background image
1
1
Local Conference Call
NATURA NAC.
Resultado 3
o
Trimestre 2006
27 de outubro de 2006
(10.53 até 39.06)
Sessão de perguntas e Respostas
Operadora: Com licença, senhoras e senhores, iniciaremos agora a sessão de
perguntas e respostas. Para fazer uma pergunta, por favor, digitem asterisco 1
(*1). Para retirar a pergunta da lista, digitem asterisco 2.

Com licença, nossa primeira pergunta vem do Sr. Marcel Moraes do Bradesco
Corretora.

Sr. Marcel Moraes: Bom dia a todos. Alessandro, a minha primeira pergunta diz
respeito a essa expansão internacional, ou melhor, à aceleração da expansão, o
quê que vocês estão imaginando em termos de resultado operacional para 2007?
E, indo um pouco além, o quê que a gente, ou melhor, quando a gente pode
esperar um break-even das operações internacionais que já estão em fase mais
consolidada, estou me referindo a Argentina, a Chile e Peru.

Sr. José David Uba: Marcel, eu vou começar com a segunda parte da sua
pergunta, sobre o break-even das nossas operações consolidadas, e depois o
Alessandro pode explorar um pouco mais aí a questão da expansão, dos impactos
disso no resultado. Bom, nesses três países, a operação peruana já está em
equilíbrio, e em condições normais, mais um ano e meio nós estaríamos no
equilíbrio nas outras duas, Argentina e Chile no seu conjunto. Evidentemente que
com a evolução muito positiva desses países, nós contemplamos, temos
contemplado, por exemplo, acelerar um pouco o plano de expansão também
nessas operações já em fase de consolidação, porque os indicadores são muito
positivos, e nós estamos fazendo aqui uma avaliação do retorno, de uma
intensificação do investimento de expansão da nossa rede de consultoras nesses
países. Mas a manter o ritmo atual, num período médio de um ano e meio, os dois
outros países já estariam em equilíbrio, ou seja, o conjunto todo das três estariam
em equilíbrio. Mas, como eu disse, é um, no início desse ano agora de 2007, nós
vamos definir claramente a nossa estratégia para essas operações em
consolidação, para ver se faz sentido acelerar, além do nosso projeto inicial, do
nosso programa, a expansão da rede de consultor.

Sr. Alessandro Carlucci: Marcel, e falando um pouco da estratégia de
internacionalização, acho que a primeira coisa é que vale lembrar um ponto
importante, né? Vários investimentos que a Natura tem feito, não só nesse ano,
mas historicamente nos últimos dois ou três anos, são para, realmente, preparar a
empresa para que ela tenha uma proposta de valor que seja competitiva também
fora do Brasil, né? Então, por exemplo, os investimentos todos em pesquisa em
background image
2
2
desenvolvimento, são tentando colocar a Natura num patamar igual, ou superior
as empresas internacionais. O próprio investimento que a gente tem dito em
tecnologia de informação, também são objetivando capacitar a empresa para uma
expansão, para que ela seja realmente competitiva nos mercados onde ela entre.
O que a gente está falando são de acelerar outros investimentos que são os
investimentos mais locais mesmo, os investimentos em construir a rede de
consultoras, em construir a marca, que seria uma etapa seguinte a esse plano que
já vem sendo feito já há algum tempo, e como eu mencionei, nós estamos muito
satisfeitos com a consistência dos resultados nas nossas operações internacionais
nos último cinco anos. A gente tem um período muito positivo de aprendizado e de
previsibilidade, portanto, a gente se sente capaz e no momento de com,
obviamente, cautela, mas com entusiasmo, a gente acelerar a nossa entrada em
alguns países. Nós não temos o plano totalmente definido, mas como eu
mencionei no começo, a gente imagina que esses investimentos devem tirar
algum, um, provavelmente, entre um e dois pontos da nossa margem. A gente
ainda não tem o detalhe, a gente está finalizando um pouco esse plano e,
provavelmente, no começo do ano que vem a gente vai estar mais capacitado
para compartilhar com vocês. Mas, provavelmente, a gente está falando de um ou
dois pontos que seriam os investimentos necessários para a gente começar a
construir uma plataforma de negócios futura muito importante para a nossa
empresa e para os resultados dela.

