:
Net income under U.S. GAAP (see Note 26.n.)
472,346
392,233
Weighted-average shares outstanding
416,717,550 415,765,245
Incremental shares attributable to the assumed exercise of
outstanding options (treasury stock method)
1,351,520
4,946,022
Total 418,069,070
420,711,267
Diluted net income per share (in R$)
1.1298
0.9323
j) Dividends
Under the Company's bylaws, the Company is required to distribute an aggregate
amount equal to at least 30% of the Company's adjusted net income of each fiscal year
as a minimum mandatory dividend. For more information regarding dividends paid to
the Company's shareholders, see Note 18.d.
Under Brazilian GAAP, the minimum dividend must be recognized in the year in which
the related income is earned.
k) Translation of financial statements of foreign subsidiaries
Under Brazilian GAAP, the Company records the effects of translating the financial
statements of its foreign subsidiaries into Brazilian reais in results of operations for the
year. For U.S. GAAP purposes, the functional currencies of the Company's foreign
subsidiaries are considered to be the respective local currencies. Under SFAS No. 52,
"Foreign Currency Translation", the adjustments resulting from the process of
translating a foreign entity's financial statements from the functional currency to the
reporting currency are not recorded in results of operations but are accumulated in a
separate component of consolidated equity (foreign currency translation adjustments).
l) Comprehensive income
Brazilian GAAP does not recognize the concept of comprehensive income.
background image
Natura Cosméticos S.A.
41
Under U.S. GAAP, SFAS No. 130, "Reporting Comprehensive Income", effective for
years beginning after December 15, 1997, requires the disclosure of comprehensive
income. Comprehensive income is comprised of net income and "Other comprehensive
income", which include charges or credits directly to equity that are not the result of
transactions with shareholders. The Company's comprehensive income for the years
presented in Note 26.n. relates to cumulative translation adjustments of our foreign
subsidiaries recorded under SFAS No. 52 "Foreign Currency Translation".
m) Statements of cash flows
Under Brazilian GAAP, the Company classified cash flows amounting to R$21,790 and
R$4,540 for the years ended December 31, 2007 and 2006, respectively, relating to the
changes in derivative contracts, as financing activities. Under U.S. GAAP, since these
derivative contracts do not qualify for hedge accounting, these cash flows are classified
as investing activities. Additionally, the Company has classified cash flows from
changes in judicial deposits amounting to R$68,144 and R$29,369 for the years ended
December 31, 2007 and 2006, respectively, as operating activities. Under U.S. GAAP,
these cash flows would be classified as investing activities.
n) Reconciliation of the differences between Brazilian GAAP and U.S. GAAP
Net income reconciliation 2007 2006
Income under Brazilian GAAP
462,255 460,774
Adjustments to reconcile Brazilian GAAP to U.S. GAAP:
Monetary restatement of 1996 and 1997
(26)
(26)
Amortization of capitalized interest
(361)
(361)
Accounting for derivative instruments
2,838
(603)
Stock option plan
(2,969) (73,740)
Other adjustments
248 406
Translation of financial statements of foreign subsidiaries
8,403 1,487
Investment grants - items posted directly to shareholders' equity
accounts 2,791
3,870
Deferred tax effects of the above adjustments
(833) 426
Net income under U.S. GAAP
472,346 392,233
Foreign currency translation adjustments
(8,403) (1,487)
Comprehensive income under U.S. GAAP
463,943 392,233
background image
Natura Cosméticos S.A.
42
Shareholders' equity reconciliation 2007 2006
Total shareholders' equity under Brazilian GAAP
678,119 640,551
Adjustments to reconcile Brazilian GAAP to U.S. GAAP:
Monetary restatement of 1996 and 1997
1,583
1,609
Capitalized interest
4,874
5,235
Reversal of proposed dividends of 2007 (net of the minimum
mandatory dividend) - restated in 2006 for change in
accounting policy (see Note 18.d)
278,063 218,637
Accounting for derivative instruments
2,163
(675)
Stock option plan
(33,929) (20,628)
Cumulative effect of adoption of SFAS No. 123 (R) (see Note
26.e.) -
(61,672)
Other adjustments
915
669
Deferred tax effects of the above adjustments
(2,931) (2,098)
Shareholders' equity under U.S. GAAP
928,857 781,628
Accumulated comprehensive income under U.S. GAAP
(12,679) (4,276)
The deferred tax effects of the U.S. GAAP adjustments above are classified as
noncurrent under U.S. GAAP, with the exception of the adjustment relating to derivative
instruments.
background image
Natura Cosméticos S.A.
43
o) Statements of changes in shareholders' equity under U.S. GAAP
Total

Balance as of December 31, 2005
726,522

Income under U.S. GAAP
392,233
Foreign currency translation adjustments
(1,487)
Dividends of 2005 approved in 2006 (excess of the minimum mandatory
dividend) (200,235)
Minimum mandatory dividend on net income of 2006
(107,229)
Cumulative effect of adoption of SFAS No. 123 (R) (see Note 26.e)
(61,672)
Interest on capital
(33,569)
Exercise of stock options
61,905
Payment of receivables from shareholders
2,060
Capital increase through subscription of shares
3,100

Balance as of December 31, 2006
781,628

Income under U.S. GAAP
472,346
Foreign currency translation adjustments
(8,403)
Dividends of 2006 approved in 2007 (excess of the minimum mandatory
dividend) (218,637)
Minimum mandatory dividend on net income of 2007
(97,828)
Interest on capital
(39,248)
Acquisitions of treasury shares
(22,701)
Exercise of stock options
58,791
Payment of receivables from shareholders
92
Capital increase through subscription of shares
2,817

Balance as of December 31, 2007
928,857
p) Re-presentation of the financial statements for the year ended December 31, 2006 -
Stock Options
After the presentation of the financial statements for the year ended December 31, 2006,
the Company's management identified an error in the calculation of compensation
expenses derived from accounting for stock option plan in accordance with USGAAP.
Consequently, the Company presented again the reconciliation of net income for the
differences between Brazilian accounting practices and USGAAP. The effects are as
follows:
2006
Presented
again
Previously
presented
Stock option plan
(73,740)
(20,628)
Net income under U.S. GAAP
392,233
445,345
Earnings per share
0.9434
1.0711
background image
Natura Cosméticos S.A.
44
27. ADDITIONAL DISCLOSURES REQUIRED BY U.S. GAAP
a) Concentrations of risk
Certain financial instruments potentially subject the Company to concentrations of credit
risk. These financial instruments consist primarily of cash investments. The Company
places its cash investments with high credit quality financial institutions and has a policy
of limiting the amount and percentage of credit exposure to any financial institution.
Some of the Company's employees are affiliated with state and/or municipal labor
unions (Union of Workers in the Chemical, Pharmaceutical, Plastics, Explosives,
Abrasives, Fertilizers and Refinement of Mineral Oils Industries of Osasco, Cotia and
the Surrounding Region ("Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas,
Farmacêuticas, Plásticas, Explosivas, Abrasivas, Fertilizantes e Refino de Óleos
Minerais de Osasco, Cotia e Região"); Union of Employees of Independent Commercial
Agents, of Companies that Perform Advisory, Expert, Information and Research
Services and of Accounting Services Companies in the State of São Paulo ("Sindicato
dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio e em Empresas de
Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas e de Empresas de Serviços
Contábeis no Estado de São Paulo"); and Union of Commercial Employees of Cotia and
the Surrounding Region ("Sindicato dos Empregados no Comércio de Cotia e Região")).
Labor agreements are negotiated with these labor unions that influence the wages the
Company generally pays to its employees. In recent years, the Company has not
experienced a work stoppage that has had a material effect on its operations. The
Company's collective agreements have a one-year term. These collective agreements
and its related terms are revised yearly.
Other than described above, the Company has no other concentrations of risk that could
result in a materially adverse impact on the Company's operations.
b) Intangible assets
The following is a summary of the Company's intangible assets subject to amortization
under U.S. GAAP:
2007
Software
licenses
Patents
Goodwill on
acquisition of
investment
Nova Flora
Business
lease
Natura
Europa
Gross 73,183
1,967
-
5,420
Accumulated amortization
(25,231)
(1,232)
-
-
Net 47,952
735
- 5,420
Amortization expense
11,670
291
-
-
Amortization period (years)
5
4-10
-
-
background image
Natura Cosméticos S.A.
45
2006
Software
licenses
Patents
Goodwill on
acquisition of
investment
Nova Flora
Business
lease
Natura
Europa
Gross 32,735
941
8,015
5,860
Accumulated amortization
(13,561)
(941)
(8,015)
-
Net 19,174
-
- 5,860
Amortization expense
4,990
53
-
-
Amortization period (years)
5
4-10
10
-
The estimated aggregate amortization expense for the following years is as follows:
Amount

2008 14,928
2009 14,928
2010 14,790
2011
4,041
48.687
c) Recently issued accounting pronouncements
In September 2006, the FASB issued SFAS No. 157, "Fair Value Measurements",
which defines fair value, establishes a framework for measuring fair value, and expands
disclosures about fair value measurements. This Statement applies under other
accounting pronouncements that require or permit fair value measurements, the Board
having previously concluded in those accounting pronouncements that fair value is the
relevant measurement attribute. Accordingly, this Statement does not require any new
fair value measurements. This Statement is effective for financial statements issued for
fiscal years beginning after November 15, 2007 and interim periods within those fiscal
years. The Company will adopt this Statement for the year ended December 31, 2008,
however, it is possible determine that in December 31, 2007, there is no material impact
on the Company's consolidated financial statements.
In February 2007, the FASB issued SFAS No. 159 "The Fair Value Option for Financial
Assets and Liabilities", including an amendment of FASB Statement No. 115,
"Accounting for Certain Investments in Debt and Equity Securities". This Statement
permits entities to choose to measure many financial instruments and certain other items
at fair value. The objective is to improve financial reporting by providing entities with
the opportunity to mitigate volatility in reporting earnings caused by measuring related
assets and liabilities differently without having to apply complex hedge accounting
provisions. SFAS No. 159 is expected to expand the use of fair value measurement for
accounting for financial instruments and is effective as of the beginning of a fiscal year
that begins after November 2007. Accordingly, the Company will adopt this SFAS No.
159 with SFAS No. 157 in fiscal year 2008.
background image
Natura Cosméticos S.A.
46
In December 2007, the FASB issued SFAS No. 141 (revised 2007), "Business
Combinations". The SFAS 141 - Revised 2007 was issued to converge USGAAP to
IFRS, therefore several changes were made regarding accounting treatment for business
combinations. The major changes provided by this Statement are related to accounting
for business combinations costs, which can no longer be considered as part of the total
consideration paid; accounting for all assets acquired, liabilities assumed and non-
controlling interests of the acquired entity at fair value, at full amounts of their fair
values, and not on the percentage of the shares acquired; measurement and recognition
of contractual contingencies as of the acquisition date, and provides also guidance on the
subsequent accounting treatment for these situations; recognition of contingent
consideration as part of the goodwill computation on the date of acquisition, and not
after the contingent is resolved, and defines also the concept of bargain purchase, in
which the fair value of the acquired assets, assumed liabilities and noncontrolling
interest of the acquired company are higher than the total consideration paid, and defines
this bargain purchases shall be recognized as a gain on income from operations when
they arise, and not to be allocated to the eligible assets. This Statement is effective as of
the beginning of an entity's fiscal year that begins after December 15, 2008, and the
entity cannot apply it before that date. The Company believes that such pronouncement
will not have a material impact on the Company's consolidated financial statements.
In December 2007, the FASB issued SFAS No. 160, "Noncontrolling interests in
Consolidated Financial Statements - an amendment of ARB No. 51", which was also
issued to converge USGAAP to IFRS. The major changes provided by this Statement
are related to the classification of noncontrolling interest as part of the equity, an not as a
liability or a mezzanine section between liabilities and equity, as well as the
classification of the noncontrolling interest on income of operations, which now should
be shown as income attributable to noncontrolling interest, and should not anymore be
recognized as an expense or gain to arrive at net income from operations; this Statement
also provides guidance on the deconsolidation of subsidiary, in order to measure the
gain or loss on this deconsolidation using the fair value of any noncontrolling equity
investment rather than the carrying amount of the retained investment. This Statement is
effective as of the beginning of an entity's fiscal year that begins after December 15,
2008, and the entity cannot apply it before that date. The Company is in the process of
evaluating the financial impact of adopting SFAS 160.

background image
ATTACHMENT
NATURA COSMÉTICOS S.A.
STATEMENTS OF CASH FLOWS
FOR THE YEARS ENDED DECEMBER 31,2007 AND 2006
(In thousands of Brazilian reais - R$)
2007
2006
CASH FLOWS FROM OPERATING ACTIVITIES
Net income
462,255
460,773
Adjustments to reconcile net income to net cash provided by operating activities:
Depreciation and amortizations (Note 10 and 11)
74,916
54,601
Monetary and exchange variations, net, except those referring to tax, civil and labor contingencies
4,748
14,529
Reserve for losses on swap and forward contracts (Notes 21.b and 21.d)
28,119
4,022
Reserve for tax, civil and labor contingencies, including monetary variation on those reserves (Note 15)
5,377
12,998
Income tax, social contribution and other deferred taxes ( Note 9.a)
(24,046)
(12,964)
Proceeds from sale and disposal of property, plant and equipment and intangible assets
8,190
2,476
Other adjustments of income, including provisions in allowance for inventory losses
9,630
1,626
Minority interest
(3)
(4)
569,186
538,057
(INCREASE) DECREASE IN ASSETS
Current assets:
Accounts receivable (Note 6)
(161,359)
(57,904)
Inventories (Note 7)
(23,618)
(86,410)
Other receivables
(5,527)
(2,317)
Noncurrent assets (long-term assets):
Escrow deposits (Note 15)
(68,144)
(29,369)
Recoverable taxes (Note 8)
(1,303)
(8,019)
Other receivables
878
(2,575)
Subtotal
(259,073)
(186,594)
INCREASE (DECREASE) IN LIABILITIES
Current liabilities:
Suppliers
(32,097)
54,736
Salaries, profit sharing and related charges, net
(1,141)
15,545
Taxes payable, net (Notes 8 and 14)
64,710
(4,366)
Other payables
(3,343)
6,233
Noncurrent liabilities (long-term liabilities):
Other payables
2,994
8,491
Subtotal
31,123
80,639
NET CASH PROVIDED BY OPERATING ACTIVITIES
341,236
432,102
CASH FLOW FROM INVESTING ACTIVITIES
Acquisition of property, plant and equipment and intangible assets (Notes 10 and 11)
(120,856)
(193,596)
Other Investments
630
-
NET CASH USED IN INVESTING ACTIVITIES
(120,226)
(193,596)
CASH FLOW FROM FINANCING ACTIVITIES
Decrease in loans (Note 13)
(581,919)
(116,005)
Fundings - loans (Note 13)
913,537
111,322
Payments of swap and forward transactions (Notes 21.b and 21.d)
(21,790)
(4,540)
Payment of dividends (Note 18.c)
(351,805)
(307,123)
Payment of interest on capital (Notes 18.c and 18.d)
(39,247)
(51,268)
Payment of capital (Note 18.a)
2,817
3,100
Acquisition of treasure shares
(22,701)
-
Tax incentives
2,791
3,872
Sale of treasury shares by exercise of stock options (Note 18.e)
7,451
8,581
Payment of receivables from shareholders (Note 18.b)
92
2,272
NET CASH USED IN FINANCING ACTIVITIES
(90,774)
(349,789)
NET DECREASE (INCREASE) IN CASH AND BANKS
130,236
(111,283)
Cash and banks at beginning of year
275,156
386,439
Cash and banks at end of year
405,392
275,156
CHANGE IN CASH AND BANKS
130,236
(111,283)
SUPPLEMENTARY CASH FLOW DISCLOSURE
Income and social contribution taxes paid
156,527
143,276
* * * * *
RN0077*.*
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
1995
1996
1997
1998
1999
1
2000
1
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
Natura Cosméticos S.A.
Demonstrações Contábeis
Referentes aos Exercícios Findos em
31 de Dezembro de 2007 e de 2006 e
Parecer dos Auditores Independentes