Sr. Marcel: Perfeito, mudando um pouco para mercado interno. O quê que vocês,
o mercado esse ano está sendo excepcional, a indústria está crescendo muito,
principalmente em cosméticos; o quê que a gente pode esperar a princípio para
2007?
Sr. Alessandro: Eu não acredito Marcel, se você olhar uma série histórica do
nosso mercado, nosso mercado é um mercado que tem crescido a taxas
relevantes bastante acima das taxas da economia. Então eu não acredito que a
gente deva ter nenhuma ruptura. É claro que, se a economia, como todos estão
esperando e existem, obviamente, ainda mais promessas do que fato, mas se a
economia entrar num ritmo de crescimento, nosso mercado é afetado
positivamente. Mas, independente de uma mudança, de uma aceleração da
economia como um todo, eu não tenho nenhum motivo para acreditar que o
mercado de cosméticos não continuem a crescer nas taxas históricas que nós
temos visto nos últimos anos. Então eu, em 2007, imagino um crescimento, no
mínimo, similar ao que nós devemos ter nesse ano que, talvez, encerre o ano com
um crescimento por volta de 15, 16%, ainda é cedo para falar, porque a gente só
tem os dados até o 1º semestre, mas eu não vejo nenhum motivo para uma
mudança significativa no crescimento.

Sr. Marcel: Está certo. Perfeito. Obrigado pelas respostas.

Operadora:
Com licença, nossa próxima pergunta vem da Sra. Julia Rizzo da
Credit Suisse.
background image
3
3
Sra. Julia Rizzo: Oi, bom dia a todos. Na verdade eu tenho três perguntas; a
primeira em relação às operações internacionais, eu queria saber um pouquinho
melhor como vai ser feita a operação de venda direta em Paris, se é o mesmo
portfolio que vai ser oferecido pelas 60 consultoras, qual o prazo médio que vocês
acham que vocês seriam capazes de entregar para os consumidores franceses, e
onde vai ficar esse estoque.
S
S
r
r
.
.
A
A
l
l
e
e
s
s
s
s
a
a
n
n
d
d
r
r
o
o
:
:
Oi Julia, bom dia. O modelo de venda direta em Paris e antes de
responder diretamente a tua pergunta, eu queria reforçar um ponto. Nós estamos
iniciando essa iniciativa na França, acreditando que vai ser um grande laboratório
de aprendizado, para uma evolução do nosso modelo, para que a gente possa
aprender e estar mais preparado na eventualidade de entrarmos em mercados
mais sofisticados, como o da França, então tem muito aprendizado pela frente.
Portanto, a cada mês que a gente aprender na França, nós vamos vir evoluindo,
mudando. O nosso objetivo é uma experiência controlada de aprendizado. Como
que ela vai funcionar? Ela vai funcionar o modelo básico é similar ao que temos no
Brasil, o prazo de entrega que você me perguntou, deve ser um prazo bastante
curto, porque nós estamos focando, nós vamos estar fazendo uma experiência
bastante controlada em Paris, eventualmente nos arredores de Paris, mas muito
controlada, com número pequeno de consultoras. A idéia não é investir para um
grande crescimento, a idéia é investir para aprender. Então o prazo de entrega
deve ser um prazo de entrega curto, o estoque desses produtos está em Paris,
não está exatamente em Paris, se eu não me engano está a 60 km de Paris, mas
vai estar lá, localmente. O portfolio, inicialmente, que as consultoras vão ter à sua
disposição, será o portfolio que nós temos na loja, que está concentrado mais na
linha Ekos, mas, em breve, mais uns dois, ou três, quatro meses, a gente vai
ampliar o portfolio com algumas outras linhas de produtos que vão estar
disponíveis na França também.

Sra. Julia: E a respeito do departamento de pesquisa e desenvolvimento, eu
imagino, por causa desse novo projeto na França, você acha que mudaria a
estimativa inicial de 3% das vendas de investimentos da Natura, e, além disso,
isso poderia aumentar um pouco?