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes
(Tradução Livre do Original Previamente
Emitido em Inglês)
background image
(Tradução Livre do Original Previamente Emitido em Inglês)
PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES
Ao Conselho de Administração e Acionistas da
Natura Cosméticos S.A.
São Paulo - SP - Brasil
1. Examinamos os balanços patrimoniais consolidados da Natura Cosméticos S.A.
("Companhia") e controladas levantados em 31 de dezembro de 2007 e de 2006, e as
respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e das origens e
aplicações de recursos correspondentes aos exercícios findos naquelas datas, elaborados sob
a responsabilidade de sua Administração. Nossa responsabilidade é a de expressar uma
opinião sobre essas demonstrações financeiras.
2. Nossos exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria geralmente aceitas
no Brasil. De acordo com essas normas, a finalidade do planejamento e da realização da
auditoria é obter segurança razoável da inexistência de erros materiais nas demonstrações
contábeis consolidadas. Um exame compreende a constatação, com base em testes, das
evidências e dos registros que suportam os valores e as informações contábeis divulgados
nas demonstrações contábeis consolidadas. Um exame também compreende as avaliações
das práticas e das estimativas contábeis mais representativas adotadas pela administração,
bem como a apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos
que o nosso exame constitui uma base razoável para que possamos expressar uma opinião
sobre essas demonstrações contábeis.
3. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras consolidadas referidas no parágrafo 1
representam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e
financeira da Natura Cosméticos S.A. e controladas em 31 de dezembro de 2007 e de 2006,
o resultado de suas operações, as mutações de seu patrimônio líquido e as origens e
aplicações de seus recursos referentes aos exercícios findos naquelas datas, de acordo com
as práticas contábeis adotadas no Brasil.
4. As práticas contábeis adotadas no Brasil diferem, em determinados aspectos, dos princípios
contábeis geralmente aceitas nos Estados Unidos da América. A aplicação dos princípios
contábeis geralmente aceitos nos Estados Unidos da América teria afetado o patrimônio
líquido em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e o resultado de suas operações referente aos
exercícios findos naquelas datas, na extensão descrita na nota 26 das demonstrações
financeiras consolidadas.
background image
Deloitte Touche Tohmatsu
2
5. Nossos exames foram conduzidos com o objetivo de emitir parecer sobre as demonstrações
financeiras consolidadas básicas, tomadas em conjunto. As demonstrações consolidadas dos
fluxos de caixa referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de 2006
(Anexo), que estão sendo apresentadas para propiciar informações suplementares sobre a
Companhia, não são requeridas como parte integrante das demonstrações financeiras
consolidadas básicas elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. As
demonstrações consolidadas dos fluxos de caixa foram submetidas aos mesmos
procedimentos de auditoria descritos no parágrafo 2 e, em nossa opinião, essas
demonstrações estão adequadamente apresentadas, em todos os seus aspectos relevantes, em
relação às demonstrações financeiras básicas, tomadas em conjunto.
6. Conforme descrito na nota explicativa nº 26.p, a Companhia reapresentou a reconciliação do
lucro líquido das diferenças entre as práticas contábeis adotadas no Brasil e os princípios
contábeis geralmente aceitos nos Estados Unidos da América, para o exercício findo em 31
de dezembro de 2006.
São Paulo, 27 de fevereiro de 2008



DELOITTE TOUCHE TOHMATSU
Altair Tadeu Rossato
Auditores Independentes
Contador

background image
(Tradução Livre do Original Previamente Emitido em Inglês)
NATURA COSMÉTICOS S.A.
BALANÇOS PATRIMONIAIS LEVANTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E 2006
(Em milhares de reais - R$)
ATIVO
2007
2006
PASSIVO
2007
2006
CIRCULANTE
CIRCULANTE
Disponibilidades
49.398
65.293
Empréstimos e financiamentos (Nota 13)
284.707
75.888
Aplicações financeiras (Nota 5)
355.994
209.863
Fornecedores nacionais
173.574
208.739
Contas a receber (Nota 6)
535.528
374.168
Fornecedores do exterior
2.076
5.518
Estoques (Nota 7)
251.079
237.091
Salários, participações no lucro e encargos sociais
87.068
88.718
Impostos a recuperar (Nota 8)
49.368
38.687
Obrigações tributárias (Nota 14)
118.511
95.672
Adiantamentos a colaboradores e fornecedores
3.569
12.705
Dividendos a pagar (Nota 18.d)
237.898
213.813
Partes relacionadas (Nota 10)
-
-
Fretes a pagar
18.044
18.944
Imposto de renda e contribuição social diferidos (Nota 9.a)
52.799
32.236
Outras contas a pagar
21.436
18.522
Outros créditos
25.513
20.535
Provisão para riscos tributários, cíveis e trabalhistas (Nota 15)
13.420
-
Total do ativo circulante
1.323.248
990.578
Provisão para perdas em contratos de "swap" e "forward" (Notas 21.b e 21.d)
8.514
2.185
Provisões diversas
888
3.739
NÃO CIRCULANTE
Total do passivo circulante
966.136
731.738
Realizável a longo prazo:
Valores a receber de acionistas (Nota 18.b)
-
20
NÃO CIRCULANTE
Impostos a recuperar (Nota 8)
22.284
20.981
Empréstimos e financiamentos (Nota 13)
259.992
127.077
Imposto de renda e contribuição social diferidos (Nota 9.a)
34.318
35.809
Provisão para riscos tributários, cíveis e trabalhistas (Nota 15)
51.021
62.210
Depósitos judiciais (Nota 15)
38.603
13.367
Outras contas a pagar
7.342
4.348
Adiantamento a colaboradores e fornecedores
3.935
2.715
Total do passivo não circulante
318.355
193.635
Outros créditos
595
557
Aplicações financeiras (Notas 5 e 15.g)
4.848
4.336
PARTICIPAÇÃO DOS MINORITÁRIOS
1
4
Permanente:
Investimentos
-
630
PATRIMÔNIO LÍQUIDO (Nota 18)
Imobilizado (Nota 10)
470.963
445.546
Capital social (Nota 18.a)
390.618
233.862
Intangível (Nota 11)
63.817
51.389
Reservas de capital (Notas 18.b e 18.e)
124.471
134.867
Total do ativo não circulante
639.363
575.350
Reservas de lucros (Notas 18.g e 18.h)
165.235
272.056
Ações em tesouraria (Nota 18.e)
(2.205)
(234)
Total do patrimônio líquido
678.119
640.551
TOTAL DO ATIVO
1.962.611
1.565.928
TOTAL DO PASSIVO
1.962.611
1.565.928
As notas explicativas e os Anexos são parte integrante das demonstrações contábeis.
3
background image
(Tradução Livre do Original Previamente Emitido em Inglês)
NATURA COSMÉTICOS S.A.
DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO
PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006
(Em milhares de reais - R$, exceto o lucro líquido do exercício por ação)
2007
2006
VENDAS BRUTAS
Mercado interno
4.111.505
3.754.968
Mercado externo
188.884
133.604
Outras vendas
1.225
1.388
RECEITA OPERACIONAL BRUTA
4.301.614
3.889.960
Impostos sobre vendas, devoluções e abatimentos
(1.228.913)
(1.132.973)
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA
3.072.701
2.756.987
Custo dos produtos vendidos
(992.253)
(891.317)
LUCRO BRUTO
2.080.448
1.865.670
(DESPESAS) RECEITAS OPERACIONAIS
Com vendas
(1.033.195)
(885.749)
Administrativas e gerais
(377.505)
(330.845)
Participação dos colaboradores no lucro (Nota 16)
(28.664)
(37.353)
Remuneração dos administradores
(9.539)
(12.385)
Outras despesas operacionais, líquidas
(4.942)
(388)
LUCRO OPERACIONAL ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO
626.603
598.950
Despesas financeiras (Nota 22)
(60.380)
(33.453)
Receitas financeiras (Nota 22)
51.039
43.391
LUCRO OPERACIONAL
617.262
608.888
Resultado não operacional, líquido
512
909
LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E DA
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL
617.774
609.797
Imposto de renda e contribuição social (Nota 9.b)
(155.519)
(149.023)
LUCRO LÍQUIDO ANTES DA PARTICIPAÇÃO DOS
MINORITÁRIOS
462.255
460.774
Participação dos minoritários
-
(1)
LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO
462.255
460.773
LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO POR AÇÃO - R$
1,0781
1,0796
As notas explicativas e os Anexos são parte integrante das demonstrações contábeis.
4
background image
(Tradução Livre do Original Previamente Emitido em Inglês)
NATURA COSMÉTICOS S.A.
DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO
PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006
(Em milhares de reais - R$, exceto dividendos por ações)
Ágio na
Subvenções
Capital
Ações em
emissão/venda
para
Lucros
social
tesouraria
de ações
investimentos
Legal
Retenção
acumulados
Total
SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005
230.762
(1.265)
110.459
10.715
18.533
152.185
-
521.389
Venda de ações em tesouraria pelo exercício de opções de compra de ações
-
541
8.039
-
-
-
-
8.580
Amortização de valores a receber de acionistas (Nota 18.b)
-
-
2.272
-
-
-
-
2.272
Aumento de capital por subscrição de ações
3.100
-
-
-
-
-
-
3.100
Incentivos fiscais
-
-
-
3.872
-
-
-
3.872
Lucro líquido do exercício
-
-
-
-
-
-
460.773
460.773
Destinação do lucro líquido:
Dividendos - R$0,7630 por ação em circulação no fim do exercício (Nota 18.d)
-
-
-
-
-
-
(325.866)
(325.866)
Juros sobre o capital próprio - R$0,0787 por ação em circulação no fim do exercício (Notas 18.c e 18.d)
-
-
-
-
-
-
(33.569)
(33.569)
Reserva de retenção de lucros (Nota 18.h)
-
-
-
-
-
109.891
(109.891)
-
SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2006
233.862
(724)
120.770
14.587
18.533
262.076
(8.553)
640.551
Venda de ações em tesouraria pelo exercício de opções de compra de ações (Nota 18.e)
-
20.724
(13.273)
-
-
-
-
7.451
Amortização de valores a receber de acionistas (Nota 18.b)
-
-
92
-
-
-
-
92
Aumento de capital por subscrição de ações (Nota 18.a)
2.817
-
-
-
-
-
-
2.817
Aquisição de ações para tesouraria (Nota 18.e)
-
(22.701)
-
-
-
-
-
(22.701)
Aumento de capital por capitalização de reserva de retenção de lucros (Nota 18.h)
153.939
-
-
-
-
(153.939)
-
-
Incentivos fiscais
-
-
-
2.791
-
-
-
2.791
Lucro líquido do exercício
-
-
-
-
-
-
462.255
462.255
Destinação do lucro exercício:
Dividendos - R$0,8767 por ação em circulação no fim do exercício (Nota 18.d)
-
-
-
-
-
-
(375.890)
(375.890)
Juros sobre o capital próprio - R$0,0915 por ação em circulação no fim do exercício (Notas 18.c e 18.d)
-
-
-
-
-
-
(39.247)
(39.247)
Reserva de retenção de lucros (Nota 18.h)
-
-
-
-
-
41.777
(41.777)
-
SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007
390.618
(2.701)
107.589
17.378
18.533
149.914
(3.212)
678.119
As notas explicativas e os Anexos são parte integrante das demonstrações contábeis.
Reservas de capital
Reservas de lucros
5
background image
(Tradução Livre do Original Previamente Emitido em Inglês)
NATURA COSMÉTICOS S.A.
DEMONSTRAÇÕES DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS
PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006
(Em milhares de reais - R$)
2007
2006
ORIGENS DE RECURSOS
Das operações:
Lucro líquido do exercício
462.255
460.773
Itens que não afetam o capital circulante:
Depreciações e amortizações (Notas 10 e 11)
74.916
54.601
Variações monetárias e cambiais, líquidas, dos itens não circulantes, exceto as referentes
aos riscos tributários, cíveis e trabalhistas
(5.435)
(73)
Provisão para riscos tributários, cíveis e trabalhistas; inclui variações monetárias
sobre as provisões (Nota 15)
(8.043)
12.998
Imposto de renda e contribuição social diferidos (Nota 9.a.)
1.491
(6.485)
Valor do resultado na venda e baixa de imobilizado e intangível
5.683
3.881
Participação dos minoritários
(3)
(4)
530.864
525.691
De acionistas:
Aumento de capital pela subscrição de ações (Nota 18.a)
2.817
3.100
Aquisição de Ações
(22.701)
-
Venda de ações em tesouraria pelo exercício de opções de compra de ações (Nota 18.e)
7.451
8.581
Amortização de valores a receber de acionistas (Nota 18.b)
92
2.272
De terceiros:
Reclassificação de impostos recuperáveis do ativo imobilizado para o ativo circulante e não circulante
-
10.536
Aumento do passivo não circulante
280.987
31.570
Subvenções para investimentos
2.791
3.872
Total das origens
802.301
585.622
APLICAÇÕES DE RECURSOS
Adições de imobilizado e intangível (Notas 10 e 11)
120.856
193.596
Aumento do ativo não circulante (realizável a longo prazo)
70.687
14.232
Redução do passivo não circulante
-
29.119
Transferência do passivo não circulante para o circulante
144.379
20.740
Dividendos propostos e distribuídos (Nota 18.d)
375.890
325.866
Juros sobre o capital próprio propostos e distribuídos (Notas 18.c e 18.d)
39.247
33.569
Total das aplicações
751.059
617.122
(REDUÇÃO) AUMENTO DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO
51.242
(31.500)
VARIAÇÕES DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO REPRESENTADAS POR
Aumento no ativo circulante
332.669
65.714
Aumento no passivo circulante
281.427
97.214
(REDUÇÃO) AUMENTO DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO
51.242
(31.500)
As notas explicativas e os Anexos são parte integrante das demonstrações contábeis.
6
background image
7
(Tradução Livre do Original Previamente Emitido em Inglês)
NATURA COSMÉTICOS S.A.
NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006
(Valores expressos em milhares de reais - R$, exceto se de outra forma indicado)
1. CONTEXTO OPERACIONAL
As atividades da Natura Cosméticos S.A. ("Sociedade") e de suas controladas compreendem
o desenvolvimento, a industrialização, a distribuição e a comercialização, substancialmente
através de vendas diretas realizadas pelas Consultoras Natura, de cosméticos, fragrâncias em
geral e produtos de higiene e saúde, bem como a participação como sócia ou acionista em
outras sociedades no Brasil e no exterior.
2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
As demonstrações contábeis foram elaboradas com observância às disposições contidas na
Lei das Sociedades por Ações e normas da Comissão de Valores Mobiliários - CVM.
Algumas nomenclaturas e agrupamentos de contas, nas demonstrações do resultado e do
fluxo de caixa, foram alterados em relação ao ano anterior, para melhor classificação e
apresentação. Na demonstração do resultado, houve reclassificação de valores das despesas
administrativas para despesas com vendas, sem, entretanto, alterar o total das despesas
operacionais. As alterações efetuadas abrangem, inclusive, as informações de 2006, com o
objetivo de se preservar a comparação entre os exercícios. Cabe ressaltar que essas
alterações não resultaram em mudança nos saldos dos grupos, tampouco nos totais gerais.
Adicionalmente, no balanço patrimonial, houve reclassificação, para dezembro de 2006, de
R$10.319 na controladora e R$13.117 no consolidado, para a conta de depósitos judiciais,
antes classificados como redutores da provisão para riscos tributários, cíveis e trabalhistas.
As contas de imobilizado e intangível também apresentaram reclassificações para dezembro
de 2006, no entanto, não houve impactos no saldo do ativo.
Até 31 de dezembro de 1995 a legislação societária brasileira estabelecia uma metodologia
simplificada para contabilização dos efeitos inflacionários apurados até aquela data. Essa
metodologia, denominada correção monetária de balanço, consistia na correção das contas
do ativo permanente (investimentos, imobilizado e diferido) e do patrimônio líquido
utilizando índices divulgados pelo Governo Federal. O efeito líquido da correção monetária
era contabilizado nas demonstrações do resultado em uma conta específica denominada
"Correção monetária de balanço". Essa correção monetária foi vedada pela Lei nº 9.249, de
26 de dezembro de 1995, a partir do exercício iniciado em 1º de janeiro de 1996.
3. PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS
a) Resultado das operações
Apurado em conformidade com o regime contábil de competência dos exercícios.
background image
Natura Cosméticos S.A.
8
b) Aplicações financeiras
Representadas por investimentos temporários de alta liquidez, exceto para a aplicação
financeira de longo prazo, registrados ao custo, acrescido dos rendimentos auferidos até
as datas dos balanços, conforme demonstrado na nota explicativa nº 5.
c) Provisão para créditos de liquidação duvidosa
Constituída com base na análise dos riscos de realização dos créditos a receber, sendo
considerada suficiente para cobrir eventuais perdas, conforme demonstrado na nota
explicativa nº 6.
d) Estoques
Registrados pelo custo médio de aquisição ou produção, ajustados ao valor de mercado e
das eventuais perdas, quando aplicável. Os detalhes estão divulgados na nota explicativa
nº 7.
e) Imobilizado e intangível
Representados pelo custo de aquisição corrigido monetariamente até 31 de dezembro de
1995 e acrescidos de juros capitalizados durante o período de construção, quando
aplicável, e do ágio e fundo de comércio decorrentes de aquisição de investimentos. As
depreciações e amortizações são calculadas pelo método linear, que leva em
consideração as taxas determinadas de acordo com a vida útil-econômica estimada dos
bens, conforme demonstrado nas notas explicativas nº 10 e 11.
f) Diferido
Representado pelo ágio gerado na incorporação de ações da Natura Empreendimentos
S.A. pela Natura Participações S.A., deduzido da provisão para preservação da
distribuição de dividendos futuros, conforme descrito na nota explicativa nº 12.
g) Passivos circulante e não circulante
Demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos
correspondentes encargos e das variações monetárias e cambiais incorridos até as datas
dos balanços.
h) Imposto de renda e contribuição social
A provisão para imposto de renda foi constituída à alíquota de 15%, acrescida do
adicional específico de 10% sobre o lucro tributável anual excedente a R$240. A
contribuição social foi constituída à alíquota de 9% sobre o lucro tributável. O imposto
de renda e a contribuição social diferidos registrados nos ativos circulante e não
circulante decorrem de despesas apropriadas ao resultado, entretanto, indedutíveis
temporariamente.
Considerando as disposições da Deliberação CVM nº 273/98 e Instrução CVM
nº 371/02, os impostos diferidos estão registrados pelos valores prováveis de realização.
Os detalhes estão divulgados na nota explicativa nº 9.
background image
Natura Cosméticos S.A.
9
i) Empréstimos e financiamentos
Atualizados pelas variações cambiais, monetárias e encargos financeiros incorridos até
as datas dos balanços, conforme previsto contratualmente, demonstrados na nota
explicativa nº 13.
j) Provisões para riscos tributários, cíveis e trabalhistas
Atualizadas até as datas dos balanços pelo montante provável de perda, observadas suas
naturezas e apoiadas na opinião dos advogados da Sociedade. Para fins de
demonstração, estão apresentadas líquidas dos depósitos judiciais correlacionados. Os
fundamentos e a natureza das provisões para riscos tributários, cíveis e trabalhistas estão
descritos na nota explicativa nº 15.
k) Operações de "swap" e "forward"
Os valores nominais das operações de "swap" e "forward" não são registrados no
balanço patrimonial. Os resultados líquidos não realizados dessas operações são
registrados pelo regime de competência dos exercícios, conforme demonstrado nas notas
explicativas nº 21.b e nº 21.d.
l) Receitas e despesas financeiras
Representam juros e variações monetárias e cambiais decorrentes de aplicações
financeiras, depósitos judiciais, empréstimos e financiamentos e operações de "swap" e
"forward", conforme demonstrado na nota explicativa nº 22.
m) Juros sobre o capital próprio
Para fins societários, os juros sobre o capital próprio estão demonstrados como
destinação do resultado diretamente no patrimônio líquido. Para fins fiscais, estes foram
tratados como despesa financeira, reduzindo a base de cálculo do imposto de renda e da
contribuição social.
n) Lucro por ação
Calculado com base na quantidade de ações, excluindo as ações em tesouraria, nas datas
de encerramento dos balanços.
o) Estimativas contábeis
A preparação de demonstrações contábeis requer o uso, pela Administração da
Sociedade, de estimativas e premissas que afetam os saldos ativos e passivos, a
divulgação de provisões para riscos tributários, cíveis e trabalhistas ativos e passivos e o
registro das receitas e despesas dos exercícios. Como o julgamento da Administração
envolve a determinação de estimativas relacionadas à probabilidade de eventos futuros,
os resultados reais eventualmente podem divergir dessas estimativas.
background image
Natura Cosméticos S.A.
10
4. CRITÉRIOS DE CONSOLIDAÇÃO
As demonstrações contábeis consolidadas foram elaboradas em conformidade com os
critérios de consolidação previstos pelas práticas contábeis adotadas no Brasil e pelas
instruções normativas e deliberações da CVM, abrangendo as demonstrações contábeis da
Sociedade e de suas controladas diretas e indiretas, conforme a seguir:
Participação - %
2007 2006
Participação direta:
Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda.
99,99
99,99
Natura Cosméticos S.A. - Chile
99,99
99,99
Natura Cosméticos S.A. - Peru
99,94
99,94
Natura Cosméticos S.A. - Argentina
99,94
99,91
Natura Brasil Cosmética Ltda. - Portugal
98,00
98,00
Nova Flora Participações Ltda.
99,99
99,99
Natura Inovação e Tecnologia de Produtos Ltda.
99,99
99,99
Natura Europa SAS
100,00 100,00
Natura Cosmeticos y Servicios de Mexico, S.A. de C.V.
99,99
99,99
Natura Cosmeticos de Mexico, S.A. de C.V.
99,99
99,99
Natura Distribuidora de Mexico, S.A. de C.V.
100,00 100,00
Natura Cosméticos C.A. - Venezuela
99,99
99,99
Natura Cosméticos Ltda. - Colômbia
99,99
99,99
Natura Cosmetics USA Co.
99,99
-
Participação indireta:
Natura Logística e Serviços Ltda.
99,99
99,99
Flora Medicinal J. Monteiro da Silva Ltda.
100,00 100,00
Ybios S.A. (consolidação proporcional - controle conjunto)
33,33 33,33
Na elaboração das demonstrações contábeis consolidadas, foram utilizadas demonstrações
encerradas na mesma data-base e consistentes com as práticas contábeis descritas na nota
explicativa nº 3. Foram eliminados os investimentos na proporção da participação da
investidora nos patrimônios líquidos e nos resultados das controladas, os saldos ativos e
passivos, as receitas e despesas e os resultados não realizados, líquidos de imposto de renda
e contribuição social, decorrentes de operações entre as empresas. Nas empresas controladas
pela Sociedade foram destacadas as participações dos acionistas minoritários. As
demonstrações contábeis das controladas sediadas no exterior foram convertidas para reais
com base nas taxas correntes das moedas estrangeiras vigentes na data das respectivas
demonstrações contábeis.
As atividades das controladas diretas e indiretas são como segue:
· Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda.: suas atividades concentram-se,
preponderantemente, na industrialização e comercialização dos produtos da marca Natura
para a Natura Cosméticos S.A. - Brasil, Natura Cosméticos S.A. - Chile, Natura
Cosméticos S.A. - Peru, Natura Cosméticos S.A. - Argentina, Natura Cosméticos Ltda. -
Colômbia, Natura Europa SAS, Natura Cosmeticos de Mexico, S.A. de C.V., e Natura
Cosméticos C.A - Venezuela.
background image
Natura Cosméticos S.A.
11
· Natura Cosméticos S.A. - Chile, Natura Cosméticos S.A. - Peru, Natura Cosméticos S.A.
- Argentina, Natura Cosméticos C.A. - Venezuela, Natura Cosméticos Ltda. - Colômbia,
Natura Cosmetics USA Co. (em 31 de dezembro de 2007 encontra-se em fase pré-
-operacional e Natura Distribuidora de Mexico, S.A. de C.V.: suas atividades são uma
extensão das atividades desenvolvidas pela controladora Natura Cosméticos S.A. -
Brasil.
· Nova Flora Participações Ltda.: suas atividades restringem-se à participação societária na
controlada Flora Medicinal J. Monteiro da Silva Ltda.
· Natura Inovação e Tecnologia de Produtos Ltda.: suas atividades concentram-se em
desenvolvimento de produtos e tecnologias e pesquisa de mercado. É controladora
integral da Natura Innovation et Technologie de Produits SAS, centro satélite de pesquisa
e tecnologia inaugurado durante o ano de 2007, em Paris, onde são desenvolvidas
pesquisas nas áreas de testes "in vitro", alternativos aos testes em animais, para estudo da
segurança e eficácia de ativos, tratamento de pele e novos materiais de embalagens.
· Natura Europa SAS: suas atividades concentram-se na compra, venda, importação,
exportação e distribuição de cosméticos, fragrâncias em geral e produtos de higiene e
saúde.
· Natura Cosmeticos de Mexico, S.A. de C.V.: suas atividades concentram-se na
importação e comercialização de cosméticos, fragrâncias em geral e produtos de higiene
e saúde para a Natura Distribuidora de Mexico, S.A de C.V.
· Natura Cosmeticos y Servicios de Mexico, S.A. de C.V.: suas atividades concentram-se
na prestação de serviços administrativos e logísticos às empresas Natura Cosmeticos de
Mexico, S.A. de C.V. e Natura Distribuidora de Mexico, S.A. de C.V.
· Natura Logística e Serviços Ltda.: suas atividades concentram-se na prestação de
serviços administrativos e logísticos para as empresas do Grupo Natura sediadas no
Brasil.
· Flora Medicinal J. Monteiro da Silva Ltda.: suas atividades referiam-se à comercialização
de produtos fitoterápicos e fitocosméticos de sua própria marca. Desde o ano 2005
encontra-se sem atividades.
· Ybios S.A.: suas atividades concentram-se na pesquisa, na gestão, no desenvolvimento
de projetos, produtos e serviços voltados para área de biotecnologia, podendo, inclusive,
firmar acordos e parcerias com universidades, fundações, empresas, cooperativas e
associações, entre outras entidades públicas e privadas, na prestação de serviços na área
de biotecnologia e na participação em outras sociedades.
background image
Natura Cosméticos S.A.
12
5. APLICAÇÕES FINANCEIRAS
2007 2006
Certificados de Depósitos Bancários - CDBs
348.004 203.351
Fundos de investimento
12.838 10.848
360.842 214.199
Não circulante (Nota 15.g)
4.848
4.336
Circulante 355.994 209.863
Em 31 de dezembro de 2007 e 2006 os CDBs estão sendo remunerados por taxas que
variam entre 100,0% e 102,0% do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. A
participação no total da carteira de investimentos, em 31 de dezembro de 2007, é de 96,4%
(94,9% em 31 de dezembro de 2006). A rentabilidade média ponderada para os últimos 12
meses das aplicações em fundos de investimento é de 94,8% do CDI em 31 de dezembro de
2007 (98,3% em 31 de dezembro de 2006).
6. CONTAS A RECEBER
2007 2006
Contas a receber de clientes
573.278
399.209
Provisão para créditos de liquidação duvidosa
(37.750) (25.041)
535.528
374.168
A movimentação, para o exercício findo em 31 de dezembro de 2007, da provisão para
créditos de liquidação duvidosa está assim representada:
2006 Adições
(*) Reversões Baixas (**) 2007
Saldo da provisão para créditos de
liquidação duvidosa
(25.041) (56.498) 2.116
41.673
(37.750)
(*) Provisão constituída conforme nota explicativa nº 3.c.
(**) Refere-se aos títulos vencidos há mais de 180 dias, baixados em virtude do não-recebimento.
7. ESTOQUES
2007 2006
Produtos acabados
198.890 156.543
Matérias-primas e materiais de embalagem
52.850 77.193
Material promocional
21.257 15.221
Produtos em elaboração
7.944 7.346
Provisão para perdas na realização dos estoques
(29.862) (19.212)
251.079 237.091
A movimentação, para o exercício findo em 31 de dezembro de 2007, da provisão para
perdas na realização dos estoques está assim representada:
background image
Natura Cosméticos S.A.
13
2006
Adições,
líquidas (*)
Baixas (**) 2007
Saldo da provisão para perdas nos estoques
(19.212) (31.279)
20.629 (29.862)
(*) Refere-se basicamente à constituição de provisão para perdas por descontinuidade, validade e
qualidade, conforme a real necessidade e política estabelecida pela Sociedade e suas
controladas.

(**) Refere-se às baixas dos produtos descartados pela Sociedade e suas controladas.
8. IMPOSTOS A RECUPERAR
2007 2006
ICMS a compensar sobre aquisição de ativos fixos
18.811 16.838
COFINS a compensar sobre aquisição de ativos fixos
16.193 10.858
ICMS a compensar sobre aquisição de insumos
14.584 13.382
IVA - Imposto sobre valor adicionado (Operações Internacionais)
11.740
8.089
PIS a compensar sobre aquisição de ativos fixos
3.516
2.357
Impostos sobre a renda (Operações Internacionais)
2.678
2.291
PIS/COFINS/CSLL - retidos na fonte
1.568
1.782
IRPJ a compensar
1.069
1.868
PIS e COFINS a compensar sobre aquisição de insumos
576
325
Contribuição social a compensar
520
725
IPI a compensar
9
895
INSS a compensar
-
170
Outros
388 88
71.652 59.668
Não circulante
22.284 20.981
Circulante 49.368 38.687
Os créditos de ICMS, PIS e COFINS sobre aquisição de ativos fixos são compensados à
razão de 1/48 avos mensais, conforme regras estabelecidas pela legislação vigente.
9. IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL
a) Diferido
Os valores de imposto de renda (IRPJ) e contribuição social (CSLL) diferidos,
registrados nas demonstrações contábeis, são provenientes de diferenças temporárias na
controladora e controladas. Esses créditos estão mantidos nos ativos circulante e não
circulante, considerando a expectativa de realização com base em projeções de geração
de lucros tributáveis. Os valores são demonstrados a seguir:
background image
Natura Cosméticos S.A.
14
2007 2006
Circulante:
Diferenças temporárias:
Provisão para créditos de liquidação duvidosa (Nota 6)
11.655 7.766
Provisão para perdas nos estoques (Nota 7)
9.382 6.108
Não inclusão do ICMS da Base de Cálculo do PIS e da Cofins
(Nota 14)
4.780
-
Provisões para riscos tributários, cíveis e trabalhistas (Nota 15)
4.563
-
Efeito dos resultados não eliminados nos estoques da Sociedade e
das controladas
3.087 5.370
Provisão para perdas em contratos de "swap" e "forward" (Notas
21.b e 21.d.)
2.895
743
Provisão ICMS - ST (Paraná e Sta. Catarina) (Nota 14)
1.931
Provisões diversas
14.506 12.249
Imposto de renda e contribuição social diferidos
52.799 32.236
Não circulante:
Diferenças temporárias:
Provisões para riscos tributários, cíveis e trabalhistas (Nota 15)
32.858 34.635
Provisões diversas
1.460 1.174
Imposto de renda e contribuição social diferidos
34.318 35.809
Em atendimento à Deliberação CVM nº 273/98 e Instrução CVM nº 371/02, a
Administração, com base em suas projeções de resultado, estima que os créditos
tributários registrados serão integralmente realizados em até cinco exercícios. Os valores
registrados no ativo não circulante possuem prazos estimados de realização conforme
demonstrado a seguir:
2007 2006
2008
21.557 26.774
2009
8.768
6.168
2010
3.690
2.867
2011
303 -
34.318 35.809
background image
Natura Cosméticos S.A.
15
b) Corrente
Reconciliação do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido:
2007 2006
Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social
617.774 609.797
Imposto de renda e contribuição social à alíquota de 34%
(210.043) (207.331)
Reversão de provisão para preservação da distribuição de
dividendos futuros (Nota 12)
49.933
49.933
Benefício com pesquisa e inovação tecnológica - Lei
nº 11.196/05 (*)
13.348
15.370
Juros sobre o capital próprio (Notas 18.c e 18.d)
13.344
11.413
Incentivos fiscais (doações)
4.134
2.957
Diferenças permanentes
(2.783)
(2.843)
Prejuízos gerados nas controladas
(24.095) (23.091)
Outras diferenças temporárias
643 4.569
Imposto de renda e contribuição social - despesas líquidas
(155.519) (149.023)
Imposto de renda e contribuição social - parcelas correntes
(174.416) (161.987)
Imposto de renda e contribuição social - parcelas diferidas
18.897 12.964
Imposto de renda e contribuição social - despesas líquidas
(155.519) (149.023)
Taxa efetiva - %
25,2
24,4
(*) Refere-se ao benefício fiscal instituído pela Lei nº 11.196/05, que permite a dedução
diretamente na apuração do Lucro Real e da base de cálculo da Contribuição Social
do valor correspondente a 60% do total dos gastos com pesquisa e inovação
tecnológica, observadas as regras estabelecidas na referida Lei.
background image
Natura Cosméticos S.A.
16
10. IMOBILIZADO
Taxas
2007
2006
anuais
de
Custo
Depreciação
Valor
Custo
Depreciação
Valor
depreciação - % corrigido
acumulada
residual corrigido
acumulada
residual
Máquinas e equipamentos
10
221.679
74.967 146.712
181.046
56.563 124.483
Edifícios 4
144.685
36.018 108.667
144.684
30.309 114.375
Instalações 10
a
33
92.721
42.238
50.483
79.547
33.065
46.482
Terrenos -
33.662
-
33.662
33.662
-
33.662
Moldes 33
67.269
40.626
26.643
47.868
30.637
17.231
Veículos 20
a
33
35.560
13.315
22.245
30.196
11.124
19.072
Equipamentos de informática
20
46.700
24.975
21.725
38.763
19.516
19.247
Adiantamentos a fornecedores
-
21.263
-
21.263
26.764
-
26.764
Móveis e utensílios
10
23.187
8.115
15.072
18.876
6.313
12.563
Benfeitorias em propriedade
de terceiros
20 a 33
15.625
4.173
11.452
12.694
1.380
11.314
Imobilizado em andamento
-
9.824
-
9.824
16.297
-
16.297
Outros
10
6.066
2.851
3.215
6.463
2.407 4.056
718.241
247.278 470.963
636.860 191.314 445.546
11. INTANGÍVEL
Taxas
2007
2006
anuais
de
Custo
Amortização
Valor
Custo
Amortização
Valor
amortização - % corrigido
acumulada
residual corrigido
acumulada
residual
Software 20
73.183
25.231
47.952
32.735
13.561
19.174
Intangível em andamento
-
9.710
-
9.710
26.355
-
26.355
Fundo de comércio - Natura
Europa (a)
-
5.420
-
5.420
5.860
-
5.860
Marcas e Patentes
10 a 25
1.967
1.232
735
941
941
-
Ágio na aquisição de
investimento - Nova Flora (b)
10
-
-
-
8.015
8.015
-
90.280
26.463
63.817
73.906 22.517
51.389
(a) O fundo de comércio gerado na compra da Natura Europa SAS está fundamentado na existência de ponto comercial
onde esta se localiza, conforme laudo de avaliação emitido por peritos independentes com sustentação de se tratar de
um ativo intangível, comercializável, que não sofre perda de valor em virtude da passagem do tempo. A variação
ocorrida no saldo, entre 31 de dezembro de 2006 e 2007, deve-se exclusivamente aos efeitos da variação cambial do
período.
(b) O ágio gerado na aquisição da Flora Medicinal J. Monteiro da Silva Ltda., pela controlada Nova Flora Participações
Ltda., foi totalmente amortizado no exercício de 2005, em virtude da baixa expectativa de rentabilidade a partir do
ano de 2006. As obrigações relativas a essa controlada estão devidamente refletidas nas demonstrações contábeis
consolidadas.
background image
Natura Cosméticos S.A.
17
12. DIFERIDO
Em 5 de março de 2004 a Sociedade incorporou a empresa Natura Participações S.A. que
possuía ágio sobre o investimento na então controlada Natura Empreendimentos S.A., no
montante de R$1.028.041, e correspondente provisão para preservação da distribuição de
dividendos futuros no mesmo valor. Esse ágio foi gerado pela incorporação das ações da
Natura Empreendimentos S.A. na Natura Participações S.A. em 27 de dezembro de 2000. A
referida operação de incorporação das ações foi aprovada pela Assembléia Geral de
Acionistas realizada naquela data, e os valores estão fundamentados por laudo de avaliação
econômica emitido por peritos independentes.
Os valores estão demonstrados como segue
:
2007 2006
Ágio em investimentos
465.066 611.929
Provisão para preservação da distribuição de dividendos futuros
(465.066) (611.929)
- -
A provisão para preservação da distribuição de dividendos futuros, por ser integral, terá
como conseqüência a distribuição de benefícios fiscais da amortização do ágio a todos os
acionistas. O valor do ágio está sendo amortizado no prazo de sete anos.
background image
Natura Cosméticos S.A.
18
13. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS
Modalidade 2007 2006 Vencimento Encargos Garantias
BNDES - EXIM
(1)
110.175 53.070
Abril de 2008 e
Fevereiro de 2009
Juros de 2,62% a.a. + TJLP
(2)
para 80% da dívida e juros de 10,23% a.a. +
variação cambial (dólar) para 20% da dívida com vencimento em abril de 2008.
Juros de 2,57% a.a. + TJLP
(2)
para 80% da dívida e juros de 9,76% a.a. +
variação cambial (dólar) para 20% da dívida com vencimento em Fevereiro de
2009
.
Aval da Natura Cosméticos S.A.
Compror
137.677
Janeiro de 2008
Juros de 102,8% do CDI
(3)
Aval da Natura Cosméticos S.A.
Resolução 2770
(1)
88.484
- Janeiro de 2010
Variação cambial (YEN) + 2,11% a.a.
Aval da Indústria e Comércio de
Cosméticos Natura Ltda.
FINEP ( Financiadora de Estudos e Projetos)
51.915
39.370 Dezembro de 2008
e Março de 2013
TJLP
(2)
para 71,5% da dívida que tem vencimento para março de
2013, e juros de 3% a.a.. + TJLP
(2)
para 28,5% da dívida que tem vencimento para dezembro de 2008.
Aval, notas promissórias e
recebíveis da Natura Cosméticos
S.A.
Nota de Crédito Agroindustrial
(1)
48.787 -
Abril e Junho de 2009 Juros de 100,6% do CDI
(3)
+ IOF
(4)
e
TR
(5)
+ 8,66% a.a. + IOF
(4)
Aval da Natura Cosméticos S.A
BNDES
(1)
45.543
20.258 Abril de 2010 e
Julho de 2014
Juros de 4,5% a.a. + TJLP
(2)
+ UMBNDES
(6)
para vencimento em abril de 2010.
Para a dívida com vencimento em julho de 2014 : (i) TJLP
(2)
+ juros de 2,8%
a.a. para 85% da dívida; (ii) variação cambial (dólar) + juros de 8,54% a.a. para
9% da dívida; e (iii) TJLP
(2)
+ juros de 2,3% a.a. para 6% da dívida.
Hipoteca
(7)
Fiança bancária
Nota de Crédito à Exportação - NCE
41.190
36.635
Abril de 2008
Juros de 104,7% do CDI
(3)
Nota promissória e aval da Natura
Cosméticos S.A.
BNDES - FINAME
14.246
12.938 Janeiro de 2012
Juros de 4,5% a.a. + TJLP
(2)
Alienação fiduciária, aval da
Natura Cosméticos S.A. e notas
promissórias
Banco do Brasil -
FAT Fomentar (Fundo de
Amparo do Trabalhador)
6.682
2.568
Fevereiro de 2014
Juros de 4,4% a.a. + TJLP
(2)
Alienação fiduciária, aval da
Natura Cosméticos S.A. e notas
promissórias
BNDES - PROGEREN
-
37.140
Liquidado em Junho
de 2007
Juros de 3,5% a.a. + TJLP
(2)
Fiança bancária