Sr. Alessandro: Não, não. Na verdade é o contrário. A gente só abriu um
laboratório lá porque a gente está cumprindo a nossa estratégia de ter esse
investimento de aproximadamente 3%. E, de novo, a França, na França existem
fornecedores muito importantes de tecnologia, né? E o nosso relacionamento feito
aqui do Brasil, ele perdia eficiência, ele custava, inclusive, mais caro. Para te dar
um exemplo, talvez seja muito técnico, mas os testes de pele in vitro só podem ser
feitos na França, porque a pele reconstituída não viaja no avião, e só na França é
que existe o fornecimento desse tipo de material, então a gente não conseguia
fazer no Brasil; estando lá com um pequeno grupo, um laboratório a gente vai
conseguir fazer os testes de pele reconstituída na própria França, sem ter que
contratar um fornecedor local para fazer. Então, não, o laboratório não muda o
nosso target, o laboratório é uma resposta a ele, na verdade.
background image
4
4
Sra. Julia: Ótimo, ficou bem claro. A outra pergunta; eu entendi que em 10 anos,
vocês pretendem que as operações internacionais cheguem em até 20% das
vendas da Natura. Você poderia me dar, mais ou menos, uma idéia do tamanho
desses mercados, quais são os países e o market share que você acha que você
conseguiria chegar para atingir essa meta?

Sr. Alessandro: Olha Julia, eu acho que é muito cedo para eu poder te dar esses
dados. O que eu posso te falar, é que a nossa estratégia, como eu mencionei, é
uma estratégia, nós estamos chamando um Projeto de Sementes, o quê que
significa isso? Significa que nós não vamos entrar de uma forma avassaladora em
todos os mercados com grandes investimentos, nós vamos, sim, escolher os
mercados mais relevantes, os mercados onde a gente acha que tem mais chance
de ter sucesso, e que a nossa proposta de valor, como um todo, seja bem aceita,
e nós vamos acompanhar um desenvolvimento destas sementes, né? Na medida
em que uma semente brote mais do que a outra, aí sim, nós vamos investir mais
fortemente. Então não é um projeto big bang, que de um dia para o outro nós
vamos fazer investimentos muito grandes em todos os mercados, mas é uma
estratégia de poder plantar essas sementinhas, esperar para ver quais que brotam
mais, e aí nessas, com uma gestão de risco bem feita, aí nessas nós vamos
investir.

Sra. Julia: Quando você pode dar para a gente ter uma idéia de quais são os
mercados e market share para poder chegar nessa meta?

Sr. Alessandro:
Não, eu não tenho condição de te dizer. Agora, você pode
considerar que nós estamos planejando estar presentes nos principais mercados
de cosméticos do mundo, então, estamos falando, certamente, de pensar na
América do Norte, de pensar na Europa, na Ásia, na Europa Oriental, ou seja, no
fim eu não te respondi muito, porque estamos falando em quase...

Sra. Julia: Do mundo.

Sr. Alessandro: Do mundo todo. Mas, obviamente, não está nesse plano
pensarmos em mercados pequenos, pelo menos nesse primeiro momento. Eu não
tenho ainda o plano suficientemente detalhado para poder te dar essa resposta,
inclusive de market share.

Sra. Julia: Tá bom, muito obrigada. Posso fazer só a última pergunta em relação
aos funcionais, aos alimentos funcionais, eu entendi que estão em fase de teste,
você poderia só, pelo menos, falar um pouquinho, que tipo de produto que vocês
estão pensando em elaborar. Se seriam vitaminas, ou se seriam barra de cereais,
ou, como, mais ou menos, poderia ser esse projeto para a Natura?

Sr. Alessandro: Olha, eu posso te dizer, sem ainda te dar os detalhes dos
produtos, porque, de fato, a gente ainda está desenvolvendo este primeiro
portfolio que vai ser testado, então ele não está definido. Mas o que eu posso te
falar é que é um conjunto de produtos. Nós não vamos testar
­
e de novo, é um
background image
5
5
teste - nós não vamos testar uma linha de barrinhas de cereais, ou uma linha de
vitaminas, nós vamos ter um conjunto de produtos que vai ter uma diversidade
desses e outros produtos também, como uma proposta integrada de
complementos nutricionais, que vão ajudar na alimentação e no bem estar das
pessoas. Então é um conjunto, não vamos ter uma linha somente. Agora, eu não
tenho, nós não definimos finalmente, o teste nem começou ainda, qual é essa
linha. Mas vai ter uma diversificação, nós vamos ter barrinha, sim, vamos ter
alguns complementos nutricionais, vamos ter shakes, sopas, mas, na verdade, é
um conjunto dessas coisas.

Sra. Julia: Ótimo, muito obrigada.

Operadora: Com licença, nossa próxima pergunta vem da Sra. Juliana
Rosembaum do Deutsche Bank.

Sra. Juliana Rosembaum:
Olá. Bom dia a todos. Voltando um pouco a situação
internacional, vocês têm falado muito do aprendizado das operações e como elas
tem te dado mais confiança na expansão agora para outros países. Eu queria
entender um pouco melhor, como que você avalia isso, quer dizer, vocês hoje já
vêem a possibilidade de novos mercados, como México, Venezuela e Colômbia,
vocês têm uma curva de maturação muito mais rápida do que a curva que vocês
viam em Argentina, Chile e Peru? E como que você mede essa maturação, quer
dizer, alguma idéia do tipo, anos que você vai demorar para chegar no break-
even, que agora é muito mais curto do que você achava anteriormente, ou um
conforto maior no retorno sobre o dólar, ou o real investido em cada um desses
mercados, eu queria só entender, o quê, quais são as bases, vamos dizer assim,
técnicas, para todo esse conforto?

Sr. Alessandro: Oi Juliana, é Alessandro. Eu e o David vamos responder cada
um, um pedacinho da tua pergunta. Sob o ponto de vista mais ligado aos
indicadores causa, o que eu posso te dizer é, primeira coisa nós temos, o por quê
que existe aprendizado? Hoje nós temos boa previsibilidade do que pode
acontecer nessas operações, e isso é muito importante. A gente sabe qual é o
mínimo que nós vamos ter de retorno em cada dólar investido nessas operações.
Isso nos dá coragem de poder projetar e saber que impacto isso tem no resultado
futuro da empresa. Os indicadores, de novo, primários que nos dão essa
segurança de que podemos investir, são indicadores ligados à atração de
consultoras, à retenção de consultoras que é algo muito importante, né? A gente
tem percebido altas taxas de retenção nos paises aonde a marca é muito pouco
conhecida, e isso mostra que a consultora tem negócio na conta, que o cliente se
interessa pela proposta de valor. E, mais recentemente, níveis de produtividade
bastante interessantes; Produtividade é a compra média por consultora, que, de
novo, mostram que, mesmo sem termos uma marca muito conhecida, o
consumidor tem interesse em comprar os nossos produtos e tem contato com as
nossas consultoras e, portanto, ela se mantém na atividade, o relacionamento
delas com a Natura tem sido muito bom.
background image
6
6
Esses são fatores, obviamente primários, mas muito importantes. Porque eles nos
dão uma certa segurança da saúde no negócio. E aí o David pode contar um
pouco para você, bom, no final das contas, quê que nós estamos imaginando sob
o ponto de vista mais de negócio para frente, de resultados financeiros.

Sr. David: Bom Juliana, é o seguinte, o break-even numa operação dessa, leva de
quatro a seis anos, e com uma concentração muito grande em torno de seis anos,
perdão, de cinco anos, exatamente aí na média do intervalo. Esses indicadores
que o Alessandro se referiu, a velocidade de crescimento do número de
consultoras num determinado setor, a produtividade, a curva de crescimento da
produtividade da consultora, a mortalidade, que a gente chama da mortalidade das
consultoras no setor, quer dizer, o número de consultoras que permanecem
conosco depois de um ano, depois de dois anos, todos esses são indicadores que
acabam afetando fortemente esse tempo de break-even. Mas o quê que esta
acontecendo agora? Com a revisão das expectativas para esses indicadores, o
que nós estamos vendo é uma excelente oportunidade de acelerar o processo de
expansão nesses países. Por exemplo, o México, nós tínhamos um programa
original, que começa na região da capital federal da Cidade do México e vai se
expandindo gradativamente ao longo dos anos, para os outros estados, até cobrir
o território todo. O que estes indicadores estão nos mostrando, é que existe uma
oportunidade excelente de acelerar esta expansão, o que vai implicar,
possivelmente, num investimento maior, mas em contrapartida, no valor presente
esperado da operação, muito, muito maior do que os nossos planos originais
indicavam. O break-even acaba se dando, mesmo nesse ritmo mais acelerado,
mas em contrapartida, com indicadores mais fortes, o break-even acaba se dando
mais ou menos no mesmo tempo; cinco, entre cinco e seis anos. Portanto, é mais
ou menos essa dinâmica que nós estamos estudando agora da expansão
internacional, e das estratégias em cada país, mais ou menos nessa linha.

Sra. Juliana: Mas falta alguma coisa para que você realmente decida falar assim,
não, vale a pena dobrar, ou triplicar, o que a gente está investindo em dado
mercado, porque a gente realmente acredita que o break-even pode ir de cinco,
para dois ou três anos. Você acha que isso pode virar realidade?