ACE - Adiantamentos Cambiais Entregues
-
986
Liquidado em
Janeiro de 2007

Juros 5,4% a.a. + variação cambial

Lastro de exportações realizadas
Total 544.699
202.965
Circulante 284.707
75.888
Não circulante
259.992
127.077
background image
Natura Cosméticos S.A.
19
(1) Empréstimos e financiamentos para os quais foram contratados "swap" para CDI.
(2) TJLP - Taxa de juros de longo prazo
(3) CDI - Certificado de Depósito Interbancário
(4) IOF - Imposto sobre operações financeiras
(5) TR - Taxa de Referência
(6) UMBNDES - Unidade Monetária do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES.
(7) Os financiamentos em moeda nacional oriundos do BNDES estão garantidos pela unidade de Cajamar.
Os vencimentos dos não circulantes estão demonstrados como segue:
2007 2006
2008
-
55.534
2009
100.831
53.120
2010
109.583
7.409
2011
18.541
4.824
2012
17.543
4.743
2013
9.754
1.447
2014
3.740 -
259.992 127.077
14. OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS
2007 2006

ICMS próprio e substituição tributária
109.892 64.789
PIS/COFINS (Liminar)
(*)
14.060
-
Imposto de renda
10.478
8.916
IRRF 7.335
4.266
PIS/COFINS/CSLL (Lei nº 10.833/03)
4.784
3.011
Contribuição social
4.534
3.662
COFINS 4.458
3.740
IVA - Imposto sobre valor adicionado (operações internacionais)
2.786
1.970
Impostos sobre a renda (Operações Internacionais)
2.527
2.415
IPI 2.285
-
ISS 983
1.162
PIS 947
779
Outras
472 962
165.541 95.672

(-) Depósitos Judiciais
(**)
(47.030) -
Total de obrigações tributárias, líquidas dos depósitos judiciais
118.511 95.672


background image
Natura Cosméticos S.A.
20
(*) A Sociedade e sua controlada Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda.
discutem judicialmente a não inclusão do ICMS na base de cálculo das contribuições
para PIS e COFINS. Em junho de 2007, a Sociedade e sua controlada obtiveram
autorização judicial para efetuar o pagamento das contribuições de PIS e COFINS sem
a inclusão do ICMS nas suas bases de cálculo, a partir de abril de 2007. A provisão
existente em dezembro de 2007 refere-se aos valores não recolhidos provenientes da
não inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS entre abril e dezembro
de 2007.
(**) Referem-se ao ICMS substituição tributária de Santa Catarina e do Paraná, dos meses
de maio a dezembro de 2007 e fevereiro a dezembro de 2007, respectivamente, que
não são objeto de discussão judicial, mas que estão sendo depositados em juízo
enquanto não há um acordo entre as partes envolvidas com relação a parcela
controversa, conforme detalhado na nota explicativa nº 15, itens (a) e (b) do tópico de
"Contingências passivas". O mesmo montante está provisionado na rubrica "ICMS
próprio e substituição tributária", motivo pelo qual houve uma variação significativa
entre os saldos de dezembro de 2006 e 2007.
15. PROVISÕES PARA RISCOS TRIBUTÁRIOS, CÍVEIS E TRABALHISTAS
A Sociedade e suas controladas são partes em ações judiciais de natureza tributária,
trabalhista e cível e em processos administrativos de natureza tributária. A Administração
acredita, apoiada na opinião e nas estimativas de seus advogados e consultores legais, que as
provisões para riscos tributários, cíveis e trabalhistas são suficientes para cobrir perdas
prováveis. Estas provisões, líquidas dos depósitos judiciais, estão assim demonstradas:
2007 2006

Tributário 40.312 49.086
Cível 17.903
7.316
Trabalhista
6.226 5.808
64.441 62.210

Circulante 13.420
-
Não circulante
51.021 62.210
background image
Natura Cosméticos S.A.
21
Riscos tributários
Os riscos tributários provisionados são compostos pelos processos a seguir relacionados:
2006 Adições Reversões Baixas
Atualização
monetária 2007
IPI alíquota zero (a)
27.914
-
-
-
3.120
31.034
Multas moratórias sobre tributos federais
recolhidos em atraso (b)
6.625
-
-
-
582
7.207
Dedutibilidade da CSLL (Lei nº 9.316/96) (c)
6.338
-
-
-
332
6.670
Correção UFIR sobre tributos federais
(IRPJ/CSLL/ILL) (d)
5.056 - - - 71
5.127
Auto de infração IPI - honorários
advocatícios (e)
4.616
-
(9)
-
185
4.792
Crédito de IPI sobre aquisições de ativo
imobilizado e material de uso e consumo (f)
4.437 -
(279)
- 275
4.433
IPI - execução fiscal (g)
4.143
-
-
-
280
4.423
Ação anulatória de débito fiscal de INSS (h)
5.421
-
(1.903)
-
344
3.862
Auto de infração IRPJ e CSLL - honorários
advocatícios (i)
1.469 1.796
(425)
26 2.866
Auto de infração IRPJ-1990 (j)
2.683
-
-
-
179 2.862
Não inclusão do ICMS da Base de Cálculo do
PIS e da Cofins - honorários advocatícios (k)
-
2.234
-
-
57
2.291
PIS semestralidade - Decretos-lei nº 2.445/88 e
nº 2.449/88 (l)
15.930
-
(14.910)
-
816
1.836
Honorários advocatícios e outros
9.840
472
(1.395)
- 1.600
10.517
Risco tributário total provisionado
94.472
4.502
(18.496)
(425)
7.867
87.920
Depósitos judiciais tributários
(45.386)
-
1.905
- (4.127)
(47.608)
Risco tributário total provisionado, líquido dos
depósitos judiciais
49.086 4.502 (16.591)
(425) 3.740 40.312
(a) Refere-se a créditos de IPI sobre matérias-primas e materiais de embalagem adquiridos com alíquota zero e isenção.
A controlada Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda. impetrou mandado de segurança e obteve liminar
concedendo o direito ao crédito. Em 25 de setembro de 2006, a liminar foi cassada por sentença, que julgou o pedido
improcedente. A Sociedade interpôs recurso de apelação para reapreciação do mérito e restabelecimento dos efeitos
da liminar. Para suspender a exigibilidade do crédito tributário a Sociedade realiza depósitos judiciais desde outubro
de 2006. O total depositado judicialmente, atualizado até 31 de dezembro de 2007 é de R$31.034 (R$27.914 em 31 de
dezembro de 2006).
(b) Refere-se à incidência de multa moratória no recolhimento em atraso de tributos federais.
(c) Refere-se à contribuição social sobre o lucro líquido discutida em mandado de segurança que questiona a
constitucionalidade da Lei nº 9.316/96, que proibiu a dedutibilidade da CSLL da sua própria base de cálculo e da base
de cálculo do IRPJ. Parte da provisão, no montante atualizado de R$4.601 (R$4.245 em 31 de dezembro de 2006),
encontra-se depositada judicialmente.
(d) Refere-se à incidência da correção monetária pela UFIR dos tributos federais (IRPJ/CSLL/ILL) do ano de 1991,
discutida em mandado de segurança. O valor envolvido neste processo encontra-se depositado judicialmente.
(e) Refere-se aos honorários advocatícios para defesa dos autos de infração lavrados contra a controlada Indústria e
Comércio de Cosméticos Natura Ltda., em novembro de 2005, pela Secretaria da Receita Federal, em que se discute a
base de cálculo do IPI nas operações realizadas com empresas interdependentes. Em junho de 2006, a controlada foi
notificada das decisões de 1º instância proferidas pela 2ª Turma de Julgamento da Delegacia da Receita Federal em
Ribeirão Preto, que cancelou, por unanimidade, as exigências fiscais relativas ao IPI nessas operações. Em 15 de
agosto de 2007, o recurso de ofício proposto pela Fazenda foi negado, por unanimidade de votos, mantendo a decisão
de 1º instância que cancelou a exigência fiscal. Aguarda-se a formalização e publicação do acórdão. Em 18 de
dezembro de 2007, a controlada Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda., foi intimada do acórdão que negou
provimento ao recurso de ofício referente a um dos autos de infração que, a partir de então, foi encerrado.
(f) A controlada Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda. discute, por meio de mandados de segurança, o direito
ao crédito de IPI nas aquisições de bens para o ativo imobilizado e de materiais de consumo.
background image
Natura Cosméticos S.A.
22
(g) Refere-se à execução fiscal através da qual se pretende cobrar o IPI referente ao mês de julho de 1989, quando da
equiparação dos estabelecimentos comerciais atacadistas a estabelecimento industrial pela Lei nº 7.798/89. O processo
encontra-se no Tribunal Regional Federal da 3
a
Região (SP), para julgamento do recurso de apelação da executada. Os
valores envolvidos nessa execução fiscal encontram-se garantidos através de bloqueio de aplicação financeira da
controlada Natura Inovação e Tecnologia de Produtos Ltda., no montante atualizado de R$4.848 (R$4.336 em 31 de
dezembro de 2006).
(h) Refere-se à contribuição previdenciária exigida em autos de infração lavrados pelo INSS, em processo de fiscalização,
que exigiu da Sociedade, na qualidade de contribuinte solidária, valores de contribuição devidos na contratação de
serviços prestados por terceiros. Os valores são discutidos na ação anulatória de débito fiscal e encontram-se
depositados judicialmente. Os valores exigidos no auto de infração compreendem o período de janeiro de 1990 a
outubro de 1999. A reversão ocorrida no exercício, refere-se a decadência de parte do montante envolvido no
processo referente ao período de janeiro de 1990 a outubro de 1994, conforme recente orientação do Supremo
Tribunal Federal (STF) e Superior Tribunal de Justiça (STJ).
(i) Refere-se aos honorários advocatícios para defesa dos autos de infração lavrados contra a Sociedade, em agosto de
2003, dezembro de 2006 e dezembro de 2007, pela Secretaria da Receita Federal, em que se exigem créditos
tributários de IRPJ e CSLL relativamente à dedutibilidade da remuneração das debêntures emitidas pela Sociedade
nos períodos-base de 1999, 2001 e 2002. A opinião dos advogados é de que a probabilidade de perda é remota
(j) Refere-se à auto de infração lavrado pela Secretaria da Receita Federal exigindo o pagamento de imposto de renda
sobre o lucro decorrente de exportações incentivadas, ocorridas no ano-base 1989, à alíquota de 18% (Lei nº 7.988, de
29 de dezembro de 1989) e não 3% conforme era determinado pelo artigo 1º do Decreto-lei nº 2.413/88, no qual a
Sociedade se fundamentou para efetuar os recolhimentos na época.
(k) Refere-se aos honorários advocatícios para propositura e acompanhamento do processo administrativo de pedido de
restituição da parcela do ICMS incluída na base de cálculo do PIS e da Cofins, no período de abril de 2002 a março de
2007. A opinião dos advogados é de que a probabilidade de perda é remota.
(l) Refere-se à compensação do PIS pago na forma dos Decretos-lei nº 2.445/88 e nº 2.449/88, no período de 1988 a
1995, com impostos e contribuições federais devidos em 2003 e 2004. A reversão ocorrida no exercício, deve-se à
decisão favorável e definitiva à Sociedade, proferida em agosto de 2007. A provisão remanescente pertence à
controlada Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda. que aguarda apreciação do processo pelo Conselho de
Contribuintes.
Riscos cíveis
A movimentação, no exercício findo em 31 de dezembro de 2007, da provisão para riscos
cíveis está assim representada:
2006 Adições Reversões Pagamentos
Atualização
monetária 2007
Diversas ações cíveis (a)
3.157
3.993
(1.961)
(376)
643
5.456
Ações cíveis e honorários advocatícios - Flora
Medicinal (b)
7.004
8.109
-
-
536 15.649
Risco cível total provisionado
10.161
12.102
(1.961)
(376)
1.179
21.105
Depósitos judiciais cíveis
(2.845)
(52)
88
-
(393) (3.202)
Risco cível total provisionado, líquido dos
depósitos judiciais
7.316
12.050 (1.873) (376)
786
17.903
Circulante
13.420
Não circulante
4.483
(a) A Sociedade e suas controladas, em 31 de dezembro de 2007, são partes em 1.587 ações e procedimentos cíveis
(1.164 em 31 de dezembro de 2006), no âmbito da justiça cível, do juizado especial cível e do PROCON, movidas por
Consultoras, consumidores, fornecedores e ex-colaboradores, sendo a maioria referente a pedidos de indenização.
background image
Natura Cosméticos S.A.
23
(b) Sociedade é parte em ações cíveis movidas por ex-cotista da controlada indireta Flora Medicinal, que têm por objeto a
apuração de eventuais haveres e a satisfação de créditos alegadamente devidos por conta da retirada do ex-cotista. Em
novembro de 2007, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro julgou os recursos de apelação interpostos contra a
sentença proferida em primeira instância, fixando o valor dos haveres. O acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do
Rio de Janeiro foi objeto de embargos de declaração, negados em janeiro de 2008, ocasião em que a Sociedade
interpôs recurso especial. A adição ocorrida no exercício deve-se a revisão da provisão da ação principal e dos
honorários advocatícios em função do andamento do processo. Do montante total, R$13.420 mil foram reclassificados
para o passivo circulante em função da expectativa de liquidação durante o exercício de 2008.
Vale destacar, a título de informação, que a Sociedade é parte em outras 3 ações cíveis movidas pelo ex-cotista da
Flora Medicinal cujas naturezas e probabilidade de êxito estão descritas a seguir:
· Ação de arbitramento de remuneração de capital: ação na qual o ex-cotista alega ter direito a créditos
provenientes de sua exclusão da Sociedade. Em janeiro de 2008, o ex-cotista interpôs perante o Superior Tribunal
de Justiça recurso especial contra o acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que, mantendo
decisão de primeira instância, negou procedência ao pedido do ex-sócio. Os valores envolvidos ainda não
puderam ser mensurados com segurança. A opinião dos advogados é de que a probabilidade de perda é remota.
· Ação de cobrança de "business plan": ação na qual o ex-cotista alega ter direito a créditos provenientes de sua
exclusão da Sociedade. Aguarda-se desde de dezembro de 2007 o início dos trabalhos do perito judicial. A ação
tramita na Comarca de São Paulo. Os valores envolvidos ainda não puderam ser mensurados com segurança. A
opinião dos advogados é de que a probabilidade de perda é remota.
· Ação de consignação em pagamento: refere-se a créditos de ICMS depositados pelo ex-cotista por conta de
parcelamento contraído pela Flora Medicinal. Aguarda-se desde setembro de 2007 o julgamento pelo Superior
Tribunal de Justiça do agravo de instrumento interposto pelo ex-cotista contra a decisão que negou seguimento ao
recurso especial por ele apresentado. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, reformando a decisão de primeira
instância, rejeitou o pedido do ex-cotista. A opinião dos advogados é de que a probabilidade de perda é possível.
Riscos trabalhistas
A Sociedade e suas controladas, em 31 de dezembro de 2007, são partes em 588
reclamações trabalhistas movidas por ex-colaboradores e terceiros (414 em 31 de dezembro
de 2006), cujos pedidos se constituem em pagamentos de verbas rescisórias, adicionais
salariais, horas extras e verbas devidas em razão da responsabilidade subsidiária. As
provisões são revisadas periodicamente com base na evolução dos processos e no histórico
de perdas das reclamações trabalhistas para refletir a melhor estimativa corrente.
A movimentação, no exercício findo em 31 de dezembro de 2007, da provisão para riscos
trabalhistas está assim representada:
2006 Adições Reversões
Pagamentos
Atualização
monetária 2007
Risco trabalhista total provisionado
6.339
563
(1.077)
(64)
1.562
7.323
Depósitos judiciais trabalhistas
(531)
(566)
-
-
-
(1.097)
Risco trabalhista total provisionado,
líquido dos depósitos judiciais
5.808
(3)
(1.077)
(64) 1.562
6.226
background image
Natura Cosméticos S.A.
24
Depósitos judiciais
Os depósitos judiciais, que representam ativos restritos da Sociedade e de suas controladas,
são relacionados a quantias depositadas e mantidas em juízo até a solução dos litígios a que
estão relacionadas. O saldo dos depósitos judiciais para os quais não há provisão para risco
constituída, em 31 de dezembro de 2007, totaliza R$38.603 - consolidado (R$13.367 em 31
de dezembro de 2006), e está classificado na rubrica "Depósitos judiciais" no ativo não
circulante. O aumento ocorrido no saldo de depósitos judiciais entre 31 de dezembro de
2006 e 31 de dezembro de 2007 decorre, principalmente, da contingência relacionada ao
ICMS substituição tributária dos Estados do Paraná e Santa Catarina, conforme mencionado
nos itens (a) e (b) do tópico seguinte.
Contingências passivas
A Sociedade e suas controladas possuem ações de natureza tributária, cível e trabalhista, que
não estão provisionadas, pois envolvem risco de perda classificado pela Administração e
seus advogados e consultores legais como possível. As contingências passivas estão assim
representadas:
2007 2006

Tributárias:
Ação Declaratória - ICMS Substituição Tributária Paraná (a)
10.715
-
Ação Declaratória - ICMS Substituição Tributária Santa Catarina (b)
9.965
-
Compensação 1/3 da COFINS - Lei nº 9.718/98 (c)
4.466
4.223
Ação anulatória de débito fiscal de INSS (d)
3.976
5.209
Auto de infração - preço de transferência, em contratos de mútuo com
empresa ligada do exterior (e)
1.047 1.342
Notificação fiscal de lançamento de débito - GFIP (f)
718
673
Auto de infração de ICMS Substituição Tributária (g)
593
608
Pedido de compensação de tributos de mesma espécie - IRPJ e IRRF (h)
450
406
Outras
4.797 1.500
36.727 13.961

Cíveis 18.283 15.235
Trabalhistas
46.115 20.551
101.125 49.747
(a) Ação movida pela Sociedade com o objetivo de discutir as alterações na base de cálculo
do ICMS-ST promovido pelo Decreto Paranaense nº 7.018/2006. O valor discutido na
ação está sendo integralmente depositado em juízo.
(b) Ação movida pela Sociedade com o objetivo de discutir as alterações na base de cálculo
do ICMS-ST promovido pelo Ato DIAT (Ato administrativo da Diretoria de
Administração Fazendária do Estado de Santa Catarina) nº107/2006. O valor discutido
na ação está sendo integralmente depositado em juízo.
background image
Natura Cosméticos S.A.
25
(c) A Lei nº 9.718/98 aumentou a alíquota da COFINS de 2% para 3% e permitiu que esse
diferencial de 1% fosse compensado, durante 1999, com a contribuição social a recolher
do mesmo ano. A Sociedade e suas controladas, entretanto, impetraram, em 1999,
mandado de segurança e obtiveram liminar suspendendo a exigibilidade do crédito
tributário (diferença de 1% da alíquota) e autorizando o recolhimento da COFINS com
base na Lei Complementar nº 70/91, vigente até então. Em dezembro de 2000, tendo em
vista precedentes desfavoráveis do Poder Judiciário, a Sociedade e suas controladas
aderiram ao Programa REFIS, parcelando a dívida referente à COFINS não recolhida no
período. Com o recolhimento do tributo, a Sociedade e suas controladas passaram a ter
direito à compensação de 1% da COFINS com a contribuição social, que foi feita no
primeiro semestre de 2001. A Secretaria da Receita Federal, no entanto, entende que o
prazo para a compensação estava restrito ao ano-base 1999. Em 11 de setembro de 2006,
a Sociedade foi notificada do indeferimento das compensações realizadas e
tempestivamente entrou com o recurso cabível. O processo aguarda apreciação pela
Delegacia da Receita de Julgamento.
(d) Ação movida pela Sociedade que pretende declarar a inexigibilidade do crédito fiscal
cobrado pelo INSS, através de auto de infração lavrado com o objetivo de exigir a
contribuição previdenciária sobre a ajuda de custo para a manutenção de veículos, paga
às promotoras de venda. Os valores são discutidos na ação anulatória de débito fiscal e
encontram-se depositados judicialmente. Os valores exigidos no auto de infração
compreendem o período de janeiro de 1990 a outubro de 1999. A reversão ocorrida no
exercício, refere-se a decadência de parte do montante envolvido no processo referente
ao período de janeiro de 1990 a outubro de 1994, conforme recente orientação do
Supremo Tribunal Federal (STF) e Superior Tribunal de Justiça (STJ).
(e) Refere-se a auto de infração lavrado contra a Sociedade no qual a Secretaria da Receita
Federal exige IRPJ e CSLL sobre diferença de juros em contratos de mútuo com pessoa
jurídica vinculada no exterior. Em 12 de julho de 2004, foi apresentada a defesa
administrativa que ainda está pendente de julgamento.
(f) Exigência de multa pela falta de preenchimento na GFIP (Guia de Recolhimento do
FGTS e Informações a Previdência Social), obrigação acessória previdenciária, de
contribuições previdenciárias de autônomos e de verbas de caráter indenizatório. A
Sociedade discute a cobrança na esfera administrativa.
(g) Auto de Infração de cobrança de ICMS Substituição Tributária, exigido pelo Estado de
Goiás, em razão de suposto recolhimento a menor pela Sociedade. A Sociedade
apresentou defesa na esfera administrativa e aguarda seu julgamento definitivo.
(h) Refere-se a não-homologação de compensação de débitos de Imposto de Renda Retido
na Fonte - IRRF do 2º trimestre de 2000 com créditos de IRPJ relativos ao 4º trimestre
de 1999. A Sociedade apresentou defesa na esfera administrativa, que foi julgada
parcialmente favorável. Em 12 de julho de 2006, foi distribuída em juízo ação
anulatória, com realização de depósito judicial, a fim de discutir a cobrança relativa ao
saldo da compensação não homologado pela Receita Federal.
background image
Natura Cosméticos S.A.
26
Ativo Contingente
A Sociedade e suas controladas possuem os seguintes processos ativos relevantes:
(a) A Sociedade e sua controlada Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda.
questionam judicialmente a inconstitucionalidade e ilegalidade da majoração da base de
cálculo das contribuições ao PIS e à COFINS instituídas pela Lei nº 9.718/98. Os
valores envolvidos nas ações judiciais, atualizados até 31 de dezembro de 2007, são de
R$18.111 (R$12.171 em 31 de dezembro de 2006). Os processos aguardam julgamento.
A opinião dos advogados é de que a probabilidade de êxito é provável.
(b) A Sociedade e suas controladas Indústria e Comércio de Cosméticos Natura Ltda.,
Natura Inovação e Tecnologia de Produtos Ltda. e Natura Logística e Serviços Ltda.,
pleiteam administrativamente a restituição da parcela do ICMS incluída na base de
cálculo do PIS e da COFINS, e recolhida no período de abril de 2002 a março de 2007.
Os valores envolvidos nos pedidos de restituição, atualizados até 31 de dezembro de
2007, montam em R$103.025. A opinião dos advogados é de que a probabilidade de
êxito é provável.
Como os processos acima mencionados não transitaram em julgado, a Sociedade e suas
controladas não contabilizaram o crédito referente ao ativo contingente, conforme
estabelecido pela Deliberação CVM nº 489/05.
16. PARTICIPAÇÃO DOS COLABORADORES E ADMINISTRADORES NO LUCRO
A Sociedade e suas controladas concedem participação nos lucros a seus colaboradores e
administradores, vinculada ao alcance de metas operacionais e objetivos específicos,
estabelecidos e aprovados no início de cada exercício. Em 31 de dezembro de 2007, foram
registrados, a título de participação nos lucros, os montantes de R$12.556 (R$13.850 em 31
de dezembro de 2006) e R$35.827 (R$39.260 em 31 de dezembro de 2006), na controladora
e no consolidado, respectivamente, na rubrica "Salários, participações e encargos sociais",
no passivo circulante, em contrapartida a "Participação dos colaboradores no lucro" e
"Remuneração dos administradores", nas demonstrações do resultado dos exercícios.
17. REMUNERAÇÃO DE ADMINISTRADORES E EXECUTIVOS
a) A remuneração total dos administradores da Sociedade e de suas controladas está assim
composta:
2007
Opções de Outorga
Remuneração Saldo das opções Preço médio
Variável
(quantidade)
de
exercício
Fixa (*) Total (**)
(***)
Conselho de Administração
2.498
(1.049) 1.449
-
-
Diretores estatutários
3.598
1.367 4.965
532.654 21,57
Total 6.096
318 6.414
532.654
background image
Natura Cosméticos S.A.
27
2006
Opções de Outorga
Remuneração Saldo das opções Preço médio
Variável
(quantidade)
de
exercício
Fixa (*) Total (**)
(***)
Conselho de Administração
2.572
1.049 3.621
-
-
Diretores estatutários
3.070
1.878 4.948
528.326 12,81
Total 5.642
2.927 8.569
528.326
b) A remuneração dos diretores não estatutários da Sociedade e de suas controladas está
assim composta:
2007
Opções de Outorga
Remuneração Saldo das opções Preço médio
Variável
(quantidade)
de
exercício
Fixa
(*) Total
(**)
(***)
Diretores não estatuários
14.873
4.034 18.907
2.702.650 16,78
2006
Opções de Outorga
Remuneração Saldo das opções Preço médio
Variável
(quantidade)
de
exercício
Fixa
(*) Total
(**)
(***)
Diretores não estatuários
12.711
4.594 17.305
3.120.859 10,02
(*) Refere-se à participação no lucro registrada na demonstração do resultado dos
exercícios. Os valores contemplam eventuais complementos e/ou reversões à
provisão efetuada no ano anterior, em função da apuração final das metas
estabelecidas aos Conselheiros e Diretores, estatutários e não estatutários.
(**) Refere-se ao saldo das opções maduras e não maduras, não exercidas, na data do
balanço.
(***) Refere-se ao preço médio ponderado de exercício da opção à época dos Planos de
Outorga, atualizado pela variação da inflação apurada pelo Índice de Preços ao
Consumidor - Amplo - IPC-A, até a data do balanço. A nota explicativa nº 20
apresenta o lucro líquido "pro forma" em 31 de dezembro de 2007 e de 2006, caso
a Administração da Sociedade optasse em reconhecer contabilmente os efeitos dos
planos, levando em consideração o prazo de maturidade e utilizando o método de
valor intrínseco (diferença entre o preço de mercado obtido em 31 de dezembro de
2007 e de 2006 e o valor da opção corrigido pelo IPC-A, nessas datas).
background image
Natura Cosméticos S.A.
28
18. PATRIMÔNIO LÍQUIDO
a) Capital social
Em 31 de dezembro de 2006, o capital social da Sociedade era de R$233.862. Em março
de 2007, foram subscritas 22.667 ações ordinárias sem valor nominal, ao preço de
R$3,17. O montante total subscrito foi de R$72 e o capital autorizado era de 13.116.665
ações ordinárias.
Em abril de 2007, houve a capitalização de parte das reservas de lucros, no montante de
R$153.939, conforme detalhes descritos no item (h) desta nota explicativa.
Nos meses de maio e junho de 2007, foram subscritas 700.839 ações ordinárias, em
função do exercício de opções referentes aos Planos de Outorga de Opções de Ações dos
anos de 2003 e 2004, com preços médios de integralização de R$3,19 e R$7,86,
respectivamente. O montante total subscrito foi de R$2.706.
Nos meses de agosto e setembro de 2007, foram subscritas 12.085 ações ordinárias, em
função do exercício de opções referentes ao Plano de Outorga de Opções de Ações do
ano de 2003, com preço médio de integralização de R$3,22. O montante total subscrito
foi de R$39.
Em função dos eventos societários mencionados anteriormente, a quantidade de ações
ordinárias subscritas e integralizadas passou de 428.193.460, em 31 de dezembro de
2006 para 428.929.051, em 31 de dezembro de 2007.
Em 31 de dezembro de 2007, o capital social da Sociedade é de R$390.618 e o capital
autorizado é de 12.381.074 ações ordinárias.
b) Amortização de valores a receber de acionistas
Refere-se à amortização dos financiamentos concedidos a dois diretores da Sociedade,
em 29 de setembro de 2000, 30 de abril de 2002, 30 de dezembro de 2002 e 5 de janeiro
de 2004, por meio de contrato de compra e venda de ações, à taxa de 3% ao ano, com
vencimentos previstos para 30 de abril de 2009 e 30 de setembro de 2010, para que estes
pudessem adquirir ações ordinárias de emissão da Natura Empreendimentos S.A. e da
Natura Participações S.A. Na reorganização societária ocorrida em março de 2004, essas
ações foram trocadas por ações ordinárias de emissão da Natura Cosméticos S.A. A
amortização dos financiamentos é feita com a totalidade dos dividendos e juros sobre o
capital próprio, distribuídos pela Sociedade, a esses diretores, com base nas ações por
eles adquiridas e que se encontram oneradas. Os financiamentos foram integralmente
liquidados durante o exercício de 2007.
background image
Natura Cosméticos S.A.
29
c) Juros sobre o capital próprio
A Administração da Sociedade, em reunião do Conselho de Administração em 25 de
julho de 2007, propôs o pagamento de juros sobre o capital próprio, nos termos do
Estatuto Social, da Deliberação CVM nº 207/96 e da Lei nº 9.249/95. Em 31 de
dezembro de 2007, o valor bruto, registrado, de juros sobre o capital próprio é de
R$39.247 (R$33.569 em 31 de dezembro de 2006) e foi calculado observando-se os
limites legais, inclusive quanto ao dividendo mínimo obrigatório de 30% nos termos do
artigo 202 da Lei nº 6.404/76 e do Estatuto Social.
O imposto de renda na fonte no montante de R$ 5.887 (R$5.035 em 31 de dezembro de
2006) foi retido e recolhido pela Sociedade.
d) Política de distribuição de dividendos
Os acionistas terão direito a receber, em cada exercício social, dividendo mínimo
obrigatório de 30% sobre o lucro líquido, considerando, principalmente os seguintes
ajustes:
·
Acréscimo das importâncias resultantes da reversão, no exercício, de reservas para
contingências, anteriormente formadas.
·
Decréscimo das importâncias destinadas, no exercício, à constituição da reserva legal
e de reservas para contingências.
O Estatuto Social faculta à Sociedade o direito de levantar balanços semestrais e
intermediários e, com base neles, autoriza a distribuição de dividendos mediante
aprovação pelo Conselho de Administração.
Os dividendos e juros sobre o capital próprio - bruto, referentes aos resultados auferidos
no exercício de 2006, nos montantes de R$325.866 (R$0,7630 por ação) e R$33.569
(R$0,0787 por ação), respectivamente, foram aprovados na Assembléia Geral Ordinária
de 02 de abril de 2007 e corresponderam a 78,0% do lucro líquido consolidado de 2006.
Em 27 de fevereiro de 2008, o Conselho de Administração aprovou proposta a ser
submetida à Assembléia Geral Ordinária, que será realizada em 31 de março de 2008,
para pagamento de dividendos e juros sobre o capital próprio - bruto, referentes aos
resultados auferidos no exercício de 2007, nos montantes totais de R$375.890
(R$0,8767 por ação) e R$39.247 (R$0,0915 por ação), respectivamente, que
correspondem a 89,8% do lucro líquido consolidado de 2007. Desses montantes, já
foram pagos, em 10 de agosto de 2007, dividendos e juros sobre o capital próprio -
bruto, nos montantes de R$138.138 (R$0,3222 por ação) e R$39.247 (R$0,0915 por
ação), respectivamente, conforme aprovado na reunião do Conselho de Administração
de 25 de julho de 2007.
background image
Natura Cosméticos S.A.
30
Os dividendos foram calculados conforme demonstrado a seguir:
Controladora
2007 2006
Lucro líquido do exercício
456.914 469.326
Reserva legal sobre o lucro (item g. desta nota explicativa)
- -
Base de cálculo para os dividendos mínimos
456.914 469.326
Dividendos mínimos obrigatórios
30%
30%
Dividendo anual mínimo
137.074 140.798
Dividendos propostos
375.890 325.866
Juros sobre o capital próprio - líquido de IRRF
33.360
28.534
IRRF
5.887 5.035
Total de dividendos e juros sobre o capital próprio - bruto
415.137 359.435
Valor excedente ao dividendo mínimo obrigatório
278.063 218.637
Dividendos por ação - R$
0,877
0,763
Juros sobre o capital próprio por ação - líquido - R$
0,078 0,067
Remuneração total por ação - líquida - R$
0,95 0,83
e) Ações em tesouraria
No primeiro trimestre de 2007, houve a aquisição de 1.000.000 de ações ordinárias, ao
preço médio de R$22,70, para atender ao exercício das opções outorgadas aos
administradores e colaboradores da Sociedade, assim como aos administradores e
colaboradores das Sociedades controladas direta ou indiretamente pela Sociedade,
participantes dos "Aditamentos aos Planos de Outorga de opção de compra ou
subscrição de ações ordinárias de emissão da companhia relativos aos anos-calendário
de 2003, 2004 e 2005" e do "Plano de Outorga de opção de compra ou subscrição de