Sr. David: Olha, deixa eu só deixar um ponto bastante claro; se eu tiver
indicadores muito mais robustos, como, por exemplo, o crescimento da
produtividade, crescimento do número de consultores num determinado setor, o
break-even realmente encolhe se eu mantiver o mesmo plano de expansão, o
break-even pode cair aí para três anos e meio, mas abaixo disso não vem não. 3,8
anos. Agora, se eu decidir acelerar a expansão, o break-even volta a se aproximar
lá dos cinco, cinco anos e meio, e com um valor presente muito maior. O quê que
falta decidir é o seguinte; nós temos várias oportunidades de investimentos, elas
precisam ser consistentes com o nosso plano para os próximos dois anos, então
tem que haver um equilíbrio orçamentário, por assim dizer e isso é uma coisa que
nós estamos terminando de definir agora, para 2007 e 2008, um pouco mais em
detalhe, e também quais são as restrições físicas de você acelerar a expansão.
Tomemos o México, né? Que é uma operação nossa que está entrando no
background image
7
7
segundo ano, às vezes, a equação puramente financeira indica uma aceleração
muito aguda da expansão, mas que encontra algumas restrições na capacidade
física mesmo, de você recrutar novas promotoras, gerente de venda, ampliar a
logística de distribuição. O que nós estamos nesse momento simulando vários
cenários diriam aonde que está o equilíbrio adequado entre o investimento
financeiro saudável e uma operação, uma expansão operacional física também
segura. Mas a gente deve, essas coisas estão, já estão em fase final de definição,
no início de 2007, acho que nós teremos um pouco mais de clareza sobre o plano
todo, e podemos informar isso com um pouco mais de detalhe.

Sra. Juliana: E então como o último ponto nesse assunto, vocês realmente estão
convictos que a estratégia de plantar essas sementes num número grande de
mercados, vamos dizer, nos próximos dois a três anos, faz mais sentido do que
concentrar os investimentos em, talvez, quatro ou cinco paises da América Latina.

Sr. David: Essa é uma pergunta interessante, é exatamente esse plano de dois
anos, nós temos um portfolio de oportunidades de investimentos e temos um valor
a investir. O que nós vamos fazer agora, é decidir qual é a melhor aplicação neste
portfolio. Estamos fazendo esse estudo já a bastante tempo, e estamos
finalizando, vamos dizer assim, um perfil, a composição dos investimentos naquilo
que nós estendemos que traz, maximiza as oportunidades e o retorno para a
companhia. Mas nós não tomamos nenhuma decisão extre
mada; "olha, não põe
mais dinheiro nas operações existentes, e concentra tudo nas sementes, ou vice-
versa". Nós estamos vendo, certamente vai haver uma distribuição entre esses
dois conjuntos de iniciativas, mas com peso para uma ou para a outra, onde a
companhia entende que tenha um maior retorno.

Sr. Alessandro: Agora, adicionando uma coisa ao que o David disse, Juliana, o
Projeto Sementes, é um projeto que tem o objetivo de, com uma gestão de risco
bastante controlada, descobrir as oportunidades, então, ela não é um investimento
grande em cada uma delas, por isso que elas se chamam sementes, quer dizer, o
que nós estamos pensando, não é entrar em sete, oito, ou nos próximos dois
anos, nove mercados, como a gente tem entrado até hoje que é, concentrando e
fazendo investimentos maiores; o que nós estamos dizendo é, investimentos
pequenos para conhecer o mercado, perceber a aceitação de valor e, se os
indicadores base, que eu mencionei para você, produtividade, atração de
consultoras, forem bons, aí sim, a gente vai investir porque acreditamos que
tenham um retorno mais seguro naquele mercado, tá? Então, não fique com a
impressão de que o Projeto Sementes significa grandes investimentos em todos
os mercados, pelo contrário, são pequenos investimentos para a gente entender e
conhecer, e aí, dentro desse portfolio, selecionar em quais deles faz sentido um
investimento maior.

Sra. Juliana: E o budget de investimentos internacionais para 2007 já está
definido, ou também é parte deste estudo?
background image
8
8
Sr. Alessandro: Não, ainda não está definido. Vai depender um pouco do que eu
estava falando, anteriormente, da definição de como esse plano vai ser
implementado.

Sra. Juliana: Está ótimo. Muito obrigada.