ações ordinárias de emissão da companhia relativo ao ano-calendário de 2006",
conforme Assembléia Geral Extraordinária realizada em 02 de abril de 2007.
Em 31 de dezembro de 2007, as ações ordinárias em tesouraria, que têm sido utilizadas
nos exercícios de opções dentro dos Programas de Outorga de Opções de compra ou
subscrição de ações, totalizavam 161.303 (679.317 em 31 de dezembro de 2006), a um
custo médio unitário de R$13,6705 (R$0,3447 em 31 de dezembro de 2006).
f) Ágio na emissão de ações
Refere-se ao ágio gerado na emissão das 3.299 ações ordinárias decorrente da
capitalização das debêntures no montante de R$100.000, ocorrida em 2 de março de
2004.
g) Reserva legal
Em face de o saldo da reserva legal, somado às reservas de capital, ter ultrapassado 30%
do capital social, a Sociedade, em conformidade com o estabelecido no artigo 193 da Lei
das Sociedades por Ações, decidiu por não constituir a reserva legal sobre o lucro
líquido auferido nos exercícios de 2006 e de 2007.
background image
Natura Cosméticos S.A.
31
h) Reserva de retenção de lucros
Em 31 de dezembro de 2007 e 2006 a reserva de retenção de lucros foi constituída nos
termos do artigo 196 da Lei nº 6.404/76 com o objetivo de aplicação em futuros
investimentos, nos montantes de R$41.777 e R$109.891, respectivamente. A retenção
referente ao exercício de 2007 está fundamentada em orçamento de capital, que será
submetido à aprovação dos acionistas em Assembléia Geral Ordinária a ser realizada em
31 de março de 2008.
Conforme determina o artigo 199 da Lei nº 6.404/76, o saldo das reservas de lucros,
exceto para as reservas de contingências e de lucros a realizar, não poderá ultrapassar o
capital social. Desta forma, em Assembléia Geral Extraordinária realizada em 02 de
abril de 2007, foi deliberada a capitalização do montante de R$153.939, referente às
reservas de lucros constituídas nos exercícios sociais encerrados em 31 de dezembro de
2004 e de 2005, que foram integralmente utilizadas para investimentos no ativo
imobilizado e capital de giro, durante os exercícios de 2005 e 2006.
19. PROGRAMAS DE OUTORGA DE OPÇÕES DE AÇÕES
O Conselho de Administração reúne-se anualmente para, dentro das bases do Programa,
estabelecer o Plano, indicando os diretores e gerentes que receberão as opções e a
quantidade total a ser distribuída.
Os planos possuem prazo de quatro anos para exercício das opções, sendo 50% ao final do
terceiro ano e 50% ao final do quarto ano, sendo o prazo máximo para o exercício dois anos
após o término do quarto ano.
O saldo das opções em 31 de dezembro de 2007 é de 5.456.845 (6.701.732 em 31 de
dezembro de 2006) e está assim composto por plano:
Número de opções de
compra ou
subscrição (em ações)
Valor para exercício
corrigido pelo IPC-A
até 31 de dezembro de
2007 - R$
2002
238.940
5,85
2003
1.016.810
3,28
2004
1.117.810
8,06
2005
831.670
17,31
2006
981.660
25,79
2007
1.269.955
24,33
5.456.845
Em 31 de dezembro de 2007, caso a Administração da Sociedade optasse em reconhecer
contabilmente os efeitos dos planos, levando em consideração o prazo de maturidade e
utilizando o método de valor intrínseco (diferença entre o preço de mercado obtido em 31 de
dezembro de 2007 e o valor da opção corrigido pelo IPC-A), o lucro líquido "pro forma",
consolidado, para o exercício findo em 31 de dezembro de 2007 seria de R$500.001
(R$382.358 em 31 de dezembro de 2006), conforme demonstrado a seguir:
background image
Natura Cosméticos S.A.
32
2007 2006
Lucro líquido do exercício - societário
462.255 460.773
Efeitos dos programas levando em consideração o prazo de
maturidade
37.746 (78.415)
Lucro líquido do exercício - considerando o exercício das opções
500.001 382.358
Em 31 de dezembro de 2007, o preço de mercado unitário da ação era de R$17,00 (R$30,15
em 31 de dezembro de 2006).
20. PLANO DE PENSÃO
A partir de 1º de agosto de 2004 a Sociedade implantou um plano de previdência
complementar na modalidade de contribuição definida, para todos os colaboradores
admitidos pela Sociedade e suas controladas no Brasil. Nos termos do regulamento desse
plano, o custeio é paritário, de modo que a parcela da Sociedade equivale a 60% daquela
efetuada pelo colaborador de acordo com uma escala de contribuição embasada em faixas
salariais, que variam de 1% a 5% da remuneração do colaborador. O plano está sendo
administrado pela Brasilprev Seguros e Previdência S.A. e as contribuições realizadas pela
Sociedade e suas controladas totalizaram R$3.808 no exercício findo em 31 de dezembro de
2007 (R$3.397 em 31 de dezembro de 2006).
21. INSTRUMENTOS FINANCEIROS
a) Considerações gerais
A Sociedade e suas controladas participam de operações envolvendo instrumentos
financeiros, todos registrados em contas patrimoniais, que se destinam a atender às suas
necessidades, bem como a reduzir a exposição a riscos de mercado, de moeda e de taxa
de juros. A administração desses riscos, bem como dos respectivos instrumentos, é
realizada por meio de definição de estratégias, estabelecimento de sistemas de controle e
determinação de limites de exposição cambial.
As aplicações financeiras são substancialmente realizadas com base nas taxas de
remuneração efetivamente negociadas, visto que as Sociedades têm o objetivo de manter
tais investimentos até o momento do seu efetivo resgate. Tais aplicações refletem as
condições usuais de mercado nas datas dos balanços.
Os empréstimos e financiamentos são registrados com base nos juros contratuais de cada
operação.
b) Exposição cambial
A Sociedade tem contratado operações financeiras de "swap" e "forward" visando à
proteção da exposição de seus passivos à variação cambial e taxa referencial (TR)
decorrente de contratos de financiamentos e atividades operacionais (importação de
equipamentos, compra de insumos atrelados à variação cambial e investimentos em
operações internacionais). Essas operações consistem em "trocar" o passivo em moeda
estrangeira ou determinado indexador por um passivo corrigido por um percentual do
CDI, e estão assim compostas em 31 de dezembro de 2007 e 31 de dezembro de 2006:
background image
Natura Cosméticos S.A.
33
Modalidade da operação
Valor
contratado
Saldo do
passivo
circulante
2007 2006 2007 2006
Financeira (*)
133.452 13.759 8.210
1.938
Operacional
46.682 16.651 304
247
180.134 30.410 8.514
2.185
(*) Os efeitos destas operações estão diretamente correlacionados com as variações
monetárias e cambiais de empréstimos e financiamentos, conforme demonstrado na
nota explicativa nº 13.
A Sociedade e suas controladas não operam com instrumentos financeiros derivativos
com propósitos de especulação.
c) Exposição a taxa de juros
A Sociedade e suas controladas estão expostas a flutuações nas Taxas de Juros de Longo
Prazo - TJLP em virtude dos contratos de financiamentos firmados com o BNDES, FAT
Fomentar e a FINEP.
d) Valores de mercado
Os valores de mercado das disponibilidades, aplicações financeiras e contas a receber e a
pagar aproximam-se dos valores registrados nas demonstrações contábeis devido à
natureza de curto prazo destes. Os valores de mercado dos empréstimos e
financiamentos aproximam-se substancialmente dos valores registrados nas
demonstrações contábeis devido a esses instrumentos financeiros terem taxas de juros
variáveis.
Com relação às operações de "swap" e "forward", os valores contábeis e de mercado
estão assim demonstrados:
2007
2006
Valor
contábil
Valor de
mercado
Valor
contábil
Valor de
mercado
Operações de "swap" e "forward"
8.514
6.351 2.185 2.860
A Sociedade e suas controladas, no encerramento de cada balanço, consultam o mercado
financeiro e atualizam o valor de mercado dos instrumentos financeiros.
e) Risco de crédito
As vendas da Sociedade e suas controladas são efetuadas para um grande número de
Consultoras de Vendas. A Sociedade e suas controladas administram o risco por meio de
um rigoroso processo de concessão de crédito.
background image
Natura Cosméticos S.A.
34
22. RESULTADO FINANCEIRO
2007 2006
Receitas financeiras:
Juros com aplicações financeiras
27.330 33.722
Ganhos com variações monetárias e cambiais
22.180
5.835
Ganhos com operação de "swap" e "forward"
348
91
Juros recebidos
120
825
Outras receitas financeiras
1.061 2.918
51.039 43.391
Despesas financeiras:
Perdas com operações de "swap" e "forward"
(28.913)
(4.114)
Juros com financiamentos
(26.454) (18.677)
Perdas com variações monetárias e cambiais
(2.695)
(7.541)
Outras despesas financeiras
(2.318) (3.121)
(60.380) (33.453)
Total resultado financeiro, líquido
(9.341) 9.938
23. SEGUROS
A Sociedade e suas controladas adotam uma política de seguros que considera,
principalmente, a concentração de riscos e sua relevância, contratados por montantes
considerados suficientes pela Administração, levando-se em consideração a natureza de suas
atividades e a orientação de seus consultores de seguros. A cobertura dos seguros, em
valores de 31 de dezembro de 2007, é assim demonstrada:
Itens
Tipo de cobertura Importância
segurada
Complexo industrial/estoques
Quaisquer danos materiais a
edificações, instalações e
máquinas e equipamentos
739.379
Veículos
Incêndio, roubo e colisão para
1.444 veículos
45.718
Lucros cessantes
Não-realização de lucros
decorrentes de danos materiais
em instalações, edificações e
máquinas e equipamentos de
produção
815.705
background image
Natura Cosméticos S.A.
35
24. MUDANÇA DA LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA BRASILEIRA
Em 28 de dezembro de 2007, foi promulgada a Lei nº 11.638, que altera, revoga e introduz
novos dispositivos à Lei das Sociedades por Ações, notadamente em relação ao capítulo
XV, sobre matérias contábeis, que entra em vigor a partir do exercício que se inicia em 1º de
janeiro de 2008, podendo ser integralmente aplicada até o encerramento do exercício de
2008. Essa Lei teve, principalmente, o objetivo de atualizar a legislação societária brasileira
para possibilitar o processo de convergência das práticas contábeis adotadas no Brasil com
aquelas constantes nas normas internacionais de contabilidade (IFRS) e permitir que novas
normas e procedimentos contábeis sejam expedidos pela Comissão de Valores Mobiliários -
CVM em consonância com os padrões internacionais de contabilidade.
As modificações na legislação societária brasileira são aplicáveis para todas as companhias
constituídas na forma de sociedades anônimas, incluindo companhias abertas bem como
estendem às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de
demonstrações financeiras.
As modificações aplicáveis à Sociedade e suas controladas podem ser sumariadas como
segue:
a) Substituição da demonstração das origens e aplicações de recursos pela demonstração
dos fluxos de caixa. Prática já adotada pela Sociedade desde 31 de dezembro de 2004,
divulgada através de informação suplementar (Anexo).
b) Inclusão da demonstração do valor adicionado, aplicável para companhias de capital
aberto, que demonstra o valor adicionado pela Sociedade, bem como a composição da
origem e alocação de tais valores. Prática já adotada pela Sociedade desde 31 de
dezembro de 2004, divulgada através de informação suplementar.

c) Possibilidade de manter separadamente a escrituração das transações para atender à
legislação tributária e, na seqüência, os ajustes necessários para adaptação às práticas
contábeis.

d) Criação de novo subgrupo de contas, intangível, que inclui ágio, para fins de
apresentação no balanço patrimonial. Essa conta registrará os direitos que tenham por
objeto bens incorpóreos destinados à manutenção das operações da Sociedade ou
exercidos com essa finalidade, inclusive o fundo de comércio adquirido. Prática já
adotada pela Sociedade e suas controladas desde 31 de dezembro de 2006. Vide
divulgação para 31 de dezembro de 2007, na nota explicativa nº 10.

e) Obrigatoriedade do registro no ativo imobilizado dos direitos que tenham por objeto
bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da Sociedade, inclusive os
decorrentes de operações que transfiram à Sociedade os benefícios, os riscos e o
controle dos bens (exemplo: "leasing" financeiro). Prática já adotada pela Sociedade.
background image
Natura Cosméticos S.A.
36
f) Obrigatoriedade de avaliação periódica da capacidade de recuperação dos valores
registrados no ativo imobilizado, intangível e diferido, com o objetivo de assegurar que:
(i) a perda por não-recuperação desses ativos é registrada como resultado de decisões
para descontinuar as atividades relativas a referidos ativos ou quando há evidência de
que os resultados das operações não serão suficientes para assegurar a realização de
referidos ativos; e (ii) o critério utilizado para determinar a estimativa de vida útil
remanescente de tais ativos com o objetivo de registrar a depreciação, amortização e
exaustão é revisado e ajustado. A Sociedade e suas controladas aplicarão essas
mudanças no exercício de 2008.
g) Registro das aplicações em instrumentos financeiros, inclusive derivativos: (i) pelo seu
valor de mercado ou valor equivalente, quando se tratar de aplicações destinadas à
negociação ou disponíveis para venda; e (ii) pelo valor de custo de aquisição ou valor de
emissão, atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor
provável de realização, quando este for inferior. A Sociedade e suas controladas
aplicarão essas mudanças no exercício de 2008. Atualmente, para fins de divulgação a
Sociedade demonstra o valor de mercado, conforme pode ser observado na nota
explicativa nº 21.
h) Criação de um novo subgrupo de contas, ajustes de avaliação patrimonial, no
patrimônio líquido, para permitir o registro de determinadas avaliações de ativos a
preços de mercado, principalmente instrumentos financeiros; o registro de variação
cambial sobre investimentos societários no exterior avaliados pelo método de
equivalência patrimonial (até 31 de dezembro de 2007 essa variação cambial era
registrada no resultado do exercício); e os ajustes dos ativos e passivos a valor de
mercado, em razão de fusão e incorporação ocorrida entre partes não relacionadas que
estiverem vinculadas à efetiva transferência de controle. A Sociedade e suas controladas
avaliarão os impactos e os eventuais efeitos serão registrados no exercício de 2008.

i) Introdução do conceito de ajuste a valor presente para as operações ativas e passivas de
longo prazo e para as relevantes de curto prazo. A Sociedade e suas controladas
avaliarão os impactos e os eventuais efeitos serão registrados no exercício de 2008.

j) Revogação da possibilidade de registrar doações e subvenções para investimento
(incluindo incentivos fiscais) diretamente como reservas de capital em conta de
patrimônio líquido. Isso significa que as doações e as subvenções para investimento
passarão a ser registradas no resultado do exercício. Para evitar a distribuição como
dividendos, o montante das doações e subvenções poderá ser destinado, após transitar
pelo resultado, para reserva de incentivos fiscais. A Sociedade e suas controladas
avaliarão os impactos e os eventuais efeitos serão registrados no exercício de 2008.

k) Requerimento de que os ativos e passivos de Empresa a ser incorporada, decorrentes de
transações que envolvam incorporação, fusão ou cisão entre partes independentes e
vinculadas à efetiva transferência de controle, sejam contabilizados pelo seu valor de
mercado.
background image
Natura Cosméticos S.A.
37
l) Eliminação do parâmetro de relevância para ajuste do investimento em coligadas e
controladas pelo método de equivalência patrimonial e substituição do parâmetro de
20% do capital social da investida para 20% do capital votante da investida. Não
aplicável à Sociedade e suas controladas, já que todas as participações são superiores
aos percentuais estabelecidos pela nova legislação.
Em razão de essas alterações terem sido recentemente promulgadas e algumas ainda
dependerem de regulamentação por parte dos órgãos reguladores para serem aplicadas, a
Administração da Sociedade e suas controladas ainda não conseguiu avaliar todos os efeitos
que as referidas alterações podem resultar em suas demonstrações financeiras e nos
resultados dos exercícios seguintes.
25. EVENTO SUBSEQÜENTE
Em 27 de fevereiro de 2008, o Conselho de Administração aprovou proposta a ser
submetida à Assembléia Geral Extraordinária, que será realizada em 31 de março de 2008,
para incorporação, pela Sociedade, de sua controlada integral Nova Flora Participações
Ltda. ("Nova Flora"). A incorporação objetiva a racionalização da estrutura societária
existente, com a conseqüente redução de custos e simplificação de rotinas internas inerentes
à manutenção de pessoas jurídicas sem quaisquer atividades empresariais ou perspectivas de
retomada de atividades.
De acordo com a proposta, a incorporação do acervo patrimonial líquido da Nova Flora será
feita no dia 31 de março de 2008 com base em balanço patrimonial de 31 de dezembro de
2007, elaborado de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as disposições
contidas na Lei n.º 6.404/76 e as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários
("CVM").
Em atendimento às Instruções Normativas n
° 319 e 358 da CVM, expedidas,
respectivamente, em 3 de dezembro de 1999 e 3 de janeiro de 2002, a Sociedade divulgou,
no "site" da Comissão de Valores Mobiliários - CVM (nas Informações Periódicas
Eventuais - IPE), em 27 de fevereiro de 2008, fato relevante, com maiores detalhes,
referente ao evento descrito acima.
26. SUMÁRIO DAS DIFERENÇAS ENTRE AS PRÁTICAS CONTÁBEIS
ESTABELECIDAS PELA LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA BRASILEIRA E OS
PRINCÍPIOS CONTÁBEIS GERALMENTE ACEITOS NOS ESTADOS UNIDOS DA
AMÉRIDA (U.S. GAAP)
As práticas contábeis adotadas pela Sociedade estão em conformidade com as práticas
contábeis emanadas da Legislação Societária Brasileira ("Legislação Societária"). As
práticas contábeis que diferem do U.S. GAAP estão descritas abaixo:
a) Capitalização de juros
Pela Legislação Societária, juros e variação monetária e cambial de financiamentos
vinculados a obras em andamento são capitalizados no saldo de ativos e creditados à
conta de despesa com juros e variação monetária e cambial.
background image
Natura Cosméticos S.A.
38
Para U.S. GAAP, de acordo com a norma SFAS ("Statement of Financial Accounting
Standards") No. 34, "Capitalização de Juros", os juros sobre empréstimos são
capitalizados como parte do custo de certos ativos desde que tais empréstimos não
ultrapassem o valor das obras em andamento. O crédito reflete-se como uma redução das
despesas com juros. O montante de juros capitalizados exclui ganhos e perdas cambiais
sobre empréstimos em moeda estrangeira.
O ajuste para fins de U.S. GAAP está relacionado à amortização de capitalizações,
acumuladas, referentes a exercícios anteriores.
b) Correção monetária de 1996 e 1997
Conforme mencionado na nota explicativa n
° 2, a Sociedade deixou de registrar no seu
balanço os efeitos da inflação em 31 de dezembro de 2005. A partir de 1
° de janeiro de
1996, todos os valores referentes a ativos e passivos não monetários foram registrados
pelo custo histórico. Pelo U.S. GAAP, o Brasil ainda era considerado uma economia
super inflacionária até 1
° de julho de 1997 e, conseqüentemente, a Sociedade continuou
a registrar os efeitos da inflação, usando como indexador o Índice Geral de Preço (IGP-
M) até 1997.
O ajuste de U.S. GAAP representa a amortização da correção monetária do ativo
imobilizado, resultado da inflação registrada no balanço entre o período de 1996 e 1997.
c) Itens registrados diretamente no patrimônio líquido
A Legislação Societária requer que certos itens referentes a entidades outras que não os
acionistas da sociedade sejam contabilizados diretamente no Patrimônio Líquido. Para
U.S. GAAP, estes itens são contabilizados no resultado do exercício. Os ajustes para os
exercícios findos em 31 de dezembro de 2006 e 2005 estão demonstrados na nota
explicativa n
° 26.n) - "Reconciliação do lucro líquido".
d) Receita (despesa) com juros
Conforme a Legislação Societária, os juros devem ser incluídos como parte de receitas
operacionais. De acordo com o U.S. GAAP, a receita (despesa) com juros deve ser
registrada como resultado não operacional.
e) Programa de outorga de opções de ações
De acordo com as Práticas Contábeis Adotadas no Brasil, a Sociedade não registra em
suas demonstrações financeiras o impacto do programa de outorga de opções. Nos
termos dos Princípios Contábeis Geralmente Aceitos nos EUA (U.S. GAAP) e visto que
as opções são corrigidas monetariamente, a Sociedade registra seu programa de outorga
de opções provisionando um passivo pelo valor justo das opões emitidas no âmbito do
programa ao final de cada período, de acordo com a SFAS 123 (R) "Contabilização de
Remuneração em Ações". Esta Norma requer que o custo dos serviços de funcionários
prestados em contrapartida pela outorga de títulos patrimoniais seja avaliado com base
no seu valor justo na data em que são concedidos. Uma vez que as opções outorgadas
pela Sociedade são corrigidas com base no índice brasileiro de preços ao consumidor,
esse passivo é corrigido pelo seu valor justo ao final na data de cada balanço.
background image
Natura Cosméticos S.A.
39
Apresentamos a seguir um resumo das informações sobre o plano de opções de ações:
2007 2006
Saldo das opções
5.456.845 6.701.732
Média ponderada do prazo contratual restante das opções não
exercidas
3,203 3,171
Média ponderada do preço de exercício das opções (por ação,
em Reais)
15,457 9,892
Em 31 de dezembro de 2007, o preço de mercado unitário da ação era R$17,00 (R$30,15
em 31 de dezembro de 2006).
A tabela a seguir apresenta um resumo das informações sobre as ações outorgadas e
maduras em 31 de dezembro de 2007 e 2006:
31/12/2007
Saldo de opções outorgadas
Opções maduras
Preço
de
Total
de
Contratuais
restantes
Preço de
Total de
opções
Preço de
Data da
outorga
Exercício
(R$)
opções
(quantidade)
Prazo
(anos)
Exercício
(R$)
maduras
(quantidade)
Exercício
(R$)
10/04/2002 5,85
238.940
0,28
5,85
238.940
5,85
10/04/2003 3,28
1.016.810
1,28
3,28
1.016.810
3,28
10/03/2004 8,06
1.117.810
2,28
8,06
558.905
8,06
16/03/2005 17,31
831.670
3,21
17,31 -
17,31
29/03/2006
25,79
981.660
4,21
25,79
-
25,79
24/04/2007 24,33
1.269.955
5,32
24,33
-
24,33
5.456.845
1.814.655
31/12/2006
Saldo de opções outorgadas
Opções maduras
Preço
de
Total
de
Contratuais
restantes Preço
de
Total de
opções Preço
de
Data da
outorga
Exercício
(R$)
opções
(quantidade)
Prazo
(anos)
Exercício
(R$)
maduras
(quantidade)
Exercício
(R$)
10/04/2002 5,60
658.885
1,28
5,60
658.885
5,60
10/04/2003 3,14
2.381.422
2,28
3,14
1.190.711
3,14
10/03/2004 7,72
1.627.960
3,28
7,72 -
7,72
16/03/2005 16,57
941.485
4,21
16,57 -
16,57
29/03/2006 24,69
1.091.980
5,21
24,69
-
24,69
6.701.732
1.849.596
background image
Natura Cosméticos S.A.
40
Os valores de mercado das opções outorgadas pela Sociedade foram estimados na data
da oferta pública inicial de ações, nas outorgas subseqüentes e a cada encerramento de
exercício, utilizando-se o modelo binomial de precificação de opções com as seguintes
premissas médias ponderadas:
2007 2006
Volatilidade esperada (diária)
2,79%
1,45%
Taxa de juros sem risco (por ano)
13,00%
13,25%
Valor justo da média ponderada na data da concessão
R$7,75 R$21,42
Prazo estimado
5 - 6
5 - 6
Rendimento de dividendos
3,6%
3,5%
f) Ágio na aquisição de investimentos
Para a Legislação Societária foi amortizado, até 2004, de forma linear pelo período de
dez anos. Conforme descrito na nota explicativa n
° 11.b, as atividades da Nova Flora
estão sendo descontinuadas, portanto a Sociedade decidiu amortizar o saldo total do ágio
durante o ano de 2005.
g) Contabilização de Incertezas no Reconhecimento do Imposto sobre a Renda
A Sociedade adotou a Interpretação FIN 48, "Contabilização de Incertezas no
Reconhecimento de Impostos sobre a Renda", em 1º. de janeiro de 2007. Desde 1º. de
janeiro de 2007, a Sociedade registra os efeitos da situação do imposto de renda e da
contribuição social sobre as demonstrações financeiras quando é mais provável do que
improvável que uma situação tributária será sustentada quando examinada, com base em
méritos técnicos. Uma situação tributária que atenda o critério de reconhecimento do
"mais provável do que improvável" é medida e registrada pelo maior valor de benefício
cuja probabilidade de aproveitamento sob decisão definitiva for acima de 50%.
Situações tributárias previamente reconhecidas serão revertidas no primeiro período em
que não mais se aplicar o critério do "mais provável que improvável que a situação
tributária será sustentada". O benefício relacionado com situações tributárias
previamente não-reconhecidas geralmente será reconhecido no primeiro período em que
o critério de reconhecimento do "mais provável que improvável" se aplicar na data-base
da divulgação, a questão fiscal tiver recebido uma decisão final através de negociação ou
litígio ou quando o respectivo prazo prescricional para que as autoridades fiscais
competentes examinem e façam questionamentos tiver expirado. O reconhecimento, a
reversão e a mensuração da situação tributária se baseiam no melhor julgamento da
administração, considerando os fatos, as circunstâncias e as informações disponíveis na
data-base da divulgação.
background image
Natura Cosméticos S.A.
41
As diferenças entre uma situação tributária assumida ou que se espera assumir nas
declarações de imposto de renda e o valor do benefício reconhecimento e medido nas
demonstrações financeiras resultam em benefícios fiscais não reconhecidos, que são
registrados no balanço patrimonial como um passivo para benefícios fiscais não
reconhecidos ou reduções do ativo fiscal registrado, conforme aplicável. Juros e multas
relativos a benefícios fiscais não-reconhecidos são provisionados de acordo com a
legislação das respectivas jurisdições fiscais, reconhecidos como componentes da
despesa financeira.
A adoção da FIN 48 não teve nenhum impacto nas demonstrações de resultado e de
mutações no patrimônio líquido e não resultou em ajuste acumulativo nos lucros
acumulados mediante a adoção.
Em 31 de dezembro de 2007, não há valores registrados para incertezas no
reconhecimento de impostos sobre a renda.
A Sociedade ou suas subsidiárias entregam declarações de imposto de renda no Brasil
em outras jurisdições estaduais e federais estrangeiras. As declarações de imposto de
renda brasileiras permanecem à disposição da fiscalização durante cinco anos.
h) Instrumentos financeiros
Pela Legislação Societária, contratos de "swap" e "forward" de câmbio são registrados
pelo valor de liquidação na data do balanço. O prêmio provisionado naquela data é
registrado como despesa, em contrapartida da conta de passivo.
Em junho de 1998, a "Financial Accounting Standards Board" (FASB) ("Junta de
Normas de Contabilidade Financeira") emitiu a SFAS No. 133, "Accounting for
Derivative Instruments and Hedging Activities" ("Contabilização de Instrumentos
Derivativos e Atividades de Hedge"), alterada pela SFAS No. 138, "Accounting for
Certain Derivative Instruments and Certain Hedging Activities, na amendment of FASB
Statement No. 133" ("Contabilização de Alguns Instrumentos Derivativos e Algumas
Atividades de Hedge, uma emenda da SFAS No. 133") e SFAS No. 149, "Amendment
of Statement 133 Derivative Instruments and Hedging Activities" ("Emenda da SFAS
No. 133 sobre Instrumentos Derivativos e Atividades de Hedge"). A SFAS No. 133,
estabeleceu que todos os instrumentos financeiros de derivativos (incluindo aqueles
inclusos em outros contratos) devem ser registrados no balanço como um ativo ou um
passivo, pelo seu valor justo. As variações do valor justo são reconhecidas como lucro,
exceto se estabelecido algum critério específico de contabilização.
Para fins de U.S. GAAP, os derivativos da Sociedade não atendem os critérios para
contabilização de hedge de acordo com o SFAS No. 133 e, conseqüentemente, as
variações no valor justo são registradas como lucro. Portanto, um ajuste foi incluído na
reconciliação de U.S. GAAP da diferença entre os valores registrados conforme
Legislação Societária e o valor de mercado justo dos contratos de derivativos da
Sociedade.
background image
Natura Cosméticos S.A.
42
A posição dos contratos em 31 de dezembro de 2007 e 2006 está assim demonstrada:
Saldo
contábil
Valor
(passivo)
em
Número
nominal
31 de dezembro
Valor de
Tipo
Data do contrato Data
de
vencimento de
contratos agregado de
2007 mercado
USD x CDI
Outubro de 2006
e Setembro de
2007
15 de Janeiro de
2007 a 16 de
fevereiro de 2009
5
21.548 (2.779) (2.306)
NDF (EUR e
USD)
Novembro e
Dezembro de
2007
2 de Janeiro de 2008
e 1 de Fevereiro de
2008 6

46.682

(304)

(108)
TR x CDI
Julho de 2007
Junho e Julho de
2009 6
23.420
(40)
(231)
JPY x CDI
9 de Agosto de
2007
26 de Janeiro de
2010 1
88.484
(5.391)
(3.706)
Saldo
contábil
Valor
(passivo)
em
Número
nominal
31 de dezembro
Valor de
Tipo
Data do contrato Data
de
vencimento de
contratos agregado de
2006 mercado
USD x CDI
01 de julho de
2004
02 de Janeiro de
2007 a 15 de abril de
2008
29
30.410 (2.185) (2.860)
i) Lucro por Ação
De acordo com o U.S. GAAP, a Sociedade calcula o lucro por ação de acordo com a
SFAS nº 128, "Earnings Per Share". O lucro básico por ação é calculado dividindo-se o
lucro líquido disponível, pela média ponderada das ações em circulação da Sociedade.
O lucro diluído por ação é calculado de forma similar, salvo que inclui o efeito dilutivo
do plano de opções de ações da Sociedade.
Para o exercício findo em
31 de dezembro de
2007 2006
Cálculo do lucro líquido básico por ação:
Lucro líquido segundo o U.S. GAAP (vide nota explicativa 26.n)
472.346
392.233
Média ponderada das ações em circulação
416.717.550
415.765.245
Lucro líquido por ação básico (em R$)
1,1335
0,9434
Cálculo do lucro líquido diluído por ação:
Lucro líquido segundo o U.S. GAAP (vide nota explicativa 26.n)
472.346
392.233
Média ponderada das ações em circulação
416.717.550
415.765.245
Ações incrementais atribuíveis ao exercício assumido das
opções em circulação (método das ações em tesouraria)
1.351.520 4.946.022
Total 418.069.070
420.711.267
Lucro líquido por ação diluído (em R$)
1,1298
0,9323
j) Dividendos
De acordo com os estatutos da Sociedade, esta deverá distribuir um dividendo mínimo
obrigatório igual a 30% do lucro líquido anual ajustado da Sociedade de cada exercício
social. Para mais informações sobre os dividendos pagos aos acionistas da Sociedade,
vide Nota 18.d.
background image
Natura Cosméticos S.A.
43
De acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, o dividendo mínimo
obrigatório deve ser reconhecido no mesmo exercício em que o respectivo lucro é
auferido.
k) Tradução das demonstrações financeiras de subsidiárias no exterior
De acordo com a Legislação Societária, a Sociedade registra os efeitos de tradução das
demonstrações financeiras da suas subsidiárias no exterior para Reais (R$) no resultado
das operações do exercício.
Para fins U.S. GAAP, as moedas funcionais das subsidiárias no exterior da Sociedade
são as respectivas moedas locais. De acordo com a SFAS No. 52, "Foreign Currency
Translation" ("Tradução de Moeda Estrangeira"), os ajustes resultantes do processo de
tradução das demonstrações financeiras de uma entidade estrangeira da moeda
funcional para a moeda de relatório não são registrados no resultado das operações, mas
são acumulados em um componente separado do patrimônio consolidado (ajustes de
tradução de moeda estrangeira).
l) Lucro (Prejuízo) total
A Legislação Societária não reconhece o conceito de lucro (prejuízo) total.
De acordo com o U.S. GAAP, SFAS No. 130 "Reporting Comprehensive Income"
("Lucro (Prejuízo) total"), para os exercícios que se iniciaram depois de 15 de
dezembro de 1997, requer a divulgação do lucro (prejuízo) total.
O lucro (prejuízo) total é o lucro líquido (prejuízo) e "outras receitas e despesas" que
incluem débitos ou créditos diretamente para o patrimônio que não sejam resultados de
transações com acionistas. O lucro total da Sociedade para os exercícios apresentados
na nota explicativa n
° 26.n) se refere aos ajustes de tradução acumulados registrados de
acordo com a SFAS No. 52, "Foreign Currency Translation" ("Tradução de Moeda
Estrangeira").
m) Demonstração do fluxo de caixa
Segundo as práticas contábeis geralmente aceitas no Brasil, a Sociedade classificou os
montantes de R$21.790 e R$4.540 nos exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e
2006, respectivamente, relativos a mudanças nos contratos de derivativos, como
atividades de financiamento. De acordo com o U.S. GAAP, como esses contratos de
derivativos não se qualificam para contabilização de hedge, são classificados como
atividades de investimento. Além disso, a Sociedade classificou os fluxos de caixa
relativos a mudanças nos depósitos judiciais no valor de R$68.144 e R$29.369 nos
exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 como atividades operacionais.
De acordo com os U.S. GAAP, esses fluxos de caixa deveriam ser classificados como
atividades de investimento.
background image
Natura Cosméticos S.A.
44
n) Reconciliação das diferenças entre a Legislação Societária e o U.S. GAAP
Reconciliação do Lucro Líquido 2007 2006