Operadora: Com licença, senhores e senhores, lembrando que para fazer
perguntas basta digitar asterisco 1 (*1).

Nossa próxima pergunta vem da Sra. Paula Gusmão da Vision Brasil.

Sra. Paula Gusmão: Oi, bom dia a todos. A minha pergunta é a respeito da nova
divisão de alimentos funcionais; embora outros concorrentes também da venda
ainda por catálogos, tenham adotado uma diversificação de portfolio, oferecendo
outros tipos de produtos, além de cosméticos, a Natura nunca se mostrou muito
favorável a esse tipo de diversificação e eu acho que o anúncio da divisão de
alimentos funcionais quebra um pouquinho com essa postura, então a minha
pergunta vem, se nós podemos esperar da Natura uma maior diversificação do
portfolio, ou se isso se limitaria a uma divisão de alimentos, ou se pode expandir
para outros itens também. E aí, mais especificamente sobre o projeto, queria
saber como que vai ser o modelo de vendas, essa divisão, se ele vai ser somente
por venda por catálogo baseado na rede de consultoras, ou se vai se expandir
para varejo ou para alguns outros modelos, e qual investimento, e para que prazo
nós podemos esperar a implementação desse projeto, alguma coisa assim.
Obrigada.

Sr. Alessandro:
Paula, uma parte das suas perguntas a gente não sabe
responder porque vamos fazer um teste.

Sra. Paula: Está ok.

Sr. Alessandro: Uma parte, eu realmente, genuinamente não sei te dizer. A parte
mais da estratégia e do conceito eu posso falar um pouquinho, mas de resultados
e expectativas futuras nós estamos realmente fazendo um projeto piloto, então
tudo pode acontecer nesse projeto piloto, estamos entusiasmados, achamos que
podemos criar uma categoria nova que complementa a razão de ser da empresa,
mas podemos chegar a conclusão que não também. Então, é muito prematuro eu
te dizer qualquer coisa porque, genuinamente, estamos fazendo um teste de
aprendizado. Sob o ponto de vista da diversificação, a Natura, de fato, na sua
história tem mantido, tem se mantido dentro da categoria de cosméticos mas o
mais importante para compartilhar com você, é que, quando a gente olha a razão
de ser da empresa, que é a promoção do Bem Estar Bem, Bem Estar com Você e
Estar Bem com o mundo, a gente percebeu que dentro da categoria de alimentos,
haveria uma complementaridade a cosméticos que reforçaria o Bem Estar Bem,
né? Que faria muito sentido podermos estar, ou seja, está muito ligada a razão de
ser da empresa. E como você mesmo falou, demorou 37 anos para a gente
perceber que, talvez, existisse essa possibilidade. Estou falando mais no aspecto
background image
9
9
conceitual, isso significa dizer, que, apesar de que a nossa razão de ser pode
permitir outras categorias, além dessa, nós não temos planos de diversificar a
Natura, então demorou 37 anos para fazermos um teste, na possibilidade de que
alimentos possam realmente complementar a proposta do Bem Estar e do Estar
Bem que a Natura propicia para seus consumidores. Nós não temos nenhuma
vontade de fazer uma diversificação grande dentro da empresa; a empresa não vê
o seu canal de distribuição como um canal que pode vender qualquer produto.
Então essa iniciativa que, reforço, é um teste de aprendizado, ela só existe porque
a gente acredita que ela complementa fortemente a razão de ser da empresa.
Portanto não imagine que nós podemos daqui a seis meses, anunciar que vamos
vender, sei lá, como outras empresas de vendas diretas fazem com sucesso, mas
que não vai ser o nosso caso, bijuterias, roupas e outros objetos mais. Então não
é este o plano.

Sra. Paula:
Obrigada.

Operadora: Senhoras e senhores, encerramos neste momento a sessão de
perguntas e respostas. Gostaria de passar a palavra ao Sr. Alessandro Carlucci
para as suas considerações finais.

Sr. Alessandro Carlucci: Bom, queria agradecer a presença de todos vocês,
desejar um bom final de ano, muito sucesso, muita felicidade, muita alegria. A
gente espera ter um ótimo Natal do ponto de vista de negócio, e também do ponto
de vista pessoal. E nós nos vemos no nosso próximo encontro no ano que vem.
Grande abraço e obrigado pela atenção.

Operadora: A audioconferência da Natura está encerrada. Agradecemos a
participação de todos e tenham um bom dia.

____________________________________________________________