Lucro líquido de acordo com a Legislação Societária
462.255 460.774
Ajustes para reconciliação da Legislação Societária para U.S.
GAAP:
Correção monetária de 1996 e 1997
(26)
(26)
Amortização dos juros capitalizados
(361)
(361)
Contabilização de instrumentos derivativos
2.838
(603)
Plano de opção de ações
(2.969) (73.740)
Outros ajustes
248
406
Tradução das demonstrações financeiras de subsidiárias no
exterior 8.403
1.487
Subvenção de investimentos - Itens registrados diretamente no
patrimônio líquido
2.791
3.870
Efeito do imposto de renda e contribuição social diferidos dos
ajustes acima
(833) 426
Lucro líquido total de acordo com o U.S. GAAP
472.346 392.233

Ajustes de tradução das demonstrações financeiras de subsidiárias
no exterior
(8.403) (1.487)
Lucro abrangente de acordo com os U.S.GAAP
463.943 392.233
Reconciliação do Patrimônio Líquido 2007 2006

Total do Patrimônio Líquido de acordo com a Legislação Societária 678.119 640.551
Ajustes para reconciliação da Legislação Societária para U.S.
GAAP:
Correção monetária de 1996 e 1997
1.583
1.609
Capitalização de juros
4.874
5.235
Reversão dos dividendos propostos de 2007 (líquido dos
dividendos mínimos obrigatórios), ajustados em 2006 para
mudança na prática contábil (vide Nota 18.d).
278.063 218.637
Contabilização de instrumentos derivativos
2.163
(675)
Plano de opção de ações
(33.929) (20.628)
Efeito cumulativo da adoção da SFAS nº 123 (R) (vide Nota 26.e)
- (61.672)
Outros ajustes
915
668
Efeito do imposto de renda e contribuição social diferidos dos
ajustes acima
(2.931) (2.097)
Patrimônio Líquido de acordo com o U.S. GAAP
928.857 781.628

Efeito acumulado do lucro total de acordo com o U.S. GAAP
(12.679) (4.276)
Os efeitos do imposto de renda e contribuição social diferidos sobre os ajustes
demonstrados acima para U.S. GAAP estão classificados como curto prazo de acordo
com o U.S. GAAP, com exceção do ajuste relativo a instrumentos derivativos.
background image
Natura Cosméticos S.A.
45
o) Mutação do Patrimônio Líquido de acordo com o U.S. GAAP
Total
Saldo em 31 de dezembro de 2005
726.522
Lucro líquido de acordo com o U.S. GAAP
392.233
Ajustes de tradução das demonstrações financeiras de subsidiárias no
exterior
(1.487)
Dividendos de 2005 aprovados em 2006
(200.235)
Dividendo mínimo obrigatório sobre o lucro líquido do exercício de 2006
(107.229)
Efeito cumulativo da adoção da SFAS nº 123 (R) (vide Note 26.e)
(61.672)
Juros sobre o capital próprio
(33.569)
Exercício de opção de ações
61.905
Amortização dos valores a receber de acionistas
2.060
Ações subscritas
3.100

Saldo em 31 de dezembro de 2006
781.628

Lucro líquido de acordo com o U.S. GAAP
472.346
Ajustes de tradução das demonstrações financeiras de subsidiárias no
exterior
(8.403)
Dividendos de 2006 aprovados em 2007
(218.637)
Dividendo mínimo obrigatório sobre o lucro líquido do exercício de 2007
(97.828)
Juros sobre o capital próprio
(39.248)
Aquisição de ações para tesouraria
(22.701)
Exercício de opção de ações
58.791
Amortização dos valores a receber de acionistas
92
Ações subscritas
2.817
Saldo em 31 de dezembro de 2007
928.857
p) Reapresentação das demonstrações financeiras encerradas em 31 de dezembro de 2006 -
Plano de Opções
Após a apresentação das demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de
dezembro de 2006, a Administração da Companhia identificou um erro no cálculo da
despesa de remuneração relacionada a contabilização do plano de ações de acordo com
o U.S. GAAP. Conseqüentemente, a Companhia reapresentou a reconciliação do lucro
líquido das diferenças entre as práticas contábeis adotadas no Brasil e os U.S. GAAP.
Os efeitos são os seguintes:
2006
Reapresentado
Anteriormente
apresentado
Plano de opção de ações
(73.740)
(20.628)
Lucro líquido de acordo com o U.S. GAAP
392.233
445.345
Lucro por ação
0,9434
1,0711
background image
Natura Cosméticos S.A.
46
27. DIVULGAÇÕES ADICIONAIS REQUERIDAS PELO U.S. GAAP
a) Concentração de Riscos
Certos instrumentos financeiros expõem a Sociedade à concentração de riscos de
crédito. Esses instrumentos financeiros consistem basicamente de aplicações
financeiras. A Sociedade efetua aplicações em instituições financeiras de alta
credibilidade e tem uma política de limitar o montante e a porcentagem da exposição a
risco de crédito para qualquer instituição financeira.
Alguns colaboradores da Sociedade são afiliados a Sindicatos dos Trabalhadores
Estaduais e/ou Municipais (Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Químicas,
Farmacêuticas, Plásticas, de Explosivos, Abrasivos, Fertilizantes e Refino de Óleos
Minerais de Osasco, Cotia e Região); Sindicato dos Empregados de Agentes
Autônomos do Comércio e em Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e
Pesquisas e de Empresas de Serviços Contábeis no Estado de São Paulo; e Sindicato
dos Empregados no Comércio de Cotia e Região), com os quais são negociados os
contratos de trabalho que geralmente influenciam os salários pagos pela Sociedade aos
seus colaboradores. Nos últimos anos não houve greves na Sociedade que tenham tido
um efeito material sobre as suas operações. Os acordos coletivos da Sociedade possuem
um ano de vigência. Esses acordos coletivos e seus respectivos termos são revisados
anualmente.
Além daqueles descritos acima, a Sociedade não possui nenhuma outra concentração de
risco que poderia resultar em um impacto material negativo sobre suas operações.
b) Ativos Intangíveis
Segue abaixo o resumo dos Ativos Intangíveis da Sociedade sujeitos à amortização de
acordo com o U.S. GAAP:
2007
Licença de
Softwares Patentes
Ágio na
aquisição de
investimento
Nova Flora
Fundo de
comércio
Natura
Europa
Valor bruto
73.183
1.967
-
5.420
Amortização acumulada
(25.231)
(1.232)
-
-
Valor líquido
47.952
735
- 5.420
Despesa de amortização
11.670
291
-
-
Período de amortização (anos)
5
4-10
-
-
background image
Natura Cosméticos S.A.
47
2006
Licença de
Softwares Patentes
Ágio na
aquisição de
investimento
Nova Flora
Fundo de
comércio
Natura
Europa
Valor bruto
32.735
941
8.015
5.860
Amortização acumulada
(13.561)
(941)
(8.015)
-
Valor líquido
19.174
-
-
5.860
Despesa de amortização
4.990
53
-
-
Período de amortização (anos)
5 4-10
10
-
A despesa de amortização estimada para os próximos anos está assim representada:
Valor

2008 14.928
2009 14.928
2010 14.790
2011
4.041
48.687
c) Pronunciamentos contábeis emitidos recentemente
Em setembro de 2006, o FASB emitiu a SFAS nº 157 - "Avaliação pelo valor justo",
que define valor justo, estabelece uma estrutura de avaliação do valor justo e amplia as
divulgações sobre a avaliação pelo valor justo. Este Pronunciamento é aplicado em
conformidade com outros pronunciamentos contábeis que exigem ou permitem a
avaliação pelo valor justo, tendo o Conselho concluído anteriormente, nesses
pronunciamentos, que o valor justo é um atributo de avaliação pertinente. Por
conseguinte, esse Pronunciamento não prevê nenhuma avaliação nova pelo valor justo.
Sua aplicação é obrigatória para exercícios iniciados após 15 de novembro de 2007 e
períodos intermediários dentro desses exercícios. A Sociedade adotará este
Pronunciamento para o exercício a findar em 31 de dezembro de 2008. Entretanto, é
possível determinar que, em 31 de dezembro de 2007, não há impacto material nas
demonstrações financeiras.
Em fevereiro de 2007, o FASB emitiu o Pronunciamento SFAS nº 159 "Opção de Valor
Justo para Ativos e Passivos Financeiros", introduzindo uma alteração no
Pronunciamento FASB nº 115, "Contabilização de Certos Investimentos em Títulos e
Valores Mobiliários de Dívida e de Capital". Esse Pronunciamento faculta às entidades
mensurar vários instrumentos financeiros e outros itens específicos ao valor justo. O
objetivo é melhorar a qualidade dos relatórios financeiros permitindo às entidades
reportar o lucro atenuando a volatilidade causada pelo uso de métodos distintos na
mensuração de ativos e passivos financeiros, sem necessidade de aplicar as complexas
normas de contabilização de hedge. Espera-se que o SFAS nº 159 expanda o uso do
método ao valor justo de mensuração de instrumentos financeiros e passe a vigorar para
exercícios fiscais com início após 15 de novembro de 2007. Dessa forma, a Sociedade
adotará o SFAS nº 159, juntamente com o SFAS nº 157, a partir do exercício fiscal de
2008.
background image
Natura Cosméticos S.A.
48
Em dezembro de 2007, o FASB emitiu o Pronunciamento SFAS nº 141 (revisado em
2007), "Combinações de Negócios". O SFAS 141 - Revisado em 2007 foi emitido para
convergir o USGAAP em IFRS; portanto, muitas alterações foram introduzidas no que
diz respeito ao tratamento contábil das combinações de negócios. As principais
alterações introduzidas por esse Pronunciamento têm relação com a contabilização dos
custos incorridos em combinações de negócios, que não mais podem ser considerados
parte do valor total pago; a contabilização de todos os ativos adquiridos, passivos
assumidos e participações não-majoritárias da entidade adquirida ao valor justo, a
valores cheios em relação a seus valores justos, e não como um percentual das
ações/cotas adquiridas; a mensuração e o reconhecimento de contingências contratuais
na data da aquisição, e fornece ainda orientação sobre o tratamento contábil subseqüente
para essas situações; o reconhecimento do valor contingente como parte da apuração do
ágio na data da aquisição, e não após a resolução da contingência, e, ainda, define o
conceito de compra pelo valor residual ("bargain purchase"), no qual o valor justo dos
ativos adquiridos, passivos assumidos e participações não-majoritárias da empresa
adquirida são maiores do que o valor total pago, e estabelece que tais compras devem ser
reconhecidas como ganho sobre a receita das operações quando surgirem, e não alocadas
aos respectivos ativos. Este Pronunciamento se aplica a exercícios fiscais que tenham
início após 15 de dezembro de 2008; as entidades não poderão aplicá-lo antes dessa
data. A Sociedade acredita que esse pronunciamento não terá impacto material sobre as
demonstrações financeiras da Sociedade.
Em dezembro de 2007, o FASB emitiu o Pronunciamento SFAS No. 160, "Participações
Não-majoritárias nas Demonstrações Financeiras Consolidadas - alteração do ARB
nº 51", também emitido para convergir o USGAAP em IFRS. As principais alterações
introduzidas por esse Pronunciamento têm relação com a classificação da participação
não-majoritária como parte do patrimônio, e não como um passivo ou uma posição
intermediária entre passivo e patrimônio, bem como a classificação da participação não-
majoritária em receita das operações, que agora deve ser demonstrada como receita
alocável à participação não-majoritária, e não mais ser reconhecida como despesa ou
ganho para se chegar ao lucro líquido das operações; este Pronunciamento também
fornece diretrizes sobre a não consolidação da subsidiária, a fim de mensurar o ganho ou
a perda, aplicando o valor justo de eventuais investimentos patrimoniais não-
majoritários, em vez de o valor contábil do investimento acumulado. Este
Pronunciamento deve vigorar para exercícios fiscais que tenham início após 15 de
dezembro de 2008; as entidades não poderão aplicá-lo antes dessa data. A Sociedade
está avaliando o impacto financeiro decorrente da adoção do SFAS 160.
background image
ANEXO
(Tradução Livre do Original Previamente Emitido em Inglês)
NATURA COSMÉTICOS S.A.
DEMONSTRAÇÕES DO FLUXO DE CAIXA
PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006
(Em milhares de reais - R$)
2007
2006
ATIVIDADES OPERACIONAIS
Lucro líquido do exercício
462.255
460.773
Ajustes para reconciliar o lucro líquido ao caixa gerado pelas atividades operacionais:
Depreciações e amortizações (Notas 10 e 11)
74.916
54.601
Variações monetárias e cambiais, líquidas, dos itens não correntes, exceto de riscos tributários, cíveis e trabalhistas
4.748
14.529
Provisão decorrente dos contratos de "swap" e "forward" (Notas 21.b e 21.d)
28.119
4.022
Provisões para riscos tributários, cíveis e trabalhistas, inclui variações monetárias sobre as provisões (Nota 15)
5.377
12.998
Imposto de renda, contribuição social diferidos e outros impostos diferidos (Nota 9.a)
(24.046)
(12.964)
Valor do resultado na venda e baixa de ativo imobilizado e intangível
8.190
2.476
Outros ajustes ao lucro, inclui provisão para perdas nos estoques
9.630
1.626
Participação dos minoritários
(3)
(4)
569.186
538.057
(AUMENTO) REDUÇÃO DOS ATIVOS
Circulante:
Contas a receber (Nota 6)
(161.359)
(57.904)
Estoques (Nota 7)
(23.618)
(86.410)
Outros ativos
(5.527)
(2.317)
Ativo não circulante (Realizável a longo prazo):
Depósitos judiciais (Nota 15)
(68.144)
(29.369)
Impostos a recuperar (Nota 8)
(1.303)
(8.019)
Outros ativos
878
(2.575)
Subtotal
(259.073)
(186.594)
AUMENTO (REDUÇÃO) DOS PASSIVOS
Circulante:
Fornecedores
(32.097)
54.736
Salários, participações no lucro e encargos sociais, líquidos
(1.141)
15.545
Obrigações tributárias, líquidas (Notas 8 e 14)
64.710
(4.366)
Outros passivos
(3.343)
6.233
Passivo não circulante:
Outros passivos
2.994
8.491
Subtotal
31.123
80.639
CAIXA LÍQUIDO GERADO NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS
341.236
432.102
ATIVIDADES DE INVESTIMENTO
Adições de imobilizado e intangível (Notas 10 e 11)
(120.856)
(193.596)
Outros investimentos
630
-
CAIXA LÍQUIDO UTILIZADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS
(120.226)
(193.596)
ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO
Redução - empréstimos e financiamentos (Nota 13)
(581.919)
(116.005)
Captações - empréstimos e financiamentos (Nota 13)
913.537
111.322
Pagamentos de contratos de "swap" e "forward" (Notas 21.b e 21.d)
(21.790)
(4.540)
Pagamento de dividendos (Nota 18.c)
(351.805)
(307.123)
Pagamento de juros sobre o capital próprio (Notas 18.c e 18.d)
(39.247)
(51.268)
Aumento de capital (Nota 18.a)
2.817
3.100
Aquisição de ações
(22.701)
-
Subvenções para Investimentos
2.791
3.872
Venda de ações em tesouraria pelo exercício de opções de compra de ações (Nota 18.e)
7.451
8.581
Amortização de valores a receber de acionistas (Nota 18.b)
92
2.272
CAIXA LÍQUIDO UTILIZADO NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO
(90.774)
(349.789)
(AUMENTO) REDUÇÃO LÍQUIDO NAS DISPONIBILIDADES
130.236
(111.283)
Saldo inicial do caixa
275.156
386.439
Saldo final do caixa
405.392
275.156
VARIAÇÃO NO CAIXA
130.236
(111.283)
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA
Pagamentos de imposto de renda e contribuição social
156.527
143.276
* * * * *
As notas explicativas e os Anexos são parte integrante das demonstrações contábeis.
RN0076*.*
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
1995
1996
1997
1998
1999
1
2000
1
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
background image
background image
background image
background image
background image
(1) Esse ajuste
(2) A opera
o
semestre de 2007.
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image
background image